Opinião: Conheça os passos para criar um aplicativo de sucesso - WHOW
Tecnologia

Opinião: Conheça os passos para criar um aplicativo de sucesso

O caminho pode parecer complicado, mas existem formas de se trilhar. Primeiro de tudo é importante definir o MVP

POR Redação Whow! | 15/10/2020 11h24

*Por Fabio Barboza

Quando um serviço por aplicativo revoluciona o mercado, a maioria das pessoas pensa: como eu não tive essa ideia antes? Só que para o Uber ou iFood acontecerem, essas ideias não saíram prontas de primeira. Existe muito planejamento por trás, passando por várias fases, sempre avaliando o Mínimo Produto Viável (MVP), até chegar no nível de complexidade que os apps têm atualmente.

Um exemplo é a 99, startup de serviços de transporte criada por três brasileiros em 2012, e depois vendida para a gigante chinesa Didi Chuxing em 2018. Você sabia que, no início das operações, os cadastros dos taxistas no aplicativo eram feitos pessoalmente pelos fundadores? Foi a forma que eles encontraram de vencer a falta de intimidade com a tecnologia que os motoristas tinham na época.

Sendo assim, os condutores chegavam com os celulares para que toda a configuração do aplicativo fosse feita fisicamente. E foi justamente esse atendimento personalizado que gerou confiança no serviço e conquistou a base inicial que eles precisavam para o produto se tornar viável.

Qual problema o aplicativo vai resolver?

O caminho pode parecer complicado, mas existem formas de se trilhar. Primeiro de tudo é importante definir o MVP, que nada mais é do que a versão simplificada do produto final da sua empresa. É uma forma de testar se a ideia está madura sem gastar muito e com prazo curto de desenvolvimento.

O ideal para chegar nessas respostas é ter uma equipe plural, em que cada colaborador tenha foco em uma área específica e possa apontar problemas. Ou seja, é importante ter alguém com visão de negócio, outro com visão de produto, design thinking, etc.

A primeira questão a se perguntar é: qual o problema você quer solucionar com a sua ideia? É conectar entregadores, restaurantes e consumidores? É oferecer um serviço de ligação para reuniões empresariais? É facilitar a comunicação de surdos-mudos? É diminuir o tempo de um laudo médico?

Nesta hora é possível entender se esse problema que pensou já está solucionado por um outro serviço existente no mercado –, pois é isso acontece com mais frequência do que você imagina –, se ele pode ser colocado na prática no mundo físico, como a abertura de uma loja, uma central de ligações, etc. Ou, ainda, se ele é resolvido por meio da tecnologia, tanto por um aplicativo, um site ou um serviço on-line.

Temos como missão proporcionar as melhores experiências tecnológicas para os usuários, desta forma, quando recebemos uma ideia para criação de aplicativo, a colocamos à prova por meio do nosso processo de validação Discovery, com metodologia exclusiva e desenvolvida pela nossa equipe, que dura cerca de cinco semanas e compreende as seguintes etapas:

1.Imersão: aplicamos técnicas de design sprint e user stories para criar, desenhar, prototipar e testar uma ideia;

2.Pesquisa de mercado para descobrir pontos fortes e fracos da solução;

3.Elaboração de personas;

4.Criação de interface e wireframes;

5.Prototipação de 15 telas do app;

6.Só aí para chegar no MVP.

Saiba o que está no core da sua empresa

Ao definir o MVP, e ele apontar para o desenvolvimento de um aplicativo, muitos se deparam com uma encruzilhada: montar sua estrutura própria de desenvolvimento ou contratar uma empresa parceira.

Com a primeira opção, montar uma equipe internamente será preciso recrutar uma mão de obra altamente especializada, com gerentes de projetos, desenvolvedores e designers, e preferencialmente contar com um sócio vindo do mercado de Tecnologia da Informação, que possa liderar esses projetos. Isso é recomendado se o aplicativo é o core da empresa.

No caso da Uber e 99, a força está em fornecer a melhor solução de aplicativo para conectar motoristas e passageiros. Ou seja, eles precisam ter uma equipe de tecnologia forte, que sempre está buscando melhorias para o que eles vendem: o app.

Agora se no caso da sua empresa, o aplicativo é um facilitador de venda ou não será o centro do seu serviço, é possível considerar externalizar o custo com o desenvolvimento, contando com toda a expertise e profissionais especializados para transformar o mundo do seu cliente e, assim como nós, encantar usuários por meio de experiências incríveis.

*Fabio Barboza é CEO e cofundador da startup Kobe.


+APLICATIVO

WhatsApp em busca do status de superapp
Empresas tradicionais se reinventam na era dos aplicativos
Aplicativo com leilão de preço chega a SP para competir com Uber e 99
Novos aplicativos focam em soluções para o trânsito no mundo