Smart Cities: como a inovação está impactando a urbanização - WHOW

Tecnologia

Smart Cities: como a inovação está impactando a urbanização

Smart Cities ou cidades inteligentes: veja como a tecnologia e a inovação estão transformando centros urbanos a partir deste conceito

POR Redação Whow! | 28/05/2021 17h38

Smart cities ou cidades inteligentes são resultado da aplicação da inovação e da tecnologia na urbanização das cidades. No mundo inteiro e, inclusive aqui no Brasil, já existem cantinhos hiperconectados, com características que antes só víamos nos filmes.  Afinal, uma vez que vivemos hoje o auge da tecnologia, por que não implantá-la para resolver problemas de urbanização?  Nesse contexto, várias iniciativas e tendências surgem com a finalidade de fomentar o conceito das smart cities. Aqui, entenda mais sobre o assunto, veja as principais características e conheça algumas cidades inteligentes

Smart Cities e o futuro das cidades

Logo, um dos motivos do surgimento das cidades inteligentes foi a rápida urbanização que muitos locais sofreram, com o passar dos anos.  Assim, o conceito das smart cities está evoluindo no rumo de remediar esses gargalos atuais  que surgem com este movimento, conduzindo para um desenvolvimento urbano mais sustentável.

Segundo estudo divulgado pela  ONU – Organização das Nações Unidas, no ano de 2019, mais da metade da população mundial já vivia em grandes cidades. E, as projeções indicam que até 2050, 70% das pessoas estarão vivendo em áreas urbanas do planeta

Conforme o relatório “ Futuro das Cidades”, da Quantumrun, agência especializada em pesquisa de tendências, acesso e conexão são os dois principais fatores que potencializam o processo de urbanização. Contudo, algumas barreiras parecem dificultar o desenvolvimento das cidades inteligentes em relação a isso,  como por exemplo, as restrições financeiras, falta de incentivo do governo e até mesmo carência de talentos

A importância das iniciativas governamentais para as cidades inteligentes

Dessa forma, os governos em geral desempenham um papel crucial no desenvolvimento e manutenção de uma cidade inteligente. Não somente pelo poder público ter condições de proporcionar aportes financeiros, como também pelo fato de possuir dados específicos sobre a população e cidade.  Em suma, para as governanças obterem sucesso na implementação de uma cidade inteligente, devem buscar desburocratizar serviços e integrá-los ao máximo. Nesse sentido, fomentando a inovação transversal em toda a cidade.

Características das cidades inteligentes

Em síntese, o primeiro passo para a construção de smarts cities, não envolve recursos financeiros e nem tecnologia.O mais importante é um  bom planejamento e organização interna de gestão Veja agora as principais características das smarties cities. 

Conectividade

Logo, a internet é uma das principais características das smarts cities. A rede precisa ter uma boa cobertura e pontos públicos de wi-fi espalhados por toda a cidade.  Todavia, isso ainda é longe de ser uma realidade nas cidades que nem são inteligentes. Segundo o estudo da União Internacional de Telecomunicações, UI, mais da metade da população mundial, o que equivale a 4,1 bilhões de pessoas, usam a internet. Com isso, concluímos que um dos recursos fundamentais para as cidades inteligentes fluírem, a conectividade, consiste em um grande desafio global.

Sustentabilidade

Não é somente de tecnologia que é formada a cidade inteligente: a sustentabilidade é ponto crucial. Ou seja, a redução do consumo de combustíveis fósseis, uso de energias renováveis, economia de água, ampliação das áreas verdes, monitoramento permanente da qualidade do ar, reaproveitamento de resíduos são características fundamentais das smarts cities.

Mobilidade e transporte eficiente

As melhores soluções são aquelas desenvolvidas com base em dados de pessoas reais. E, isso é possível para a mobilidade. Logo, essa coleta pode ser realizada através dos smartphones, por exemplo.  Assim, podemos citar, a cidade de Joinville que utilizou dados de deslocamento fornecidos pela empresa Waze. Nesse contexto, o objetivo foi redesenhar a estrutura viária de alguns pontos da cidade.  Já o município de Goiânia, desenvolveu, através de parceria da gestão, com uma empresa privada, um sistema de vans com inteligência artificial. Dessa forma, a ferramenta otimiza as viagens, cobrando um  preço acessível à população.

Empresas inovadoras e as Smart Cities

Segundo levantamento do Distrito Dataminer, as 10 maiores empresas do segmento das cidades inteligentes são:

1) 99: empresa de transporte de aplicativos;

2) Tembici: estações de empréstimos de bicicletas;

3) Up Lexis:  atuante na área de tecnologia e mineração de dados;

4) Altave:, indústria aeroespacial que desenvolve veículos mais leves que o ar

5) Easy Carros: que oferece serviços automotivos a domicilio;

6) Cobli: empresa de monitoramento de veículos;

7) Colab: plataforma que conecta cidadãos com foco em cidadania;

8) Camerite: empresa focada em vigilância com inteligência artificial, barata e escalonável;

9) Solfácil: startup que financia projetos de energia solar fotovoltaica em todo o Brasil para qualquer tipo de local

10) Gove: plataforma de inteligência para a gestão da inteligência municipal.

Ainda de acordo com o levantamento, no ano de 2020, as startups desse setor já atraíram US$49,4 milhões em investimentos

Algumas cidades inteligentes no mundo

Afinal, ficou com curiosidade para saber como funciona, na prática, uma cidade inteligente? Trouxemos alguns exemplos.

Songdo, na Coreia do Sul

Songdo é a primeira cidade inteligente do mundo, conforme o jornal inglês The Guardian. Ela está sendo desenvolvida, em torno do aeroporto internacional, com a intenção de ser um dos principais centros de negócios da Ásia.  O seu amplo planejamento de mobilidade urbana, bem como uso da Internet das Coisas -IoT, monitoram do trânsito até o recolhimento do lixo.

Singapura, cidade-estado na Ásia

Singapura é uma cidade-Estado, com uma das maiores densidades demográficas do mundo. As autoridades, se preocuparam em planejar soluções eficientes de infraestrutura, energia e captação de água e em tornar cada distrito do local autossuficiente.

Copenhague, na Dinamarca

Cidade inteligente cuja o índice de emissão de carbono é baixíssimo, comparada ao seu tamanho de aproximadamente 600 habitantes.  Esse resultado foi atingido pois o governo verificou o grande potencial ciclístico da cidade. Assim, implantou um amplo sistema de aluguel de bicicletas e equipamentos, que oferecem à gestão dados sobre a qualidade do ar e condições de tráfego.

Águas de São Pedro e São José dos Campos, em São Paulo

Águas de São Pedro é o menor município de São Paulo e já é um exemplo nacional de uma cidade inteligente. Lá, pela mesma rede, é possível encontrar vagas de estacionamento até realizar a marcação de consultas médicas. 

Nesse sentido,  São José dos Campos,  será o primeiro município brasileiro a ser certificado pela ABNT ( Associação Brasileira de Normas Técnicas) como cidade inteligente.  O município investiu recursos tecnológicos em todas as áreas da gestão pública, como saúde, educação, mobilidade urbana e segurança pública. Entre suas iniciativas mais famosas, está o uso de IoT em dispositivos que informam aos motoristas onde há uma maior concentração de vagas livres para estacionar pelas ruas da cidade. Foram instalados em torno de 4 mil unidades desses aparelhos, em apenas 3 meses. 

Portanto, para uma cidade inteligente realmente “vingar”, é imprescindível uma boa conexão entre o lugar e a tecnologia implantada no mesmo. Essas cidades que citamos aqui como exemplo tiveram essa atitude. E, se você gostou desse conteúdo, assine agora mesmo a nossa newsletter gratuitamente e receba mais artigos interessantes como este em primeira mão!