Opinião: como a terapia de produto aumentou o engajamento do time o tornando mais feliz e produtivo - WHOW

Pessoas

Opinião: como a terapia de produto aumentou o engajamento do time o tornando mais feliz e produtivo

Abraçar a vulnerabilidade, no ambiente de trabalho, mudou e muito a forma como os funcionários se engajam com o Duolingo

POR Redação Whow! | 09/04/2021 13h57 Foto: Celpax (Unsplash) Foto: Celpax (Unsplash)

*Por Justin Goff

Muito se fala em vulnerabilidade no ambiente de trabalho, mas há pouca demonstração prática de como aplicá-la no dia a dia. No Duolingo, ela se tornou uma aliada essencial na nossa estratégia de retenção de talentos. Para isso, aplicamos um método que chamamos de ”terapia de produto” para mudar o engajamento de nossos funcionários com a empresa.

Apesar de estar em seu melhor momento, em 2019 o time de produto tinha o menor engajamento da empresa — 12% a menos do que o restante. Também havia um agravante: cerca de 50% da equipe respondeu que pensava em procurar emprego em outro lugar.

Em comparação com os dias de hoje, em 2021, não perdemos um único membro da equipe desde 2019 e 80% da equipe disse que raramente pensa em procurar emprego em outra empresa.

Mas como chegamos até aqui? O segredo é a ”terapia de produto”.

Onde surgiu a terapia de produto

Esta metodologia começou com a compreensão de que, quando se tratava de ter feedback da equipe do produto, as reuniões regulares e individuais não eram suficientes.

Segundo resultados de nossas pesquisas de engajamento, muitos funcionários estavam se auto censurando porque não estavam confortáveis em ser vulneráveis com seus gerentes ou na frente da equipe. Para sair desse ciclo, sabíamos que precisávamos de um espaço de apoio, seguro e confidencial para falarmos sobre problemas no trabalho.

O primeiro passo foi simplesmente ouvir cada funcionário individualmente e assim entender os resultados da pesquisa de engajamento. Com o tempo, esse momento de ”escutar” cada um se tornou um ritual trimestral. E quando alguns membros da equipe começaram a brincar que parecia uma espécie de terapia, o nome pegou.

Como funciona

A terapia de produto é baseada em um conjunto de entrevistas individuais regulares com um “terapeuta de produto”.

Esta pessoa é um membro confiável e experiente da equipe que não gerencia diretamente nenhum dos integrantes do time e que não faz avaliações de desempenho ou toma decisões de promoção. Seu trabalho é ouvir bem, fazer boas perguntas, revelar insights e defender soluções, e claro, manter todas as discussões confidenciais e garantir que todos os membros da equipe se sintam ouvidos.

As entrevistas têm base em perguntas abertas com o foco nos desafios no trabalho. Por exemplo:

  • Entre todas as suas atividades e responsabilidades relacionadas ao trabalho, em qual você gostaria de gastar menos tempo? Por quê? E com qual você gostaria de ter mais tempo? Por quê?

  • Imagine que seu melhor amigo(a) está pensando em se candidatar para um emprego como o seu no Duolingo. O que você diria que ele(a) deve esperar da empresa? Quais são os maiores prós? E os maiores contras?

  • Digamos que você receba uma carta de seu futuro eu no ano que vem e descubra que trabalha em outra empresa. O que a carta diria sobre o porquê de você ter saído do Duolingo?

Após cada rodada, o terapeuta de produto reúne as principais descobertas em um relatório, compartilha com a equipe para validar as descobertas e dá início a uma série de conversas sobre como começar a lidar com os problemas que surgiram.

Como resultado, obtivemos mais consciência e alinhamento em torno dos problemas da equipe e ideias práticas para resolvê-los. E ainda: a terapia de produto nos ajudou a construir uma cultura em que é normal ter problemas e falar sobre eles. No final, somos muito melhores em sermos sinceros e gentis, mesmo fora da terapia de produtos.

Outros benefícios e iniciativas são a mudança no formato e na frequência das reuniões de equipe e o desenvolvimento de um novo layout para tornar as decisões de produto mais fáceis. Além disso, estamos trabalhando em como damos feedback, cada funcionário se sente cuidado e realmente parte do time, melhoramos o senso de segurança psicológica e a nossa disposição para sermos vulneráveis com nossos colegas da equipe.

5 etapas para começar a terapia de produto em sua equipe

Se você se identificou com algum dos temas mencionados, recomendo que você e a sua empresa deem uma chance à terapia de produto — da forma e no formato que fizer mais sentido. Para começar, há cinco etapas:

  1. Descreva o problema para sua equipe. Reconheça que existem problemas e que você precisa melhorar a forma de entendê-los e como corrigi-los. Fale sobre porque seus processos regulares de feedback não estão funcionando;

  2. Recrute o ”terapeuta de produto” do time: precisa ser um funcionário “neutro” e com quem as pessoas se sintam confortáveis para conversar;

  3. Anuncie o plano para a equipe, não é preciso usar a palavra “terapia”. Você pode apenas dizer que pediu à uma pessoa para ouvir cada um a fim de obter uma melhor compreensão dos problemas que o time enfrenta;

  4. Faça a primeira rodada de entrevistas e peça ao “terapeuta” para fazer anotações confidenciais, sintetizá-las e destacar as principais descobertas e temas; e

  5. Valide os resultados. Compartilhe as principais descobertas e temas com as pessoas que foram entrevistadas e peça a elas para ajudar a priorizar os problemas que você encontrou por meio de uma pesquisa anônima, por exemplo. E pensem em soluções possíveis para cada um deles.

Estas cinco etapas devem resultar em uma lista de problemas concretos e de alto impacto. Na maioria das vezes, essesinsights também proporcionam um conjunto de novas questões a serem exploradas ou de novos problemas para serem compreendidos.

No Duolingo, aplicamos rodadas trimestrais e nelas definimos as nossas prioridades para os próximos meses.

O que esperar como resultado? Uma equipe mais feliz e eficiente que sempre sabe o que precisa fazer para melhorar.

*Justin Goff é Senior Product Operations Manager no Duolingo.

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+NOTÍCIAS

As lições aprendidas com a morte da startup Quibi
A aprendizagem diária dos líderes de inovação
Lições práticas para uso das metodologias ágeis