Robotização e automação mais próximas das pessoas - WHOW
Tecnologia

Robotização e automação mais próximas das pessoas

Na América Latina, o mercado da robótica, que deve gerar US$ 1,266 bilhão em 2019, está ganhando cada vez mais espaço nos serviços à população

POR Gabriely Souza | 20/09/2019 20h49 Robotização e automação mais próximas das pessoas

De cirurgias a monitoramento de segurança pública, robôs e sistemas de automação estão ganhando cada vez mais espaço nos serviços à população, especialmente na segurança e saúde. 

Na América Latina, o mercado de robótica deve gerar US$ 1,266 bilhão em 2019, com um aumento de 21% em relação ao ano passado, de acordo com dados do Guia Semestral Global de Investimento em Robótica, da International Data Corporation (IDC). Serviços devem representar 27% desse valor. 

robotização Foto Eric Santoyo (Pexels)

Monitoramento com drones

Através de uma licitação do projeto DronePol SP, a Polícia Militar de São Paulo e o Corpo de Bombeiros receberam 208 novos drones este ano para as suas operações. Com esta nova compra, hoje, estão disponíveis 250 equipamentos do tipo.

“O programa DronePol SP busca integração com o Sistema Olho de Águia da PMESP no que envolve a possibilidade de transmissão de imagens em tempo real para os Centros de Operação da Polícia Militar (COPOM), meta essa a ser cumprida até o meio do ano que vem, mediante aquisição de equipamentos específicos e próprios para essa finalidade”, diz a PM, em nota.

O valor estimado do investimento é de mais de R$ 6,3 milhões. Com os drones, a Polícia Militar fará a captação, transmissão, gravação e gerenciamento de imagens durante a execução das atividades de policiamento ostensivo e preventivo.

Este equipamento será utilizado em todos os núcleos de operação da PM, dentre eles os da região do Vale do Paraíba. Os robôs estarão em condições de operação até o final do ano de 2019.

robotização Foto Jarmoluk (Pixabay)

Robótica na saúde

Na medicina, o uso de tecnologia e robótica não é recente, mas a possibilidade de braços robóticos, por exemplo, trouxe precisão nas cirurgias. 

Ao exemplo dos robôs, a inovação na área médica busca ações para incremento de qualidade, garantia de segurança e melhores desfechos clínicos para os pacientes, afirma o Dr. Gustavo Prado, gerente de Inovação e Educação Médica do Hospital Alemão Oswaldo Cruz.

“A incorporação da robótica na cirurgia vem sendo bastante rápida e muito transversal; especialidades como urologia, cirurgia torácica, ginecologia, cirurgia do aparelho digestivo, entre outras, já contam com técnicas bem definidas e aceitas como no mínimo equivalentes em segurança e eficácia quando comparadas aos procedimentos clássicos”, explica Prado.

Para o médico as tecnologias emergentes partem de custos iniciais ainda altos, o que atrasa em parte a sua implementação, para na formação de profissionais e acesso dos pacientes. 

Ele pondera, porém, que “há novos caminhos exitosos na incorporação dessas novas técnicas no ambiente da saúde privada e pública, muitas vezes facilitados por programas governamentais, protocolos de pesquisa e investimento das instituições de saúde.”

Prado conta que espera um desenvolvimento de mais e melhores sistemas na medicina, como controle de tremor, identificação e “blindagem” de movimentos não conformes, realização da cirurgia à distância, incorporação de ferramentas de realidade aumentada para localização de estruturas (um GPS cirúrgico) e integração de camadas de dados de exames complementares, como imagens médicas de tomografia, ressonância e ultrassom, poderiam tornar os procedimentos ainda mais precisos. 

“Nossas heterogeneidades regionais na distribuição de renda e investimentos na saúde repercutem muito no ritmo de adoção de novos recursos diagnósticos e terapêuticos em diversas áreas, e com a robótica não é diferente”


CONHEÇA O QUE PENSAM OS ROBÔS NESTE VÍDEO DO WHOW!


+ NOTÍCIAS

Do iFood ao consultório médico: como a inteligência artificial está mudando o mercado
Mais um unicórnio brasileiro: Loggi já vale US$ 1 bilhão
Todos os 62 unicórnios que surgiram em 2019
Empresas tradicionais se reinventam na era dos aplicativos