Grandes empresas e scale-ups como potencializar o relacionamento
Eficiência

Opinião: Como potencializar o relacionamento entre grandes empresas e scale-ups

O grande diferencial das scale-ups é justamente o seu grau de maturidade, o que facilita a geração de negócios. Saiba mais aqui e entenda sobre esse tipo de empresa

POR Redação Whow! | 21/06/2021 15h25 Opinião: Como potencializar o relacionamento entre grandes empresas e scale-ups

*Por Giovanna Fiorini, Gerente de Inovação Aberta na Endeavor Brasil. 

Na Endeavor, desde 2014, conectamos grandes empresas com empreendedoras e empreendedores à frente dos negócios que mais crescem no país. Os objetivos dessas conexões podem ser, na ótica de uma grande empresa, impulsionar a transformação cultural e digital, deixar os processos internos mais ágeis e aumentar seu impacto na sociedade.

O grande diferencial das scale-ups é justamente o seu grau de maturidade, o que facilita a geração de negócios. Diferente das startups, as scale-ups já têm um modelo sólido e validado, soluções plug and play que escalam mais rápido, de acordo com a necessidade do cliente. 

Porém, ainda existem barreiras estratégicas, culturais, processuais e estruturais que afetam o relacionamento entre empreendedoras, empreendedores e grandes empresas, gerando experiências negativas ou insatisfatórias durante a geração dos negócios.  

Pensando nisso, elenquei, aqui, algumas dicas que podem ajudar a potencializar esse relacionamento – que é ganha-ganha para os dois lados. 

Passo 1: Checklist para a escolha de scale-ups parceiras

Antes de mais nada, ao escolher empresas, é preciso prestar atenção nesses detalhes: 

  • Fit da solução da scale-up com a demanda da grande empresa;
  • Estágio de crescimento da scale-up;
  • Check de referências e histórico;
  • Perfil de empreendedoras e empreendedores.

Se os lados entenderem que existe uma sinergia e estão dispostos a trabalhar juntos, desenham uma POC* – a oportunidade da scale-up mostrar como pode gerar valor e da grande empresa entender como ganhar agilidade. 

*A POC (do inglês, Proof of Concept) é a forma mais simples de testar se a solução de uma scale-up resolve o problema de uma área de grandes empresas antes da contratação efetiva. É um projeto enxuto, que soluciona um problema em pequena escala, por tempo limitado, com entregáveis pré-definidos.

A POC é a primeira etapa para validar o valor que uma solução pode agregar, para depois dar escala.

Passo 2: Envolva as  áreas viabilizadoras desde o início da relação

A inovação aberta não é um trabalho apenas de um head de inovação. Ela passa por áreas como compras, jurídico, TI e segurança da informação. Quando tratamos as scale-ups como fornecedores normais, os processos podem demorar para acontecer e, consequentemente, os resultados também. 

E como as scale-ups normalmente têm uma velocidade acelerada, vale aplicar, dentro da empresa, processos mais rápidos e ágeis – que chamamos de fast tracks:

  • Crie contratos padrões para scale-ups;
  • Estabeleça prazos razoáveis de negociação – considere que os prazos de pagamento afetam diretamente a operação de empresas de alto crescimento;
  • Tenha processos de cadastro de fornecedores simplificados e menos burocráticos.

Passo 3: Destrave o avanço dos projetos dentro de casa

Além do envolvimento de diferentes áreas, outras ações podem ajudar grandes empresas a ter a agilidade das scale-ups:

  • Tenha um sponsor interno que destrave os processos;
  • Busque quick wins para provar internamente a eficiência do projeto;
  • Garanta que a estratégia de inovação seja top-down – as lideranças precisam estar compradas;
  • E, claro, tenha métricas claras – tanto para cada projeto quanto para os objetivos de inovação. As metas do projeto precisam estar alinhadas com as das empresas e ser compartilhadas com outras áreas envolvidas no projeto. 

Passo 4: Cuide dos aspectos jurídicos

O problema das questões jurídicas entre corporações e scale-ups é tentar encaixar uma bola no quadrado. Podem haver diferenças na linguagem e dificuldades na comunicação entre as partes, e por isso o trabalho do sponsor para intermediar essa relação é tão importante.

Em uma mentoria para a rede Endeavor sobre aspectos jurídicos da inovação aberta, a Dra. Fabiana Fagundes e o Dr. Rodrigo Menezes deixaram uma dica de livro que faz toda a diferença para entender mais o tema: A Empresa Criativa

Esse passo-a-passo foi o aprendizado que adquirimos ao longo dos últimos anos, acompanhando conexões e negócios nas nossas iniciativas de inovação aberta.

Uma boa parte deles está registrado no Playbook de Open Innovation da Endeavor, que explica em detalhes a metodologia do duplo-diamante de inovação aberta e como construir relações ganha-ganha entre empresas e scale-ups que querem inovar juntas nesse movimento de transformação digital no Brasil e no mundo.