Startups unidas contra o coronavírus - WHOW
Eficiência

Startups unidas contra o coronavírus

Surgem movimentos que reúnem empreendedores do País para combater a COVID-19 e enfrentar a situação de incerteza global. Confira

POR Adriana Fonseca | 23/03/2020 14h01 Startups unidas contra o coronavírus Foto ilustrativa (Unsplash)

#StoptheSpread – ou “pare a propagação”, em uma tradução livre para o português – é um movimento que nasceu nos Estados Unidos e rapidamente ganhou uma versão similar no ecossistema das startups brasileiras. Enquanto nos EUA mais de 400 CEOs e investidores se comprometeram com algumas medidas para o combate à propagação da doença COVID-19 logo no começo do movimento, aqui a lista ultrapassou 670 assinaturas até 20 de março.

Startups contra o coronavírus

Com participação da Endeavor Brasil, organização de apoio ao empreendedorismo, a iniciativa convocou os empreendedores do país a se comprometerem no combate à pandemia no Brasil. “Precisamos agir agora: faça a sua parte aderindo ao movimento”, escreveu Camila Junqueira, diretora geral da Endeavor Brasil, em um artigo no LinkedIn.

“Não precisamos esperar que o governo adote tais medidas – podemos fazer isso por iniciativa própria. Como líderes em empresas e em nossas comunidades, estamos em uma posição única para fazer isso. Reconhecemos que são escolhas difíceis e que terão um impacto significativo – especialmente para os pequenos empreendedores, mas acreditamos que são necessárias agora”

Carta-convite ao movimento

startups Foto ilustrativa Thor Deichmann (Pixabay)

1.  Adotar imediatamente o trabalho remoto para todos os funcionários, sempre que possível, incluindo líderes.

2. Fazer tudo o que for possível para apoiar a força de trabalho na linha de frente, socorristas e profissionais de saúde;

3. Apoiar fornecedores e prestadores de serviço autônomos, que não podem trabalhar remotamente, pagando por seus serviços, mesmo que eles sejam prestados depois;

4. Sugerir aos funcionários que parem de realizar ou de participar de eventos públicos sociais não obrigatórios de qualquer tamanho;

5. Adotar as medidas de higiene e prevenção recomendadas pelo Ministério da Saúde para evitar a proliferação do vírus;

6. Interromper a realização ou participação em todos os eventos públicos voluntários não obrigatórios de qualquer tamanho;

7. Evitar bares, restaurantes, academias e reuniões em grupo;

8. Fazer o possível para apoiar pequenas empresas e seus funcionários durante esse período difícil;

9. Fornecer suporte para os profissionais na linha de frente, socorristas e profissionais de saúde;

10. Não super estocar produtos, comprando apenas o necessário para não faltar insumos para outras pessoas;

11. Tratar uns aos outros de forma gentil e com empatia nesse período de crise.

Já fazem parte do movimento, além da Endeavor Brasil, as seguintes empresas: Antecipa, Magnetis, Jusbrasil, Mobly, Conta Azul, Rock Content, Resultados Digitais, MD Redpoint ventures, GetNinjas, Neon Pagamentos, Psicologia Viva e Vittude, entre outras.

Em outra frente, a empresa de inovação ACE, também parte do ecossistema de startups brasileiro, elaborou uma carta aberta aos empreendedores, startups e cidadãos, sobre o cenário atual e o que o coronavírus acarreta no Brasil. O objetivo? Ser um “convite para o ecossistema brasileiro jogar no ataque, se tornar mais antifrágil e conseguir aproveitar o que pode ser uma oportunidade imensa de transformar o Brasil por meio da inovação”.

Além de expor o atual cenário e seus impactos na economia, a carta mostra exemplos de startups que estão atuando contra o coronavírus, startups que ajudam no trabalho remoto e as oportunidades e volatilidades em diferentes áreas, como agricultura, logística e finanças. Por fim, diz o que todo empreendedor pode fazer, como “dobrar ou triplicar o esforço de comunicação interna com colaboradores, clientes e investidores acerca de seus próximos passos” e “renegociar contratos, dívidas e prazos de pagamentos”.

“Toda crise também é uma oportunidade. É uma oportunidade para nos provarmos como líderes e realmente pensar no todo e não apenas em nós mesmos”

Pedro Waengertner, CEO da ACE e colunista aqui no Whow!


+STARTUPS

Brasil aparece no fim da lista em ranking global de competitividade digital
100 Open Startups faz curadoria gratuita de inovações no combate aos impactos do coronavírus
Softbank avança no Brasil e pode concentrar investimentos em inovação
As 100 startups mais promissoras para fazer negócios