Principais levantamentos do Relatório Global de Fintechs 2019 - WHOW
Tecnologia

Principais levantamentos do Relatório Global de Fintechs 2019

A CB Insights liberou um relatório com as estatísticas globais das fintechs e seus unicórnios para o último trimestre do ano. Saiba quais foram

POR Carolina Cozer | 17/12/2019 10h00 Principais levantamentos do Relatório Global de Fintechs 2019 Foto (Freepik)

O ano de 2019 certamente foi agitado para o cenário global de fintechs, e tivemos um ano particularmente aquecido no Brasil, com o surgimento de novos negócios e o rápido crescimento de outros.

A CB Insights divulgou um relatório com o levantamento do último trimestre para o mercado de fintechs do mundo, com base em análise de tendências e inteligência de dados. Confira abaixo quais foram os apontamentos mais importantes do estudo:

Relatório Global de Fintechs do último trimestre de 2019

Globalmente, temos 58 unicórnios de fintechs, avaliados em US$ 213,5 bilhões. A maior parte deles se concentram na América do Norte, Ásia e Europa. Todas as representantes da América do Sul são brasileiras: NuBank (US$ 10 bilhões), EBANX (US$ 1 bilhão) e Quinto Andar (US$ 1 bilhão).

Tendências

As macrotendências do setor, no último trimestre, foram bancos digitais, gestão financeira, empréstimo, imobiliárias, mercado de capitais, pagamentos e regtechs.

Os novos bancos levantaram mais de US$ 3 bilhões ao longo de todo o ano. No terceiro trimestre, US$ 1,3 bilhão foram investidos, indicando uma alta trimestral.

O novo perfil de bancos está se especializando em serviços setorizados para diversos perfis da indústria, como blockchain, millennials, estudantes, cashback, freelancers, startups, entre outros.

Já as plataformas de taxa zero querem reduzir as barreiras globais de investimento para atrair clientes internacionais da próxima geração.

fintechs Foto (Freepik)

Setor imobiliário

E as startups de tecnologia imobiliária levantaram US$ 1,9 bilhão em 2019 até o terceiro trimestre, batendo o recorde de US $ 1,1 bilhão de 2018. A Quinto Andar recebeu uma rodada de investimentos de Série D, no valor de US$ 250 milhões, se tornando o oitavo unicórnio brasileiro.

As startups estão se aprofundando em investimentos de infraestrutura para criar fluxos de pagamento alternativos, principalmente o pagamento por aproximação.

Foco no backoffice

O cenário tecnológico do mercado de capitais está evoluindo rapidamente, mas um investimento significativo está sendo direcionado para o backoffice, com mais de 120 empresas atuando neste segmento. É necessário investimento em tecnologia de núcleo e infraestrutura para acompanhar as inovações do setor. As tecnologias herdadas são fundamentais no funcionamento do ecossistema, mas já têm, em média, mais de 38 anos de vida, e estão sendo ultrapassadas.

fintechs Foto Maitree rimthong (Pexels)

Setor financeiro

As criptomoedas promovem benefícios como transparência, segurança e privacidade, mas a extrema volatilidade dos preços e o tratamento regulatório pouco claro acaba causando baixa adoção pelas instituições financeiras tradicionais.

O Brasil fez dois dos principais investimentos em fintechs do trimestre (NuBank e Quinto Andar), enquanto China e Índia não fizeram nenhum. Os demais foram para Canadá, Estados Unidos, Suécia e Alemanha.

Em outro aspecto, o financiamento de regtechs atingiu uma alta de cinco quartos, chegando a US$ 511 milhões, com acordos para prevenção de fraudes em empresas. O cenário regulatório está mais complexo do que nunca, criando novas oportunidades para as startups do gênero se encaixarem.


+FINTECHS

Mediação do Banco Central na batalha entre bancos e fintechs
Conheça os diferentes segmentos das fintechs
Aprendizados de uma fintech que deu a volta por cima
Fintech alemã começará a operar no Brasil