6 dicas de mentoria para passar pelos próximos meses de crise - WHOW
Eficiência

6 dicas de mentoria para passar pelos próximos meses de crise

Expertise de mentores ajuda pequenas empresas a redefinir metas e estratégias para sobreviver à avalanche econômica provocada pela Covid-19

POR Luiza Bravo | 28/08/2020 22h17

Pouco a pouco, o mundo começa a se recuperar da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus. Mas o rastro de destruição deixado pela Covid-19 é grande, e vai além das mortes. De acordo com o IBGE, 522 mil empresas fecharam as portas no Brasil devido à pandemia. As empresas de pequeno porte foram as mais atingidas.

Mentoria: uma boia de salvação?

Para as sobreviventes, no entanto, a crise de mostrou uma oportunidade de sair da zona de conforto e de reavaliar seus produtos e serviços. Startups que pensavam 100% do tempo em viver de rodadas de investimento sem nunca buscar o ponto de equilíbrio sentiram o gosto amargo de não ter caixa para se sustentar, e muitas começaram a buscar um outro tipo de ajuda para lidar com o momento de incertezas: a mentoria. 

A Boomit, empresa de mentorias online, sentiu na pele essa demanda. Desde o início da pandemia, a empresa cresceu 50%, num claro  indicativo da busca crescente por soluções para a recuperação e sustentabilidade das companhias em meio à crise. “Nossos programas de mentoria são altamente adaptáveis. Conseguimos, em menos de 24 horas, adaptar o plano de mentorias das empresas para um plano de contingência, pensando nos efeitos da crise,  para cada uma das empresas clientes.  Essa ágil transformação fez com que muitas empresas conseguissem se transformar, criar novas linhas de receita e até mesmo evitarem a falência por suas receitas terem risco de ir a zero”, diz a CEO da Boomit, Carolina Augusta.

Além de ser uma característica do serviço oferecido pela Boomit, a capacidade de adaptação foi uma das principais lições que os mentores têm passado aos empreendedores neste momento. “Entendemos que a empresa é um organismo vivo e muda constantemente. Nosso principal objetivo é tornar empreendedores imparáveis, e foi exatamente isso que fizemos durante a pandemia”, destaca Carolina. 

Enfrentando a crise com a ajuda de mentores

 É sempre válido reforçar que a mentoria, diferentemente da consultoria, é um processo contínuo de transferência de conhecimento. O mentor é alguém que já viveu situações semelhantes ao do empreendedor que está atendendo, e que pode lhe mostrar, de forma prática, como enfrentar desafios mais rapidamente. De acordo com Caroline, processos bem estruturados de mentoria podem ajudar empreendedores e empresas a enxergarem com clareza um caminho para superarem os desafios e voltarem a crescer, em média, três vezes mais rápido do que se estivessem sozinhos.

Segundo ela, o método da Boomit une mentores com visão estratégica, mais holística de negócios, e mentores especialistas que vão com profundidade em áreas como marketing, vendas, finanças e gestão de pessoas. “Esse processo faz com que o empreendedor e sua equipe recebam orientação, direcionamento e tenham ajuda na implementação de cada uma das ações desdobradas no plano de mentorias. Com isso, a mentoria deixa um legado para a empresa”, explica.

Durante a pandemia, todas as empresas atendidas pela Boomit mudaram momentaneamente seus programas de mentoria para outro com foco em enfrentar a crise. Os mentores alocados tiveram que desdobrar um novo plano adaptável para cada empresa e acompanhar junto com os empreendedores e suas equipe a evolução das estratégias e o resultados obtidos. 

  1. Esteja muito próximo do seu cliente, entenda suas dores e desafios.
  2. Entenda sua base de clientes a fundo, separe em grupos de risco de cancelamentos (B2B) ou não compra (B2C) e  faça uma projeção de quanto isto pode vir a impactar sua empresa nos próximos meses.
  3. Faça a tendência do seu faturamento e cancelamentos – projete seu fluxo de caixa. Uma dica aqui é você observar o seu produto e analisar de 0 a 10 o quanto ele é fundamental para seu cliente. Avalie conjuntamente o seu NPS (índice de satisfação dos seus clientes) nos clientes em que na média entre estes dois indicadores você tiver nota geral abaixo de 6 o risco de perder este cliente é super alto.
  4. Reduza custos imediatamente para acompanhar a curva, caso o cenário não seja positivo.
  5. Se sua tendência for de queda, não fique parado(a) olhando, crie novas linhas de receita.
  6. Crie algum produto ou serviço que tenha aderência às necessidades do mercado e que tenha um baixo custo de investimento inicial. Para isso, faça uma pesquisa estruturada com seus clientes e crie um produto ou serviço que atenda a uma necessidade real, não invente um produto, é sempre sobre a necessidade do cliente.

Por Carolina Augusta, CEO da Boomit


+STARTUPS

Como implementar a inovação na prática dentro das empresas
Abordagem Triple Track Agile, a evolução das metodologias ágeis
Por que realizamos a aquisição de uma startup durante a pandemia?
OCDE: é vital proteger as startups na crise da Covid-19