Quem serão os futuros unicórnios globais? - WHOW
Eficiência

Quem serão os futuros unicórnios globais?

Lista traz as 50 startups com mais chances de chegar à avaliação igual ou superior a US$ 1 bilhão no mundo. E nesta edição não há brasileiros

POR Adriana Fonseca | 09/10/2020 15h06 Quem serão os futuros unicórnios globais? Arte Grupo Padrão

Uma lista compilada pela plataforma CB Insights junto com a publicação americana Fast Company, divulgada neste mês, traz possíveis 50 futuros unicórnios, que são aquelas startups avaliadas em valor igual ou superior a US$ 1 bilhão. 

Para chegar à lista, a plataforma usa um algoritmo próprio que combina a saúde financeira das startups analisadas, sua tração e força no mercado. Esse método é utilizado desde 2015, quando 52% da lista realmente se tornou um unicórnio. Em 2019, o índice caiu para 34%. 

Whow Festival 2020 Arte Grupo Padrão

Alan

Algolia

ASAPP

Attentive Mobile

BigID

Bright Machines

Cameo

Capsule

Citizen

Cockroach Labs

Codemao

Covariant

CRED

Culture Amp

CurrencyCloud

Dashlane

Dialpad

Divvy

Doctor On Demand

Flutterwave

Frame.io

GOAT

Gong

Harness

Ironclad

Loom

Luminar Technologies

Lyra Health

Mercury

Moglix

Moveworks

Omada Health

Personio

PlayVS

Qualia

Relativity Space

Rippling

SafetyCulture

Sendbird

Sennder

Sentry

Signavio

Slice

Tessian

Thought Machine

Tink

Tray.io

Uala

Vedantu Innovations

Webflow

Fonte: CB Insights

Principais destaques 

  • fintech Foto ilustrativa (Freepik)

    30% das startups listadas trabalham com ferramentas corporativas ou big data, sendo que quase metade atua com DevOps e ferramentas de desenvolvedor, cobrindo soluções para pesquisa corporativa, bancos de dados distribuídos, entrega contínua, recursos de chat e proteção de dados do cliente.

  • 20% dos futuros unicórnios são fintechs e seis em cada dez dessas startups estão localizadas fora dos Estados Unidos, com destaque para Argentina e Índia.
  • Depois das fintechs, destaque para as startups de saúde e de hardware, com 8% cada.

Nenhum dos futuros unicórnios será brasileiro, segundo a lista. A maior parte é dos Estados Unidos, com destaque para Califórnia (24 empresas) e Nova York (9). A distribuição por localização geográfica está assim:

Estados Unidos – 70%

Reino Unido – 6%

Alemanha – 6%

Austrália – 4%

Índia – 4%

Argentina – 2%
China – 2%

França – 2%

Cingapura – 2%

Suécia – 2%

Em média, as startups da lista dos futuros unicórnios levantaram US$ 125 milhões em aportes e, por último, conquistaram uma rodada Série C. Esse valor é superior à média detectada em 2019, que foi de US$ 111 milhões.

Lista de 2019 trouxe duas startups brasileiras como futuros unicórnios

A mesma lista de futuros unicórnios divulgada no ano passado trouxe duas startups brasileiras: CargoX e QuintoAndar. Uma delas, de fato, se tornou unicórnio.

Ainda em 2019, o QuintoAndar recebeu um aporte Série D de US$ 250 milhões em rodada liderada pelo japonês SoftBank com participações de Dragoneer Investment Group, Kaszek Ventures e General Atlantic, que já havia investido R$ 250 milhões na startup em 2018. Com a rodada Series D, o QuintoAndar entrou para a seleta lista de unicórnios brasileiros. Desde sua fundação, em 2014, a startup já recebeu US$ 335,3 milhões em aportes, segundo o Crunchbase.

Já a CargoX ainda não se tornou oficialmente um unicórnio. Em junho, no entanto, a startup de logística que conecta cargas a transportadores recebeu um aporte de R$ 15 milhões da Pattac Empreendimentos. O recurso, destinado a ajudar as transportadoras afetadas pela crise do novo coronavírus, chegou pouco mais de dois meses após a CargoX ter recebido outra rodada, no valor de US$ 80 milhões. Desde sua fundação, em 2013, a startup já recebeu US$ 257,8 milhões em aportes, segundo o Crunchbase.


+UNICÓRNIOS

Você sabe quais são os unicórnios com maior valor de mercado do mundo?
Novo unicórnio na área: VTEX entra para a lista de startups bilionárias brasileiras
Você sabe a diferença entre as startups Unicórnios, Zebras, Camelos e Dragões?
OCDE: é vital proteger as startups na crise da Covid-19