As redes sociais preferidas das PMEs — e como usá-las para vender mais - WHOW

Vendas

As redes sociais preferidas das PMEs — e como usá-las para vender mais

Instagram, Facebook e Whatsapp são as redes mais usadas pelas pequenas e médias empresas

POR Daniel Patrick Martins | 26/08/2021 17h33

Cada vez mais as redes sociais são vitrines para alavancar os negócios, mesmo para aqueles que não nasceram no ambiente digital. Na preferência das pequenas e médias empresas, estão o Instagram, WhatsApp e Facebook. Estas são as mídias preferidas das PMEs para ofertar, divulgar ou mesmo manter relacionamento com o cliente, segundo dados levantados pelo Sebrae.

A pesquisa revela que o aumento no uso destas redes pelos empreendedores cresceu de 59% das empresas em maio para 70% em dezembro de 2020. O WhatsApp é o mais usado, com 84%, seguido pelo Instagram e Facebook, com 54% e 51%, respectivamente.

“Se o seu negócio não está no meio digital, você tem que estar preocupado. Porque todo mundo hoje está de olho no celular, todo mundo está de olho na internet. A internet faz parte do dia a dia da maioria das pessoas, não só no Brasil, como no mundo”, alerta Patricia Brazil, consultora em marketing de influência a Pequenas Empresas e Grandes Negócios.

Com isso, a intenção de utilizar todas as facilidades destes canais para vender, assim como para manter o relacionamento da marca mais próxima ao cliente, é uma tendência em crescimento que vai se manter no período pós-pandemia. Em levantamento com 300 PMEs, a consultoria de estratégia global EY-Parthenon verificou que 58% dos negócios esperam utilizar o ambiente virtual para as vendas e 66% delas planejam investir na expansão do marketing digital.

O uso das redes sociais como marketplaces digitais para vendas está na realidade do pequeno e médio empresário, pois estas ferramentas são possibilidades de apresentar soluções diretas e no cotidiano do cliente. Para isso, o uso de Social Analytics, ferramenta específica para o monitoramento das redes, é primordial e oferece o mapeamento do público-alvo, destacando insights para o planejamento de conteúdos e vislumbrando alternativas de atuação pelos empreendedores.

“O Social Analytics pode ser aplicado até mesmo na jornada do consumidor, que teve sua digitalização acelerada em função da pandemia. Através da análise combinada de KPIs das redes sociais, incluindo conteúdo orgânico e anúncios, dos números de conversão de leads e vendas é possível monitorar se sua estratégia de marketing está surtindo efeito ou se em algum momento deve-se trocar as artes ou até mesmo os gatilhos utilizado nas copys”, relata Luiz Fernando da Silva, CMO da Desbrava Data, em entrevista ao Jornal Contábil.

Marketing digital e redes sociais são ferramentas que todo empreendedor, seja para o início do negócio ou mesmo com ele já consolidado, tem à disposição para aplicar, mensurar e controlar resultados, assim potencializando a presença para a real necessidade do empreendimento.

“Importante gerar engajamento, trabalhar interações, enquetes e criar grupos. É importante para o empresário ficar sempre atento aos resultados que as postagens têm. O consumidor gosta de saber que existe uma pessoa por trás da tela, é importante humanizar”, comenta Ivan Tonet, coordenador de iniciativas digitais do Sebrae ao G1.

Porém, os modismos que vêm com o boom das mídias mostram que nem sempre estar em todas as redes sociais é positivo. A presença digital da marca tem que estar onde seja relevante ela estar, ou seja, o empreendimento tem que atender, além das expectativas do consumidor, também as que estão no radar da própria companhia enquanto negócio.

“As empresas fogem cada vez mais do caminho do branding tradicional e optam pelo relacionamento, pelo bate-papo com os clientes. Trabalhar bem as mídias sociais é um dos principais meios. Exige mais criatividade e estratégia do que dinheiro”, acredita Flávio Horta, Diretor da Digitalks, em entrevista ao Mundo do Marketing.