Os melhores locais de trabalho para os inovadores - WHOW

Vendas

Os melhores locais de trabalho para os inovadores

Lista da publicação americana Fast Company traz 50 empresas que mais incentivam os intraempreendedores, sendo que 14 delas têm escritório no Brasil

POR Adriana Fonseca | 30/10/2019 14h00 Foto Alex Iby (Unsplash) Foto Alex Iby (Unsplash)

Este ano, pela primeira vez, a publicação americana Fast Company fez uma lista com os melhores locais de trabalho para os inovadores. São empresas que empoderam todos os seus funcionários – e não somente os executivos do alto escalão, cientistas ou programadores –  para que criem novos produtos, melhorem a operação e corram riscos.

A lista traz negócios onde a inovação não é só uma palavra da moda, mas parte do sistema de valor da companhia e de sua cultura corporativa.

A empresa traz 50 empresas, nenhuma do Brasil. Então, fizemos um recorte, uma espécie de versão nacional, e pinçamos as companhias que têm escritório por aqui. Há desde grandes organizações até startups.

Cultura de inovação no trabalho

“A necessidade de desenvolver uma cultura que fomente o pensamento inovador nunca foi tão urgente”

 Paul Daugherty, diretor de tecnologia e inovação da Accenture

“As pessoas estão indo para onde sentem que a inovação é valorizada”, completa Paul.

trabalho Foto Marilia Castelli (Unsplash)

Segundo a publicação, a lista dos melhores locais de trabalho para os inovadores não é um catálogo de companhias que oferecem os melhores benefícios – ainda que as empresas da lista tenham também ótimas vantagens para seus colaboradores. O ranking procurou honrar organizações que oferecem tempo para as pessoas realizarem projetos ousados (dentro e fora de seus escopos principais de trabalho), configurando seus escritórios de uma maneira que leve a uma maior colaboração entre as equipes, colocando prêmios na inclusão e dando espaço a quem falha.

Confira o recorte da lista com as companhias que têm escritório no Brasil

3M

Famosa pelos seus post-its, a empresa americana registra cerca de três mil patentes por ano e encoraja seus 91 mil funcionários a dedicarem 15% do tempo de trabalho a projetos fora do escopo tradicional de suas funções.

Activision Blizzard

A produtora de jogos de videogame tem sede na Califórnia, Estados Unidos. Em São Paulo há um escritório de vendas. Ela é famosa por games como World of Warcraft, Candy Crush e Call of Duty e encoraja seus funcionários a participarem de um desafio semestral chamado 5×5 Innovation Challenge, um torneio em que os times de cinco pessoas têm cinco semanas e um orçamento de pesquisa de US$ 5 mil para criar um “pitch” que enderece um desafio real da companhia.

Amazon

A empresa norte-americana cultiva ideias de mais de 600 mil funcionários em um processo chamado “working backwards”. Qualquer empregado com uma grande ideia é encorajado a criar um plano que inclua uma declaração de impacto para o cliente, uma simulação de comunicado para a imprensa, perguntas-chave e perspectivas de diferentes áreas de negócio. Foi assim que recursos como o Prime Now e o AmazonSmile começaram.

AMD

A fabricante de semicondutores americana usa “leapfrogging teams” – grupos discretos de engenheiros que trabalham simultaneamente em sucessivos projetos de design de chips principais. A ideia é garantir a comunicação consistente, a preservação do conhecimento e a aplicação das melhores práticas que podem ajudar a estimular a inovação. A empresa tem unidade em São Paulo.

trabalho Foto Justin Veenema (Unsplash)

Duolingo

A plataforma de aprendizado de idiomas com sede em Pittsburgh, nos Estados Unidos, possui uma seção no site, o Duolingo Labs, que permite aos funcionários e aos mais de 300 milhões de usuários globais sugerir aprimoramentos para projetos em desenvolvimento.

Intuit

A empresa de software com sede na Califórnia, EUA, e escritório em São Paulo apoia os funcionários no desenvolvimento de novas ideias para as comunidades mais necessitadas. Por meio de um projeto chamado Mission Hope, a equipe de “customer-success” da Intuit está abrindo novas centrais de atendimento ao cliente em economias locais que sofreram sérias quedas. Nos últimos dois anos, a iniciativa criou mais de 900 empregos em Wise, na Virgínia, e Johnstown, na Pensilvânia. A Intuit anunciou recentemente um terceiro centro (em Bluefield, West Virginia).

Johnson & Johnson

Após uma primeira apresentação que atraiu 60 pessoas em 2011, o TEDxJNJ evoluiu para um veículo contínuo para os funcionários da gigante de bens de consumo americana compartilharem experiências, informações e pontos de vista. Hoje são 76 eventos que acontecem em 19 países, gerando mais de 500 vídeos.

L’Oréal

A fabricante de cosméticos francesa tem 110 anos de vida e possui uma incubadora de tecnologia interna e mais de 4 mil funcionários dedicados em tempo integral à pesquisa e inovação. A multinacional registrou 505 patentes em 2018. Em novembro passado, tornou-se a primeira empresa de beleza a lançar um produto de tecnologia, o My Skin Track UV, sensor de raios UV vestível sem bateria vendido exclusivamente através da Apple.

trabalho Foto Joshua Sortino (Unsplash)

Merck

Em 2018, a farmacêutica gastou quase US$ 10 bilhões em pesquisa e desenvolvimento. Este ano, a empresa anunciou um investimento adicional de US$ 16 bilhões para serem usados em cinco anos em projetos para melhorar processos de desenvolvimento, capacidades e inovações. Seu fundo de investimentos comprometeu mais de US$ 85 milhões em tratamentos para uma variedade de condições, incluindo distúrbios neurodegenerativos, câncer e infecções bacterianas resistentes.

Morgan Stanley

O escritório de inovação tecnológica da empresa bancária financia projetos promissores de funcionários em áreas-chave, incluindo inteligência artificial, análise de dados e fintech, e oferece um programa de aceleração para o processo de registro de patentes. O Laboratório de Inovação da companhia fornece um ambiente digital de “área restrita”, onde qualquer funcionário pode experimentar código, software e outras tecnologias.

Procter & Gamble

O programa GrowthWorks da gigante de bens de consumo funciona assim: depois de realizar uma pesquisa com o consumidor para identificar um problema, uma pequena equipe faz um protótipo e testa uma solução com recursos limitados, obtendo investimentos adicionais ao atingir metas pré-estabelecidas. Atualmente, o GrowthWorks tem mais de 130 experimentos em execução, incluindo 10 que foram lançados.

Salesforce

Os funcionários da equipe de produtos e tecnologia da Salesforce, empresa com sede em São Francisco, nos Estados Unidos, podem se mudar para outro grupo dentro do departamento, ganhando exposição a uma gama totalmente nova de tecnologias e clientes. Quase 30% dos empregos abertos em tecnologia e produto são preenchidos por meio de transferências internas. A empresa tem escritório em São Paulo.

Sephora

A varejista americana tem um programa de incubação exclusivamente para mulheres fundadoras do setor de beleza. Chamado de Sephora Accelerate, inclui um treinamento de negócios de uma semana, orientação individual de parceiros e líderes da Sephora, subsídios e um dia de demonstração em que os fundadores têm a oportunidade de apresentar suas empresas a parceiros de risco e à equipe sênior da Sephora.

Siemens

A fabricante industrial alemã com sede em Munique detém mais de 15 mil patentes somente nos Estados Unidos e reúne mais de 43 mil funcionários focados em pesquisa e desenvolvimento em todo o mundo. Seu programa Quickstarter permite que os funcionários aloquem de forma independente e democrática o dinheiro da empresa para apoiar o desenvolvimento das ideias dos colegas.


+ INOVAÇÃO NO TRABALHO

Conheça o ecossistema de inovação do Espírito Santo
Os cases de empresas e startups que mais fecham negócios de inovação no Brasil
7 CEOs definem o que é inovação e o impacto nos negócios
O Mais incrível festival de inovação para negócios do país
7 lições de empreendedores que falharam em seus negócios