Thaiza Fablicio te ensina a trabalhar CLT e ser empreendedor - Vida Loka Podcast #70 - WHOW
Vídeos

Thaiza Fablicio te ensina a trabalhar CLT e ser empreendedor – Vida Loka Podcast #70

No episódio #70 conversamos com Thaiza Fablicio, fundadora do Mulheres no E-commerce, trazendo dicas sobre como mantém essa jornada dupla de mercado. Com isso, caso seu objetivo seja entrar no mundo do empreendedorismo, esse episódio é para você. Se você está em dúvidas entre continuar trabalhando como CLT ou começar a empreender pelas redes sociais, […]

POR Johnny Telles | 31/05/2022 23h09 Thaiza Fablicio te ensina a trabalhar CLT e ser empreendedor – Vida Loka Podcast #70

No episódio #70 conversamos com Thaiza Fablicio, fundadora do Mulheres no E-commerce, trazendo dicas sobre como mantém essa jornada dupla de mercado. Com isso, caso seu objetivo seja entrar no mundo do empreendedorismo, esse episódio é para você.

Se você está em dúvidas entre continuar trabalhando como CLT ou começar a empreender pelas redes sociais, o episódio de hoje é para te mostrar que dá para fazer os dois.

Quem é Thaiza Fablicio?

Thaiza Fablicio é co-fundadora do Mulheres no E-commerce e do Seu Brechó, enquanto atua no banco Itaú, no mercado de comunicação. Ela também já trabalhou em grandes empresas como o Mercado Livre e B2W.

Ou seja, Thaiza Fablicio é uma das pessoas que decidiu se manter nos dois mundos: atuando como CLT no Itaú enquanto mantém seus próprios empreendimentos digitais. Há quase 10 anos é uma empreendedora digital e ajuda outras mulheres a entrarem no ramo.

Trazendo desde pequena uma cabeça de ativismo e de ajudar pessoas ao seu redor, Thaiza acreditou fielmente no próprio potencial. Aos 15 anos se iniciou no mercado de trabalho até conseguir estabelecer o próprio negócio.

Em 2009 ocorreu uma das grandes crises econômicas, onde Thaiza iniciou um estudo sobre as grandes empresas do momento. Ela trabalhou em cima dos próprios cases.

Empreendedorismo tem o cunho social

Para Thaiza, o empreendedorismo precisa estar ligado diretamente às principais causas sociais e o que pode fazer por elas. Por exemplo, ao criar um novo produto ou serviço, pensar não só nos grandes empreendedores, mas em quem precisa de ajuda para crescer.

Dessa forma, é como se criasse uma grande rede de apoio para ter marcas sociais, como o próprio ESG, que está sendo a grande aposta das grandes empresas nos últimos tempos. Atualmente, é de conhecimento geral que boa parte das pessoas não tem condições de chegar em grandes lugares pela falta de suporte.

Pensando nisso, quando empreendedores conseguem se estender a essas causas, esse suporte chega às pessoas com menos condições de alcançarem o topo.

Mulheres no e-commerce

A empresa “Mulheres no E-commerce”, onde Thaiza Fablicio é co-fundadora, funciona como um grande hub, uma grande causa empreendedora. Inicialmente, se iniciou como uma rede de networking.

Pensando apenas no ramo de tecnologia, diretamente ligado ao e-commerce, estima-se que apenas 15% está ocupado por mulheres. Ainda é um número muito baixo perto do que poderia alcançar.

Por outro lado, o e-commerce começa a abrir mais as portas para as mulheres, onde vem acontecendo uma grande explosão de crescimento feminino. Atualmente, apenas 36% de CEOs do país são mulheres, o que já é um número reconhecido.

Nesse sentido, Thaiza Fablicio pensa no Mulheres no E-commerce como uma forma de capacitar cada vez mais as mulheres e introduzi-las no mercado. Nesse caso, é um trabalho de suporte e preparo, principalmente, mental para o cenário predominantemente masculino.

O grande propósito é ser uma comunidade, buscando se engajar e trocar experiências. Entretanto, o empreendimento acabou subindo de patamar e agora passa a ser um grande preparatório para chegarem ao mercado preparadas.

Atualmente, são 6000 mulheres que iniciaram em 2017, como mulheres no mercado digital. Ou seja, pessoas que trabalham com moda, artesanato, etc. Por isso, é muito diversificado o ambiente, indo desde pequenos empreendimentos até grandes empresas e lideranças.

Educação para ser funcionário

Hoje em dia, a grande base da educação ainda é pautada em criar pessoas para obedecerem alarmes, horários para fazer algo, levantar a mão para ter voz, entre outros. Nesse sentido, é natural que as pessoas cresçam esperando ser funcionário e não o empreendedor.

Com isso, a cultura de ser dono do próprio negócio acaba não sendo muito difundida e, consequentemente, existe uma barreira cultural para mudar isso. Por outro lado, é preciso reconhecer quando pessoas de fato nasceram para o chamado “intra-empreendedorismo”.

Quando fazemos negócio dentro de uma empresa que trabalhamos, ainda como CLT, isso é o “intra-empreendedorismo”. É como se as pessoas precisassem primeiramente pular essa barreira natural de ser funcionário, para só então conseguirem se imaginar como donos, proprietários de algo.

Por que a CLT ainda é segurança?

Pensando no atual momento que vive, Thaiza Fablicio, faz uma pergunta natural. Com tantos empreendimentos, tanta conquista própria, qual a segurança que a CLT traz que justifique a dupla jornada?

Atualmente, a CLT funciona como um grande financiador das ideias para o empreendedorismo. Ou seja, é como se fosse o dinheiro de segurança para que as ideias digitais possam ser colocadas em práticas.

Por isso, atualmente, a jornada dupla ainda funcionaria, por ser uma garantia de contas pagas enquanto pode se aventurar nas ideias do empreendedorismo. Atualmente a grande questão é o tempo que se consegue manter essa jornada.

Já que, de maneira geral, ter a própria empresa exige tempo, dedicação e, em algum momento, renúncias. Mas será que existe um prazo para essa mudança total?

Para Thaiza Fablicio, a grande dificuldade está em manter a saúde mental enquanto equilibra os dois mundos. Por outro lado, não existe um prazo para chegar a uma ruptura de um dos lados.

Para ela, ainda faz sentido manter ambos os lados, até que se tenha uma necessidade de escolher um.

A importância do conteúdo hoje em dia

Para Thaiza Fablicio, o conteúdo funciona como a base de tudo. Por isso, empresas que não conseguem perceber isso estão ficando para trás no mercado.

Com o conteúdo, é possível saber quem é o cliente e onde ele está localizado. Por exemplo, seus clientes estão no YouTube? Estão no Instagram? No LinkedIn?

Para saber isso, o conteúdo é a chave de engajamento que precisa ser criada. Em uma loja física, por exemplo, o Instagram pode ser uma ponte entre usuários e a própria loja física.

O ambiente digital, uma hora ou outra vai ser dominado, e estar em conversa direta com o mundo físico. Pensando nisso, Thaiza Fablicio trabalha exatamente com essa busca de trazer clientes para o negócio, e o conteúdo é a principal ferramenta para isso.

Atualmente, o consumidor do digital é o mesmo do físico, usando o digital apenas para garantir uma confiança do consumidor.

Experiência do cliente

Pensando que apenas nos últimos anos mais de um milhão de CNPJs entraram nos e-commerces, como conseguir se destacar e de fato ter resultados?

Para Thaiza Fablicio, a resposta está na experiência do cliente. Afinal, do que adianta seu cliente conhecer o produto, escolher, colocar no carrinho e a área de pagamento não funcionar?

Esse e outros momentos de compra precisam trazer algum tipo de facilidade que o cliente busca ao comprar online. Por exemplo, atualmente a grande aposta são os sistemas de pontos ou de milhas.

Pensando nisso, provavelmente é a experiência do cliente que vai determinar o sucesso de um novo empreendedor no meio digital.

Curtiu nosso episódio de hoje? Você pode conhecer muito mais sobre o trabalho da Thaiza Fablicio pelas redes sociais, no Instagram @thaiza.fablicio! Além disso, conheça o trabalho da Mulheres no E-commerce.