Transporte e a logística no Brasil: o quanto evoluíram nos últimos anos? - WHOW
Tecnologia

Transporte e a logística no Brasil: o quanto evoluíram nos últimos anos?

Executivos das startups TruckPad e Dlieve, premiadas pela 100 Open Startups, comentam sobre os desafios e vitórias de inovar em transporte de carga no país

POR Carolina Cozer | 20/03/2020 09h00 Transporte e a logística no Brasil: o quanto evoluíram nos últimos anos? Arte Grupo Padrão (Giovana Sorroche) matéria: Especial esquenta Whow - Transporte e Logística

A digitalização e o crescimento da tecnologia nas indústrias brasileiras já atingiu o (supostamente) rústico cenário dos caminhoneiros do país.

Segundo a Confederação Nacional do Transporte (CNT), 86,1% dos caminhoneiros autônomos, e 91,2% dos empregados de frota no Brasil, utilizam smartphone, tablet, notebook ou outro meio digital no dia a dia profissional. Destes, 98% afirmaram que o equipamento utilizado com maior frequência para acessar internet é o celular.

Ainda segundo a pesquisa, 87,7% dos caminhoneiros brasileiros possuem acesso à internet, com conexões diárias ― seja para fins profissionais ou checagem das redes sociais.

Transporte Foto ilustrativa (Pixabay)

WhatsApp ― 88%

YouTube ―  2,7%

Facebook ― 1,3%

NS / NR ― 8%

O Whow! conversou com executivos das startups de transporte e logística TruckPad (Top 4 na categoria Transport & Logistics do Ranking 100 Open Startups 2019)e dLieve (Top 5 na categoria Transport & Logistics do Ranking 100 Open Startups 2019), para conhecer melhor o cenário dessa seara no Brasil. Confira:

Whow! ― Como trazer soluções inovadoras em Transporte e Logística ao Brasil, considerando que temos problemas graves de mobilidade e baixo acesso à tecnologia?

Carlos Mira, CEO da TruckPad ― “Acho que a infraestrutura do Brasil de logística está dada. O Brasil é um país notadamente rodoviarista. Cerca de 70% de tudo o que é transportado no país inteiro é transportado pelo caminhão, então o que temos que fazer é usar muita tecnologia, big data, machine learning e algoritmos para melhorar a produtividade. Se tirarmos os caminhões que rodam a toa pelas estradas, procurando carga, a gente já melhora muito [a mobilidade], aumentando a produtividade.

A CNT dá conta de que cerca de 40% dos caminhões que rodam hoje estão vazios, procurando por carga, notadamente. Não é que estão parados; eles rodam por pontos, entre um ofertante de carga e outro, entre terminais de cargas, procurando por um próximo frete. A tecnologia, então, retira esses caminhões vazios das estradas, melhorando notadamente o trânsito e o tráfego, e aumentando a sua produtividade.

Eu acredito, sim, que a tecnologia vai melhorar a qualidade e a performance da logística, principalmente no transporte rodoviário de cargas, por conta dessas startups maravilhosas que têm surgido.”

Patrick Rocha, Executivo de Logística e Negócios da dLieve “A gente não resolve um problema de mobilidade, mas em termos de acesso à tecnologia, hoje, os motoristas estão muito ligados à questão de ter um smartphone com internet ― senão a vida deles não é mais a mesma. Eles não conseguem fazer coleta de carga, não conseguem saber volume de carga disponível no mercado. Então, tecnologicamente, esse acesso está se tornando cada vez mais real. Eu diria que mais de 90% dos motoristas, hoje, já têm um smartphone.

O Brasil é um país que, basicamente, 60% do transporte está no modal rodoviário, ou seja, 60% da carga brasileira é transportada por caminhão. Isso é muito ruim, porque ficamos dependentes de estradas, e as estradas não estão bem conservadas. Isso gera um problema. Você viu: a greve dos caminhoneiros para o país. Se formos comparar com os outros países, eles têm muito transporte aéreo, que no Brasil é pequeno ainda. Temos poucas companhias fazendo o transporte aéreo, porque o custo do combustível está todo atrelado ao dólar, e isso faz com que fique mais caro e que as companhias aéreas não consigam controlar esses custos.”

Whow! ― Com mais foco no presente e menos o futuro, o que já está sendo feito de relevante em termos de Transporte e Logística no Brasil?

CM ― “O que temos feito é melhorar a produtividade dos caminhões, e fazer com que as empresas de logística e transporte aumentem a sua performance. Nós temos três produtos pontuais: o primeiro é um matchmaking entre demandantes e ofertantes de frete; depois temos um sistema automático de conferência de motoristas nas gerenciadoras de risco, garantindo a segurança da carga que é transportada. E, recentemente, lançamos nosso meio de pagamento eletrônico embarcado em uma carteira virtual chamada Truckpad Pay.”

PR ― “O que está sendo feito de relevante, eu digo para você que muito pouco. Hoje está se olhando muito mais a questão tecnológica, de tentar colocar veículos elétricos, de tentar colocar bicicletas elétricas, de colocar as ciclofaixas nas cidades, patinetes… Acho que isso tem mudado um pouco o cenário urbano, mas te falo que, relevante mesmo, tem pouca coisa sendo feita em comparação à América do Norte, Europa e Ásia, que têm carros autônomos e trens com muitas estações.

Tem também a questão de cabotagem, que ainda é pouco utilizada no Brasil. Cabotagem é o transporte no mar. Não chega a pegar um oceano de mar aberto, mas está bem próximo da costa. E tem o aquaviário nos rios, lagos etc, que é muito pouco utilizado no Brasil, mas muito utilizado nos Estados Unidos. E a ferrovia que poderia ser muito melhor utilizada que, hoje, no Brasil, só transporta grãos, basicamente.”

Transporte Foto ilustrativa (Unsplash)

Sobre as startups

Segundo Mira, o TruckPad é o primeiro aplicativo de cargas do Brasil ― e possivelmente do mundo. A plataforma foi registrada em 2012, basicamente como um aplicativo que conecta caminhoneiro à carga. “Ganhamos um concurso em 2013 em São Paulo, chamado Startup Weekend 2013”, descreveu o CEO. E no ano seguinte a startup foi convidada para o Vale do Silício, dentro da aceleradora Plug and Play Tech Center, onde ganharam um concurso como a startup mais inovadora do mundo.

Por sua vez, Rocha conta que a dLieve é uma empresa focada em rastreamento e monitoramento de entregas. É um software que faz toda a gestão, roteirização e monitoramento de motoristas na rua, utilizando um aplicativo de celular. “A gente consegue captar a posição do GPS do smartphone do motorista, sabendo onde ele está, e calcular a previsão do horário de chegada em todos os destinos. Dessa forma consigo disparar para os clientes que fizeram uma compra no ecommerce a previsão do horário de chegada da compra dele.”

Com isso, o executivo comenta que fornece maior eficiência na entrega, garantindo que o cliente não ficará em casa à toa para receber uma entrega. “Evito uma insatisfação do consumidor por não ter recebido [o produto] porque não estava em casa; evito um custo da transportadora de ir até um local e não estar ninguém em casa; e um custo operacional de devolução de tentar fazer uma nova tentativa no dia seguinte”, explicou.

TRANSPORTE NO MOMENTO DO CORONAVÍRUS

Além disso, neste período da pandemia do novo coronavírus, a equipe do TruckPad está atuando para identificar caminhoneiros adequados para que o transporte de suprimentos de saúde e higiene aos hospitais, clínicas e centros de distribuição seja feito com mais agilidade. Isso acontece através do portal Transporte Voluntário de forma gratuita.

“Entendemos que as empresas têm um papel social a cumprir nesse momento, em especial as de áreas como saúde, logística e alimentação. Temos informações da nossa base de dados de que a grande maioria dos caminhoneiros não pretende parar de trabalhar nesse momento, o que nos deixa mais seguros em relação ao abastecimento, mas queremos fazer nossa parte para ajudar a fazer com que as demandas essenciais sejam atendidas”, afirma Mira.


+TRANSPORTE

Scania e Mercedes-Benz transformam caminhões em hubs de captação de dados
Efeito Yellow está impulsionando as vendas de bikes e patinetes
Hyperloop: o trem futurista que desafia os meios de transporte tradicionais
Superapps de mobilidade vão integrar Uber, Yellow e transporte público