Os próximos setores que vão se beneficiar com as startups - WHOW
Sem categoria

Os próximos setores que vão se beneficiar com as startups

Segundo Felipe Matos, atual presidente da Abstartups, hoje, estamos vendo a ponta do iceberg na quantidade de unicórnios que teremos no Brasil

POR Eric Visintainer | 22/04/2021 19h13 Os próximos setores que vão se beneficiar com as startups Imagem: Tomas Ryant (Pexels)

No 35º episódio das Whow! Lives o tema central foi os próximos passos das startups no Brasil. O primeiro trimestre de 2021 marcou um novo recorde de aquisições e fusões de empresas da nova economia pelas companhias mais tradicionais, chegando ao número de 56 sendo que no último ano o total foi de 166, segundo dados do Dataminer.

E para entender os próximas tendências no ecossistema de startups no Brasil, bem como os setores que têm grandes chances de aderir às novas tecnologias e modelos de negócio, o portal Whow! recebeu  para o bate-papo Felipe Matos, atual presidente da Associação Brasileira de Startups e empreendedor serial. Hoje existem 13.752 startups no Brasil, de acordo com os dados da Abstartups.

“2020 foi um ano que passamos de fase no ecossistema. Isso é algo que vem acontecendo ano a ano”, comentou Felipe logo no início da Whow! Live.

Próximos setores que vão se beneficiar das startups

Ele lembrou que a primeira startup brasileira com o status de unicórnio apareceu apenas há três anos para descrever o a juventude do ecossistema brasileiro.

“E há dois anos ninguém diria que veríamos startups nacionais abrindo capital na bolsa tão rapidamente. E isso está mudando o perfil de empresas na bolsa. E o perfil de investidores também mudou com o novo momento macro econômico”, descreveu o profissional que possui 22 anos de experiência na área do empreendedorismo tecnológico.

Felipe comentou também que as ineficiências em um país continental, como o Brasil, possibilidade de empreendedores possam gerar novos negócios que tragam valor para os consumidores.

“Ainda acho que educação e saúde estão aquém do potencial. E acho que toda a cadeia do e-commerce e logística tem bastante espaço para crescer por conta da pandemia”, avaliou. “Vejo a área da segurança da informação é uma que deve crescer bastante, por conta da LGPD que entrou em vigor e com produção de dados cada vez maior, com big data em todo lugar e vazamento de dados mais frequentes. As empresas de modo geral ainda estão dando menos atenção a este setor do que deveriam.”

Desafios ao liderar a Abstartups

Eleita há quatro meses, a atual gestão da Abstartups está focando o início do trabalho em cinco áreas,  segundo o seu atual presidente: aumentar a capacidade de inteligência, trabalhar a voz das startups com os órgãos do governo, formação de mão de obra na área de tecnologia, maior diversidade no ecossistema e desenvolvimento de comunidades de startups locais fora dos grandes centros.

“Ainda estamos desenhando os projetos. O Startupbase vai ter mais dados, com maior qualidade, e integrá-lo com outras bases e estamos fazendo parcerias com entidades para gerar inteligência a partir deles. Queremos conseguir mapear a participação das startups no PIB do Brasil. E na diversidade, passamos a incluir um olhar desde a comunicação até a montagem de painéis de convidados”, completou Felipe sobre as metas de entregáveis da Associação para este o próximo ano.

Saiba mais sobre os próximos projetos da Abstartups, avaliação sobre o Marco Legal das Startups e se 2021, de fato, será o principal ano em M&A no ecossistema das startups, assistindo a Whow! Live na íntegra abaixo.


E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


ASSISTA ESTA WHOW! LIVE NA ÍNTEGRA ABAIXO


+STARTUPS

Startups da América Latina e Caribe já valem US$ 221 bilhões, segundo o BID
As barreiras para pessoas negras ingressarem e evoluírem no ecossistema das startups
Hospital Albert Einstein vai investir R$ 100 milhões em startups de saúde
Conheça 5 startups de moda sustentável