As vantagens da educação disruptiva - WHOW
Eficiência

As vantagens da educação disruptiva

Cursos, palestras e experiências educacionais voltadas para temas do futuro estão mudando a formação de times e líderes e melhorando performances

POR Luiza Bravo | 12/06/2020 13h11

A inovação é uma das palavras de ordem do século XXI, e é preciso estar em constante aperfeiçoamento para atender às demandas de um mundo cada vez mais hiperativo e hiperconectado. Um dos aliados para enfrentar esses novos desafios é a tecnologia, que coloca o aprendizado sob uma nova luz e colabora para a promoção de um novo modelo: a educação disruptiva. 

O que é educação disruptiva?

Ela tem, em sua essência, o objetivo de romper com os modelos existentes até então, com abordagens, métodos e formatos que permitam que aprendizagem se estenda por toda a vida (lifelong learning). Para isso, é necessário o desenvolvimento de novas formas de aprendizado, que permitam a construção de uma relação de mais interesse, curiosidade e diversão no ato de aprender.

A tecnologia, que muitas vezes é culpada pela nossa dispersão cada vez maior, é usada como aliada, e permite que os conteúdos sejam criados de maneira personalizada e escalável. Entre as principais ferramentas utilizadas, estão a inteligência artificial e a gamificação. “Para nós, uma educação disruptiva é uma educação que foge do conceito comum de colocar um aluno em uma carteira olhando um professor ensinar e achar que isso é o suficiente. Acreditamos em uma educação híbrida e que nos acompanha por todos os momentos da vida”, disse Mariana Achutti, CEO e fundadora da escola corporativa Sputnik, ao Whow!. 

A ideia por trás da educação disruptiva é criar jornadas de ensino com base nas preferências de cada aluno, fornecendo materiais como vídeos e podcasts que utilizam os interesses pessoais do aluno e aumentam sua interação e engajamento. As jornadas de aprendizagem são construídas através do engajamento e organizadas em três grandes módulos: interatividade, flexibilidade e colaboração. 

As vantagens para colaboradores e empresas

Muitas empresas ficam na dúvida sobre a efetividade de investir em ensino para seus colaboradores, mas essa pode ser uma boa oportunidade para ambas as partes. Com educação de qualidade, os colaboradores desenvolvem melhor seu trabalho, ficam mais alinhados ao propósito da empresa e desenvolvem habilidades socioemocionais.

Criar oportunidades de aprendizagem dentro das empresas ajuda a aumentar a retenção de funcionários e a formar equipes mais inovadoras. Na Sputnik, o processo de educação corporativa acontece em etapas: diagnóstico da necessidade da organização, planejamento e avaliação do produto, produção e gestão da jornada e análise de KPI’s.

“Trabalhamos com uma metodologia de ensino híbrida, que conecta a tecnologia humana com a digital, mesclando conceitos clássicos e movimentos contemporâneos educacionais”, comentou Mariana. Entre os métodos utilizados pela empresa, estão debates, jogos, podcasts, webséries e mentorias.

“Hoje, vemos as empresas muitos sedentas por se transformarem, renovarem e regenerarem, mas isso só vai acontecer se elas estiverem alinhadas com a sua força de trabalho. Uma das formas de trazer esse fomento por transformação é levar conteúdo e habilidades para seus colaboradores.”

Mariana Achutti, CEO e fundadora da escola Sputnik

Segundo ela, os cursos mais procurados atualmente na escola são aqueles voltados para liderança e desenvolvimento de soft skills, como inteligência emocional e metodologias ágeis, além de ferramentas de gestão e inovação.


ACOMPANHE ESTA LIVE SOBRE O ECOSSISTEM DE INOVAÇÃO NA EDUCAÇÃO
Ver essa foto no Instagram

Venha aprender mais sobre as diferentes formas de ensino e aprendizagem, as novas tecnologias e tendências que vão impactar o setor, além das ondas de evolução das startups no Brasil, neste bate-papo com @guijunqueira, CEO da @gamaacademy. #inovacao #educacao #gestao #startup #live #whow #whowfestival

Uma publicação compartilhada por WHOW! (@whowfestival) em


educação Arte Grupo Padrão (@flaviopavan_76)


+EDUCAÇÃO

Startup de educação financeira fundada em 2018 conquista aporte
Educação do futuro: por que o ensino superior precisa se reinventar

Edtechs: qual país está liderando esse movimento?
A inovação potencialmente ilegal vai disruptar o setor de educação