“Os países deveriam tratar seus empreendedores como soldados”, diz Nassim Taleb - WHOW
Vendas

“Os países deveriam tratar seus empreendedores como soldados”, diz Nassim Taleb

O filósofo e risk trader falou sobre os conceitos de cisne branco e cisne negro relacionados à pandemia e compartilhou a sua visão sobre empreendedorismo

POR Adriana Fonseca | 17/07/2020 19h30 “Os países deveriam tratar seus empreendedores como soldados”, diz Nassim Taleb Imagem Garrhet Sampson: Unsplash

Muito tem se falado, no mercado financeiro, que a pandemia causada pelo novo coronavírus seria um cisne negro. O conceito, para quem não está familiarizado, se refere a imprevistos de grandes proporções que abalam os mercados. No entanto, Nassim Nicholas Taleb, pesquisador, filósofo e risk trader, afirma de forma categórica que a pandemia da Covid-19 não é um cisne negro.

“A pandemia é um evento cisne branco, porque era previsível. Todo mundo viaja para todo lugar.”

Nassim Nicholas Taleb, pesquisador, filósofo e risk trader

Previsibilidade das pandemias

Se o cisne negro é um evento imprevisto de grandes proporções, como o ataque às torres gêmeas do World Trade Center em 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos, por exemplo, o cisne branco se refere a eventos previsíveis e mais comuns. “O que você pode esperar que aconteça não é um cisne negro”, afirmou no evento Expert XP 2020. “Depende do observador.” Segundo ele, pandemias acontecem desde sempre, são parte da história econômica. “Como, então, podem ser um cisne negro?” Hoje em dia, ele afirma, é ainda mais provável que aconteça uma pandemia, porque é mais fácil viajar de um país o outro. “Se você tem um evento em São Paulo, vem gente do mundo todo e, depois de quatro dias, tudo que essas pessoas aprenderam ali viaja o mundo.”

Considerado um dos maiores pensadores do setor financeiro, Taleb reitera que as pandemias são previsíveis. “Você sabe que vão acontecer, mas não sabe quando e onde”, diz. E, na visão dele, havia mecanismos para lidar com o novo coronavírus  antecipadamente – o que não foi feito.

“Como já sugeri o uso de máscaras antes; se isso fosse implementado, reduziria a contaminação. As pessoas não conseguiram entender a maneira mais barata de conter a epidemia logo no começo. Os países poderiam ter economizado muito dinheiro.”

Nassim Nicholas Taleb, pesquisador, filósofo e risk trader

empreendedores Foto Nassim Taleb (divulgação)

Taleb é o autor de uma coleção de livros em que explora as facetas da incerteza: O Cisne Negro, Enganado pela Aleatoriedade, Antifrágil e Pele no Jogo. “No começo da pandemia o mercado já simulava seus efeitos com base em Sars e gripe espanhola, esperando pouco tempo de retração. Depois entendeu que o contágio era maior, e agora está vendo o grau de letalidade, antes se achou que seria mais letal”, explica. 

Voltando aos conceitos de cisne branco e cisne negro citados no começo do texto, foi o próprio Taleb que começou a usar essas duas expressões como conceitos no mercado financeiro. Isso aconteceu em 2007, quando ele lançou o livro “O Cisne Negro”. A ideia por traz desses conceitos está na natureza, já que por muito tempo acreditou-se que só existiam cisnes brancos. 

Filósofo de formação, Taleb é professor de Engenharia de Riscos na Tandon School of Engineering da NYU e consultor científico da Universa Investments. Antes de se tornar um pesquisador em problemas filosóficos e matemáticos, passou 21 anos como tomador de risco.

Estímulo do empreendedorismo 

No fim de sua palestra, ainda falou um pouco sobre empreendedorismo, e defendeu que os governos estimulem as pessoas a empreender. Para isso, afirma que as falhas devem ser mais aceitas. Como exemplo, ele cita o estado americano da Califórnia – local com maior índice de falências de empresas no país, mas também sede do Vale do Silício, o berço das startups mais inovadoras do planeta.

“98% dos produtos que estão à venda no mercado não estão à venda para suas funções originais. As coisas são apresentadas como resultado de pesquisas, mas são na verdade fruto de tentativa e erro, é isso que dá dinheiro”, diz. Ele também cita como exemplo as farmacêuticas, que desenvolvem um remédio para uma doença e ele acaba sendo útil para outra. 

“Os países deveriam tratar seus empreendedores como soldados, que estão dando suas vidas pelo país.”

Nassim Nicholas Taleb, pesquisador, filósofo e risk trader

“O que os governos podem fazer é ajudar os empreendedores a fazerem seus trabalhos. Precisamos de pessoas que fracassem cedo”, conclui, dizendo que o empreendedorismo deve ser estimulado entre os jovens.


DICAS E LIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO


+EMPREENDEDORES

10 dicas de livros de executivos de grandes startups
Itaú, B3 e CI&T usam o erro para inovar

Como serão os hospitais do futuro?
5 dicas para não falhar na prática do Design Thinking