Porque o trabalho remoto poderá não sobreviver no pós pandemia? - WHOW

Pessoas

Porque o trabalho remoto poderá não sobreviver no pós pandemia?

O trabalho remoto ganhou força no ano passado, com o surgimento da pandemia. Porém, esse modelo continuará sendo tendência? Veja mais sobre o assunto aqui

POR Redação Whow! | 18/05/2021 15h16

O trabalho remoto foi uma das medidas adotadas para a contenção da pandemia, ainda em 2020. Inicialmente, foi algo que tirou o sono de muitos executivos, empresários e líderes.

Além da preocupação com a saúde e de todas as incertezas, era inevitável o questionamento: e agora, a qualidade será a mesma? Como acompanhar os resultados? Se não funcionar, o que vamos fazer?

Entretanto, os meses foram passando, as empresas se organizando  e os colaboradores se adaptando e se acostumando com o novo normal.  

Ainda em 2020, metade da equipe dos setores administrativos pôde optar pelo trabalho remoto permanente. O cofundador do Twitter, foi outro exemplo nesse sentido a adotar o trabalho à distância de maneira habitual, mesmo após a pandemia. 

Porém, o que pareceu sinalizar o fim da forma mais tradicional de labor, o trabalho presencial, está com os dias contados: sim, o home office pode não sobreviver após a pandemia.

Neste conteúdo, entenda um pouco mais sobre essa situação e veja o que afirmam grandes empresas sobre o assunto. 

O que é o trabalho remoto?

Trabalho remoto é toda e qualquer prestação de serviços realizada  à distância e, necessariamente, fora das dependências da empresa. Neste modelo, o colaborador pode, por exemplo, optar por trabalhar em coworking no mesmo bairro da empresa, como também residir em outro país.

Os números do trabalho remoto vem registrando queda, desde o início da flexibilização das medidas para prevenção ao COVID-19. Uma pesquisa do IPEA- Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, revelou que cerca de 300 mil pessoas deixaram o trabalho remoto em julho de 2020.

Trabalho remoto, home office e teletrabalho

Nem todo trabalho remoto é home office, contudo, todo home office é um trabalho remoto, que também pode ser considerado teletrabalho.

Trabalho remoto e teletrabalho são sinônimos. Essa modalidade já está em lei e conta com regras próprias. Já o home office, teoricamente, obedece às mesmas regras de trabalho da modalidade presencial e não conta com regras próprias, já que trata-se de uma condição pontual e não permanente.

 Assim, o home office pode ser visto com uma extensão da empresa e o colaborador pode escolher de onde deseja trabalhar.

Porque o home office poderá não sobreviver no pós pandemia?

Trabalhar remotamente é uma coisa. Agora, trabalhar remotamente em plena pandemia, é outra coisa bem diferente. Assim, não se trata apenas de trabalhar em casa.

Junto com o trabalho remoto na pandemia do novo coronavírus,  não se têm mais as interações com os colegas e o happy hour na sexta, por exemplo.

Além disso, muitos e muitas dos que estão em casa precisam lidar, mesmo após um ano de adaptações, com estruturas que ainda não favorecem um trabalho produtivo, como um ambiente barulhento.

Resultado: estresse, sobrecarga e cansaço.

De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto Bem do Estar e a NOZ Pesquisa e Inteligência, 59% das pessoas estão mais irritadas. No mesmo estudo, 65% dos que passaram ao regime híbrido afirmam que estão mais irritados do que quando o trabalho era somente presencial.

Assim, é inevitável também fugir do fato que a produtividade sofre os impactos das condições mentais dos trabalhadores. Porém, não é somente a queda do desempenho que está fazendo algumas empresas desistirem do home office, como por exemplo desenvolvimento de outras habilidades de carreira e fortalecimento da cultura organizacional.

O que grandes empresas estão alegando para retornar ao trabalho presencial

Grandes organizações já começaram a se posicionar quanto ao fim ou não do home office e também do modelo híbrido: 

  • O twitter, por exemplo, deixa claro que se seus funcionários desempenharem suas atividades remotamente com qualidade, adotará esse regime de forma permanente. 
  • Nesse contexto, a Amazon  já comunicou aos seus funcionários que deve voltar às atividades presenciais, assim que possível de forma integral.
  • A IBM possui dúvidas quanto ao desenvolvimento de carreira de seus funcionários com o sistema remoto

Ou seja, a flexibilidade e os demais benefícios do trabalho remoto ainda são tendência, mas este modelo pede ajustes.

O home office trouxe aos trabalhadores jornadas mais longas e dificuldades em separar a vida pessoal e profissional, aumentando assim os sintomas mentais, como a ansiedade. 

A adoção do modelo híbrido aparece como uma alternativa meio-termo em relação ao trabalho 100% remoto. Estudos apontam que 89% dos executivos pretendem retornar às jornadas presenciais, mas irão permitir que as equipes continuem trabalhando de casa ou de outro local em determinados períodos. 

Gostou do conteúdo? Então assine agora a nossa newsletter gratuitamente para recebê-los em primeira mão!