Pós-coronavírus: eleições via blockchain serão regulares? - WHOW
Whow

Pós-coronavírus: eleições via blockchain serão regulares?

Apesar da blockchain ser utilizada para evitar fraudes cibernéticas, ela pode não ser a melhor saída para se evitar farsas eleitorais

POR Carolina Cozer | 14/09/2020 18h38

A tecnologia blockchain é altamente eficaz no fortalecimento da segurança de dispositivos, redes e sistemas, sejam eles sistemas de uso comum, como bancos ou a rede elétrica de uma cidade, ou questões menores, como a privacidade pessoal.

Considerando a blockchain uma evolução das proteções cibernéticas, ela não poderia ser utilizada para levar as eleições para patamar mais evoluído ― mais ágil, sem aglomerações e menos fraudulento?

Por que a blockchain é segura?

Imagine a seguinte situação: um aplicativo que está hospedado em um servidor, e este servidor, em vez de concentrar todas as suas chaves de se segurança em um único lugar, as divide entre inúmeros usuários. Assim, um invasor, para conseguir fraudar ou derrubar esse sistema por completo, precisaria ter acesso a todas as chaves existentes, e derrubá-las uma a uma.

Essa divisão de acessos que faz a tecnologia blockchain ser o método mais eficaz em cibersegurança neste momento ― o que poderia significar uma excelente alternativa para situações que dependem de um enorme controle de fraudes, como votações. Contudo, enquanto alguns consideram as eleições via blockchain uma ideia revolucionária, e que poderia se tornar padrão em um mundo pós-coronavírus, outros acreditam que haveria piora nas estatísticas de fraudes eleitorais.

Exemplos no mundo

Alguns países já tiveram uma prévia de como poderia ser um mundo com eleições virtuais. Japão, Rússia, Estados Unidos e Serra Leoa (o primeiro país no mundo a utilizar esse sistema eleitoral, em 2018) estão entre os nomes que já experimentaram algum tipo de eleição via blockchain, mesmo que em uma ou mais cidades.

Apesar de ser um sistema ágil e bastante seguro, ainda é uma tecnologia bastante nova no mundo, o que significa que ainda está distante de muitas pessoas. Apesar das urnas eletrônicas já serem usadas há mais de 20 anos, ainda há aqueles que desconfiem do sistema de contagem de votos digital, por não ser algo palpável, material e visível, como as cédulas eleitorais. Logo, uma tecnologia ainda mais abstrata, como a blockchain, seria um desafio ainda maior para aqueles que têm pouca compreensão de como essa inovação funciona.

Tomemos como exemplo a cidade de Tsukuba, no Japão ― uma das localidades a experimentar votações blockchain para selecionar propostas de projetos de contribuição social. Os cidadãos votaram pela internet através de um login único, baseado em seus registros governamentais.

Apesar do procedimento ser muito mais descomplicado que os sistemas tradicionais, muitos eleitores se deram conta, na hora do voto, de que não lembravam as senhas de seus cadastros. Outros disseram que era difícil dizer se seus votos haviam sido computados ou não.

Prós:

Redução de custos de votação, eliminando as cédulas de papel

Redução de filas, aglomerações e burocracias

Menor vulnerabilidade à fraudes do que as urnas eletrônicas

O aumento da participação eleitoral já é atestado, uma vez que não há necessidade de deslocamento

Possibilidade de redução da corrupção no processo de votação

As características fundamentais do Blockchain – transparência, imutabilidade e responsabilidade – enfatizam o potencial da tecnologia para garantir eleições, segundo o CB Insights

Maior garantia de que o conteúdo digital venha de fontes confiáveis e responsáveis

Contras:

A maioria das pessoas ainda têm pouca compreensão de como funcionam os sistemas de blockchain

Chaves mais complexas requerem recursos computacionais muito mais avançados, podendo esgotar orçamentos do governo

Por ser um sistema baseado em transparência, a blockchain pode comprometer a proteção ao sigilo do voto

Mesmo os especialistas ainda não têm como identificar todas as possíveis irregularidades das votações online

Não há como assegurar que os smartphones ou computadores utilizados pelos eleitores para votar sejam seguros

Jornalistas na Rússia relataram ter encontrado uma maneira de descriptografar os votos das pessoas  e recuperar números de identificação pessoal em um arquivo de serviço mal  protegido, segundo o Coindesk

Conclusão

Enfim, a blockchain é um sistema seguro? Sim. É possível atestar sua completa segurança em situações democráticas, como votações eleitorais? Ainda não totalmente.

Por esta razão é preciso que haja, primeiro, meios de facilitar o acesso às tecnologias e a confiabilidade da população em relação às contagens digitais ― sem que a proteção ao sigilo do voto seja comprometido. 

De acordo com o CB Isights, a instituição de um sistema de blockchain para verificação da mídia provavelmente teria que ser realizada no nível da mídia, em coordenação com o governo e instituições não governamentais. Quem sabe no futuro, com a chegada da 5G?


+NOTÍCIAS

Inteligência artificial será uma das principais tendências no setor bancário, segundo pesquisa
Muito além da cerveja: inovação na Ambev passa por investimentos em startups e joint ventures
3 fatores disruptivos para a mobilidade no Brasil e no mundo
Inovação aberta dita o caminho da transformação da EDP Brasil