Tesla, Uber e WeWork: startups ou corporações? - WHOW

Eficiência

Tesla, Uber e WeWork: startups ou corporações?

Whow! perguntou a especialistas para entender o status dessas gigantes e retomar a discussão, com fatos novos, sobre a definição de startup

POR Raphael Coraccini | 21/11/2019 14h00 Imagem: Unsplash Imagem: Unsplash definição de startup

A discussão sobre definição de startup não é de hoje, mas, com a ascensão de novos modelos de negócios na nova economia e uso do termo para inovações promovidos por ou dentro de empresas de diferentes tamanhos e propostas, ela torna-se, novamente, atual.

Eric Ries, empreendedor do Vale do Silício e referência na construção e desenvolvimento de startups, autor dos livros, “A Startup Enxuta” e “O Estilo Startup”, diz que o dono de uma startup tem como função “gastar o dinheiro dos outros”, brincou o especialista durante evento no Brasil. Atrair e lidar com o dinheiro dos outros é apenas uma das funções de uma startup.

Uma startup inicial, segundo Ries, tem como uma de suas características fundamentais não ter receita, mas um grande potencial de, do dia para a noite, construir uma rede exponencial de usuários e clientes. A dificuldade está em convencer os donos do dinheiro dessa capacidade exponencial.

“Os investidores vão perguntar (sobre o retorno) e o empreendedor vai dizer, ainda não tenho. Vai dizer também, não tenho milhões de clientes, tenho algumas dezenas. Mas da próxima vez, eu terei”

Eric Ries, empreendedor do Vale do Silício

Para o especialista, esse jogo de convencimento é parte essencial do que compõe uma startup. Isso permeia as primeiras rodadas de investimento, quando tudo que existe é a confiança em algo que nunca se provou, mas que pode ser promissor. Porém, confiança não basta. “Responsabilidade é a fundação da pirâmide que compõe uma startup”, destaca Ries ao destacar a necessidade de ter investimentos bem aplicados para continuar a recebê-los.

O que é e não é uma startup

Para além de valores intangíveis como poder de convencimento, confiança e responsabilidade, startup pode ser definida, de maneira mais assertiva, como uma “uma organização que busca um modelo de negócios repetível e escalável, trabalhando em condições de extrema incerteza”, segundo a definição do Dicionário Startupês, de Ana Letícia Rico, head de Community na Nexus.

Fernando Seabra, diretor da FIESP, colunista do Whow! e especialista em inovação, concorda com a definição, mas acrescenta que o uso intensivo da tecnologia é a única forma de fazer do modelo de negócios escalável, rumo ao crescimento exponencial.

“Uma startup utiliza bases tecnológicas para curar uma dor cujos responsáveis pela empresa tenham autoridade para solucionar”

Fernando Seabra, diretor da FIESP

Outro fator que pesa sobre a definição do que é uma startup é a realização desse crescimento exponencial com os menores recursos possíveis. Seabra afirma que, em seu trabalho como identificador e catalisador da inovação, diariamente, recebe ideias que tentam ser encaixadas na terminologia, mas que estão longe de ser uma startup. “Precisamos compreender de fato o que é uma startup e o caminho que a mesma deve percorrer para se manter como tal até que tenha condições de se manter financeiramente, saindo da zona de instabilidade”, avalia.

Tesla e WeWork são startups?

Definição de startups de volta à pauta Será que ela é? Uber se encaixa na definição de startup? (Foto: Unsplash)

O especialista afirma que uma empresa pode ser, sim, considerada exponencial e escalável mesmo que não seja uma startup. Essas empresas são chamadas de scale-ups. A Tesla é um exemplo.

Embora utilize tecnologia de modo extensivo, o especialista a enquadra como scale-up por possuir uma linha de montagem e fabricar um bem de consumo. Ou seja, a sua fábrica de carros respeita a mesma lógica das fábricas de outras marcas consagradas há décadas.

Essa grande dependência de ativos físicos custosos e de replicação lenta também exclui a WeWork dessa categoria. “É uma empresa de Real Estate, com aluguel de mesas para coworking, embora, dentro desse ambiente, algumas empresas se voltam à inovação”, afirma Seabra.

E a PagSeguro?

Um exemplo no Brasil que pode levantar dúvidas sobre ser ou não uma startup é a PagSeguro, empresa nascida dentro do Grupo UOL, mas com core business totalmente distinto do que sua empresa-mãe produz.

Para Seabra, o fato de a PagSeguro ter surgido dentro de um grupo já estabelecido não anula o fato de ele ter todas as características de uma startup. “A PagSeguro é uma startup que cresceu de maneira exponencial e desproporcional ao aumento de custos, possuindo todas as particularidades de uma startup”, avalia.

Uber ainda é?

Outra dúvida comum é sobre empresas que surgiram como startups mas que cresceram acima dos vários bilhões de dólares de valor de mercado. Essas ainda são considerada startups? Para Seabra, isso vai depender se a empresa continua a operar em um ambiente instável. Ele destaca o caso da Uber. “Embora ela tenha alcançado um alto valuation, tornando-se um unicórnio, a Uber continua investindo agressivamente em tração em um cenário delicado e de concorrência extrema, similar a diversas ideias do mesmo segmento”, avalia.

Definição de startups de volta à pauta Dificuldades para comprovar escalabilidade derrubaram valor de mercado do WeWork

Para o especialista, uma empresa deixa de ser uma startup quando se torna financeiramente sustentável, por isso, Uber e Rappi ainda deixarão tal definição por atuarem em meio ao risco e extrema incerteza. “Ouso dizer que, deixar de ser uma startup é momento em que a empresa deixa de ser frágil e está forte e pronta para ser considerada estável frente ao mercado, que sabemos estar sempre envolto a instabilidade, uma vez que as mudanças são constantes e a disrupção não para de acontecer”, avalia

“A dificuldade das que amadurecem é manter sua cultura, que tem como centro das operações o capital humano”

Raphael Augusto, startup hunter da Liga Ventures

Para Augusto,, uma característica de startup é, também procurar estender suas soluções para além do mercado interno. E aí está outro ponto que tem a Uber como um dos maiores exemplos. “A tecnologia da Uber é a mesma em todos os lugares do mundo, com um modelo replicável que usa tecnologia como base para construir um grande negócio que mudou a maneira como a gente se relaciona com meios de transporte, inclusive, no Brasil”, explica.

Ex-startup

Um exemplo de startup que deixou de ser é a iCasei, que criou um mercado que não existia com sua plataforma que cria sites para casamentos com inúmeras funcionalidades. Com o alcance de sua autonomia financeira, tornou-se uma empresa consolidada e abandonou a classificação de startup.

Para Seabra, um desafio para todas as empresas que deixam de ser uma startup é manter-se inovadora como quando começou. “A dificuldade das que amadurecem é manter sua cultura, que tem como centro das operações o capital humano”, conclui.


+ INOVAÇÃO

7 CEOs definem o que é inovação e o impacto nos negócios
Apple: 5 inovações que fazem os lançamentos de 2019 valerem a pena
O que é inovação? 5 dos maiores nomes da nova economia respondem
O que é inovação disruptiva, e por que é tão importante?