Uber demonstra diversificação de serviços em sua nova aquisição - WHOW
Vendas

Uber demonstra diversificação de serviços em sua nova aquisição

Ao adquirir a Cornershop, fornecedora de mantimentos chilena, a Uber mostra uma diversificação de serviços na sua estratégia global

POR Gabriely Souza | 16/10/2019 17h55 Uber demonstra diversificação de serviços em sua nova aquisição

A Uber resolveu investir no segmento dos supermercados online com a aquisição da Cornershop, fornecedora de mantimentos chilena. O aplicativo de transporte torna-se o acionista majoritário da empresa, que também opera no México, Peru e Canadá. Entre os itens que a e-shop fornece estão desde alimentos até rodas de bicicleta.

Espera-se que o investimento da Uber seja fechado no início de 2020, sujeito a aprovação regulatória.

“Seja pegando carona, pedindo comida no seu restaurante favorito ou em breve, entregando mantimentos, queremos que a Uber seja o sistema operacional para a sua vida cotidiana”, diz Dara Khosrowshahi, CEO da Uber, em nota. “Estamos empolgados em fazer parceria com a equipe da Cornershop para ampliar sua visão e esperamos trabalhar com eles para oferecer entrega de supermercado a milhões de consumidores na plataforma Uber.”

Oskar Hjertonsson, fundador e CEO da Cornershop disse, também em nota, que não esperava que o processo de logística da empresa pudesse ser ampliado com a Uber. “Começamos a Cornershop, principalmente com o mercado latino-americano e não poderíamos estar mais animados em trabalhar com a Uber para nos ajudar a levar essa missão muito mais longe.” Fundada em 2015 por Hjertonsson, Daniel Undurraga e Juan Pablo Cuevas, a rede chilena conta com capital da Accel, ALLVP, Creandum e JSV.

Uber Foto Cornershop (divulgação)

Após o fechamento do investimento, a Cornershop continuará operando sob sua liderança atual, reportando-se a um conselho com representação majoritária da Uber.

Diversificação nos negócios

Mas o que esta e outras aquisições recentes da Uber representam para a estratégia global da gigante de mobilidade?

A compra da Cornershop demonstra a estratégia da empresa norte-americana em diversificar os seus serviços. No Brasil, a última novidade é um recurso que possibilita a customização das corridas e a emissão de alertas aos motoristas para que, por exemplo, não conversem com os passageiros durante o trajeto. 

Além do aplicativo de transporte individual e o de entrega de refeições, o Uber Eats, a empresa já testa nos Estados Unidos um app de empregos temporários chamado Uber Works.

Ele opera somente em Chicago, e conecta quem necessita de algum trabalhador por um período determinado de tempo, em funções como desmontagem, limpeza, elevação e movimentação de itens em eventos e instalações, trabalho em uma linha de montagem em centros de fabricação e distribuição e serviços domésticos.

Uber Foto (Unsplash)

A empresa de logística também mantém nos EUA o Uber Health, que fornece transporte sob demanda para viagens de assistência médica. Por meio de um painel online, as organizações de assistência médica podem agendar um carro para o atendimento de pacientes, convidados, funcionários e outras pessoas. O app utiliza a rede online existente da Uber – e os motoristas independentes que o utilizam – para acessar opções de transporte confiáveis ​​e econômicos em grande escala.

De volta a terras brasileiras, de acordo com a Reuters, o Banco Inter e a Uber estariam em negociação para estabelecer uma parceria na área de serviços financeiros, em um movimento que demonstra o trabalho do grupo japonês SoftBank para integrar seus negócios na América Latina.

Os últimos lançamentos da empresa vêm depois da divulgação de prejuízo de US$ 5,236 bilhões no segundo trimestre de 2019. Tal resultado financeiro foi puxado para baixo devido à remuneração em ações para os funcionários após a abertura de capital da corporação.


+ UBER

Superapps de mobilidade vão integrar Uber, Yellow e transporte público
Aplicativo com leilão de preço chega a SP para competir com Uber e 99

Empresas saem da caixa e apostam no desenvolvimento de carros autônomos
Novo modelo de negócios pode catapultar compartilhamento de carros elétricos