Startup recebe aporte de R$ 7 milhões antes de lançar produto ao mercado - WHOW
Eficiência

Startup recebe aporte de R$ 7 milhões antes de lançar produto ao mercado

O feito foi alcançado pela Theia, fundado por duas empreendedoras brasileiras que se conheceram em Stanford e conectam pais e mães a profissionais de saúde

POR Adriana Fonseca | 04/07/2020 14h00

Antes mesmo de desenvolver seu produto, a Theia, fundada no final de 2019, conquistou um aporte de R$ 7 milhões liderado pela Kaszek Ventures e com participação da Maya Capital e uma série de investidores-anjos (homens e mulheres) estratégicos. Um feito que poucas startups conseguem. “Acreditamos que é uma combinação da atratividade da proposta de negócio com nossa experiência prévia escalando startups de sucesso junto com os fundadores e de acesso a investidores”, comentou Flavia Deutsch Gotfryd, CEO e fundadora da Theia junto com a sócia Paula Crespi, ao Whow!.

Startup busca retenção das mulheres no mercado de trabalho

A Theia, uma healthtech fundada por duas mulheres, é uma plataforma digital que traz uma solução em rede com profissionais dedicados às necessidades de pais e mães que trabalham. Sendo assim, conecta pais e mães de maneira digital a profissionais especializados em saúde mental, pediatras, pedagogos e nutricionistas. Seu grande objetivo é aumentar a retenção das mulheres no mercado de trabalho. Funciona 24 horas por dia, de segunda à sábado, disponível via site e aplicativos. O atendimento é feito por chat e videoconferência e a startup garante o sigilo das informações.

“A ideia da Theia nasceu pela nossa vivência e foi validada por meio de conversas e pesquisas com pais e mães”, contou Flavia.

“Não é tarefa fácil conciliar parentalidade com trabalho, em especial para as mulheres, que tendem a ficar sobrecarregadas em casa e a serem prejudicadas em suas carreiras por isso.”

Flavia Deutsch Gotfryd, CEO e fundadora da Theia

“Quando decidimos empreender, queríamos criar algo com propósito forte e alto potencial de mercado. É impressionante ver a falta de representatividade de mulheres em cargos mais altos nas empresas”, completou.

A solução encontrada pelas empreendedoras foi atacar esse problema com tecnologia, oferecendo suporte profissional para as mães e trazendo mais envolvimento das empresas e dos pais para participarem da solução também.

Experiências antes de empreender

Tanto Flavia quanto Paula tinham carreiras executivas antes de empreender. Paula acumulou anos dedicados ao desenvolvimento de produto e inovação na Whirlpool, gigante de eletrodomésticos, e após seu MBA liderou produto e marketing na fintech GuiaBolso. Já Flavia construiu uma carreira no mercado financeiro, com passagens por JP Morgan e Citibank. Antes de empreender a Theia, liderou as áreas de marketing, produtos e vendas na fintech Acesso.

As duas se conheceram fazendo MBA em Stanford, nos Estados Unidos, e, desde então, namoravam a ideia de empreender juntas. “Queríamos construir um negócio que, além de ter potencial para ser grande, tivesse muito propósito”, disse Flavia. 

Apesar do aporte recebido em 2019, a Theia ainda está em estágio inicial. “Acabamos de sair de beta e estamos lançando oficialmente para o mercado agora. Este é momento de ganhar tração e provar product market fit”, contou a empreendedora. Segundo ela, a necessidade pelo produto que a healthtech oferece aumentou no atual cenário. “Com pais e mães trabalhando de casa, e os filhos sem escola, isso tem causado uma bagunça na vida das famílias. Apesar das empresas estarem mais conservadoras em realizar novos gastos, a pandemia também tornou ainda mais evidente a necessidade de apoiar seus pais e mães.”

Após o lançamento no final de 2019, a startup focou, no primeiro semestre de 2020, no aperfeiçoamento do produto. “Construímos uma rede com algumas dezenas de profissionais qualificados em dez diferentes especialidades para resolver os problemas das famílias que nos procuram, que já dedicaram à plataforma mais de mil horas. Já foram enviadas mais de 10 mil mensagens ao nosso time de cuidados e tivemos dezenas de milhares de visitas à nossa plataforma. Agora nosso foco é lançar a solução para o mercado.”

Diferencial para investidores e colaboradores

Vale ressaltar que um diferencial da Theia que, é o fato de ter sido fundada por duas mulheres. “Ser uma empresa liderada por mulheres, em um mercado em que apenas 2% das startups de tecnologia têm mulheres na liderança, já é algo que nos diferencia na largada”, afirmou Flavia. “Isso nos trouxe maior visibilidade no mercado, com investidores e na atração de pessoas para se juntarem ao nosso time.”

Serem duas mulheres à frente da empresa também fez as empreendedoras, desde o minuto zero, pensarem em diversidade. “Promover isso desde a composição dos nossos investidores e formação do time é o nosso compromisso, como marca, na mudança que queremos trazer para a sociedade como um todo.”


+STARTUP

Por que algumas startups fracassam?
Startups se mostram otimistas com o futuro, segundo pesquisa
Conheça os dados e obstáculos do empreendedorismo e da inovação no Brasil, segundo o IBGE
Como a startup 321Beauty planeja ajudar 2 mil profissionais de beleza no Brasil