Tipos de Riscos no empreendedorismo e o mercado aquecido - WHOW

Consumo

Tipos de Riscos no empreendedorismo e o mercado aquecido

São vários os tipos de risco no empreendedorismo. Conheça mais sobre o mercado das startups, veja alguns números e dicas de como receber um aporte financeiro

POR Redação Whow! | 19/05/2021 13h35

Conhecer os tipos de risco no empreendedorismo é um dos primeiros passos para quem deseja ser empresário. Neste conteúdo, iremos abordar alguns deles e como se preparar para evitá-los.  Assim como empreender é arriscado, investir em ideias, empreendimentos, startups também é, mas o mercado está aquecido e vamos te contar o porquê. 

Tipos de riscos no empreendedorismo

Qualquer investimento está exposto aos riscos. Afinal, quanto maior o risco, maior a chance de retorno. E, para superá-los ou sentir um baixo impacto, é necessário conhecer os tipos de riscos mais comuns. 

Risco de oportunidade

Do limão, faça uma limonada. Nesse contexto, pode-se definir risco de oportunidade, como a possibilidade de perdas ou ganhos financeiros, a serem analisados criteriosamente pelo empreendedor. Ou seja, cabe a ele transformá-los em oportunidades de sucesso.

Riscos de mercado

 Riscos de mercado ocorrem quando o investidor não recebe o dinheiro investido de volta.

Risco existencial

Sobretudo, todo empreendimento passa pela fase de aprovação ou validação da qualidade de um produto ou serviço. Esse tipo de risco é sentido nos primeiros estágios do empreendimento, justamente em cima dos pontos que o empreendedor precisa aprimorar.

Todavia, em alguns casos, pode até ser considerado um risco de oportunidade. Uma vez descobertos os pontos de fraqueza e melhoria com clareza, é preciso aprimorá-los.

Riscos de liquidez

Risco sofrido pelas empresas que não podem movimentar o dinheiro do investimento quando precisam ou por um longo período de tempo. Quando isso acontece, diz-se que elas têm baixa liquidez

Risco operacional

Sob o mesmo ponto de vista, riscos comuns aos fundos de investimentos, imobiliários, multimercados ou de ações estão associados à capacidade de gerar a rentabilidade prometida aos investidores.

Portanto é fundamental atenção quanto à responsabilidade que se tem com clientes, colaboradores, parceiros, fornecedores e até mesmo com os concorrentes. Atente-se a todas as normas legais.

Veja agora os principais tipos de investimentos em startups existentes no mercado

Venture Capital

O venture capital ocorre quando um investidor aplica dinheiro em uma empresa muito jovem e com baixo faturamento. Além disso, nesse investimento essas empresas não possuem todos os insumos para verificar o quão lucrativo é aquele negócio. 

Em outras palavras, essa ação denomina-se capital de risco, sendo considerada uma das melhores para startups em fase inicial. No Venture Capital, o investidor atua como participante também da gestão da empresa e, além da injeção financeira, com sua experiência e também com o conhecimento

O objetivo principal do Venture Capital é comprar as ações por um preço mais baixo e depois vendê-las por um valor mais alto.

Aporte de investidor-anjo

Esse tipo de investimento também ocorre em empresas que estão na fase embrionária e o investidor aplica o seu patrimônio no negócio. Os investidores-anjo costumam ser empreendedores, executivos ou até mesmo profissionais liberais. Em síntese utilizam-se do seu capital enquanto pessoa física, para aplicá-lo em startups com grandes possibilidades de crescimento. É considerado um dos tipos de investimentos mais acessíveis, embora varie entre 50 a 600 mil. 

Investimento seed

Capital semente, seed money ou investimento seed é um tipo de ação realizado por investidores-anjo no formato pessoa jurídica, ou seja, por uma empresa e com um bom faturamento. Em média entre R$300 mil até R$2 milhões.

Private Equity

Realizado em grandes e médias empresas. Costuma ser realizado antes da entrada da startup na bolsa de valores, como forma de valorizar as ações.

Incubadoras e aceleradoras de startups

As incubadoras são responsáveis por dar o suporte às startups que estão em estágio inicial de validação do modelo de negócio. São um dos fundos de atendimento mais tradicionais. Já as aceleradoras são um tipo de incubadoras, que atuam em startups que já estão em processo de desenvolvimento e já tiveram o modelo de negócio validado.

Mercado de aporte a startups aquecido

A instabilidade mundial, devido a pandemia trouxe várias incertezas em diversas empresas e negócios, porém, quando falamos em startups, a realidade é diferente. 

De acordo com pesquisa realizada pelo Distrito Dataminer no início deste ano, em 2020, as startups brasileiras apresentaram um desempenho superior em captação de investimentos. Ou seja, somaram US$3,5 bilhões em aportes.

O valor foi superior em 17% comparado ao de 2019, que levantou US$2,97 bilhões. E, o que está evoluindo, promete ficar ainda melhor. Segundo dados, somente em janeiro de 2021 foram investidos US$600 milhões.

Como ter sucesso na busca por aporte no empreendedorismo de risco

Ter sucesso em um aporte financeiro é sonho de muitos. Em síntese, para ter esse sonho realizado, é preciso atentar para alguns pontos. Nesse sentido, geralmente, as empresas que recebem investimentos  atendem a três parâmetros:

  • O mercado escolhido pelo empreendedor é realmente grande versus o valor que ele costuma cobrar pela solução;
  • Possuir empreendedor com visão, que pense a longo prazo e que consiga explicar com clareza o que deseja solucionar;
  • Possibilidade de liquidez no futuro.

Empreender é a arte de correr riscos sim, mas calculados.

Portanto, correr riscos calculados significa analisar e planejar todos os cenários possíveis que a empresa pode ter que suportar. Assim, não tente adivinhar os riscos. Gostou do conteúdo? Se sim, não deixe de assinar a nossa newsletter gratuitamente para recebê-los em primeira mão!