Opinião: Ecotechs e o futuro de limite indeterminado - WHOW
Whow

Opinião: Ecotechs e o futuro de limite indeterminado

Grandes problemas como os resíduos plásticos nos oceanos e o aquecimento global precisam de soluções inovadoras

POR Redação Whow! | 02/03/2021 10h54

*Por Lucas Prado

Temos acompanhado nos últimos anos as tragédias ambientais das queimadas no pantanal e na floresta amazônica. Biomas inteiros sendo devastados e gerando incerteza sobre o futuro da humanidade e da vida no planeta.

Mas você já ouviu falar em cleantechs, startups verdes ou ecotechs? Ecologia não é apenas para ONGs de proteção ao meio ambiente, mas também pode ser um excelente negócio de impacto social, escalável e com elevado retorno sobre oinvestimento.

Grandes problemas como os resíduos plásticos nos oceanos e o aquecimento global, que causam enchentes, furacões, extinção de espécies animais e vegetais, precisam de soluções inovadoras.

Ecotechs e cidades inteligentes

As ecotechs estão fortemente conectadas com as cidades inteligentes e ao mesmo tempo com o agronegócio, ocupando uma posição privilegiada para captação de investimentos. Os principais setores de atuação são agricultura, atmosfera, meio ambiente, água, armazenamento de energia, eficiência energética, energia limpa, indústria limpa e transporte

Segundo estudo da Smart Prosperity Institute essa promissora indústria deverá movimentar aproximadamente US$ 2,5 trilhões até 2022. O Global100 elaborou uma lista com mais de 7.500 grandes clientes diretos dessa nova indústria sustentável, o que mostra que esta é uma tendência mundial.

Selecionei uma lista de startups brasileiras que atuam nesse segmento de mercado:

Ocean Drop: oferece vitaminas e cosméticos a base de algas e microalgas para pessoas que buscam produtos e alimentos de qualidade nutricional avançada e sustentável. A startup destina 5% dos lucros para apoiar projetos de proteção dos oceanos.

Sunew:  líder mundial na fabricação de Filmes Fotovoltaicos Orgânicos (OPV). O método de produção desenvolvido por eles utiliza baixas temperaturas e, consequentemente, baixíssimo uso de energia, além de ser contínuo e altamente escalável. Como matéria prima são utilizados materiais orgânicos abundantes na natureza e não tóxicos.

Simbioze Amazônica: o negócio nasceu da busca incessante por moléculas bioativas, de origem natural. A startup amazonense produz cosméticos 100% naturais e veganos, nativos e amazônicos, levando os ativos da floresta para a rotina de cuidados diários, de forma correta e sustentável.

Hidreo: startup focada no desenvolvimento de soluções para Micro Geração de Energia a partir de fontes renováveis. Trata-se de um equipamento de pequenas dimensões, fácil instalação e baixo impacto ambiental que inova na geração de energia hidráulica, trazendo uma alternativa aos altos custos de energia, mudanças nas tarifas e regiões com instabilidade ou até sem acesso à rede elétrica.

OKA Bioembalagens: produz embalagens biocompostáveis, feitas da fécula da mandioca, com ou sem adição de fibras naturais. As embalagens descartáveis  e biodegradáveis retroalimentam o ciclo da natureza, podendo ser utilizadas no mercado alimentício, de brindes, cosmético, eletrônico, jardinagem, de consumo imediato ou de ciclo rápido.

Waycarbon: startup referência em assessoria sobre mudanças globais do clima, gestão de ativos ambientais e no desenvolvimento de estratégias e negócios visando a ecoeficiência e a economia de baixo carbono.

Em um planeta cada vez mais instável climaticamente, a indústria 4.0 não pode ser apenas digital, conectada e inteligente, ela terá que ser também cada vez mais sustentável e ecológica. As ecotechs podem ser uma alternativa e a base para um futuro ∞.0!

*Lucas Prado é cientista de dados, embaixador de Inovações Cívicas da Open Knowledge Brasil e cofundador da meryt.me.


+STARTUPS

Já ouviu falar das cleantechs? Veja o mercado promissor de startups de energia limpa no Brasil
Coluna: Paralelo entre os efervescentes ecossistemas de startups americano e brasileiro
50 Empresas que mais apoiam o ecossistema de inovação no Brasil
Londres e Berlim lideram como ecossistemas para startups na Europa