O uso da criatividade no desenvolvimento de negócios digitais - WHOW

Vendas

O uso da criatividade no desenvolvimento de negócios digitais

Edney Souza, especialista no tema, também abordou passos para a resolução de problemas complexos durante evento global

POR Redação Whow! | 22/04/2021 19h11 Arte Grupo Padrão (@flaviopavan_76) Arte Grupo Padrão (@flaviopavan_76)

“Não existe um lado técnico e um lado criativo no nosso cérebro. A criatividade acontece por meio de estímulos, como os cinco sentidos.” Foi dessa forma que Edney Souza, diretor Acadêmico na Digital House Brasil, começou a sua palestra virtual no evento World Creative Day,  nesta quinta-feira (22).

O especialista em tecnologia e criatividade também abordou como esta última área pode ter uma papel fundamental no desenvolvimento de negócios digitais.

Quebra de mitos sobre a criatividade

Edney declarou que a criatividade pode participar na criação de novos negócios, como no uso de todos os sentidos, por exemplo, no mundo dos cheiros ao criar um produto abrasivo para limpeza que não deixa a casa com o cheiro de produto químico. Além disso, a ciência, tecnologia, engenharia, arte e matemática também já são áreas de conhecimento imersos na criatividade digital.

Apesar dele destacar o desenvolvimento do repertório criativo como um aspecto vital para que a criatividade seja uma característica mais presente na tomada de decisão, o especialista também enalteceu que somente a ideia não é mais o fator decisivo ao empreender. “A ideia não é mais o centro do empreendimento. E, hoje, a possibilidade de se ter uma ideia é tão grande que, quem resolve melhor um problema recebe um investimento, pois consegue trocar rapidamente de ideia. E, para isso, é preciso de repertório criativo.”

Além disso, as já conhecidas habilidades comportamentais, ou soft skills, foram mencionadas como parte do mundo dos negócios.

O diretor Acadêmico na Digital House Brasil destacou a flexibilidade cognitiva para se ter uma constante adaptação, como usar diferentes métodos na resolução de um problema e análise de uma situação por diferentes maneiras; o pensamento crítico para perceber locais onde a criatividade precisa ser entregue e para aplicá-la, segundo Edney, é possível perguntar: “quem disse, o que foi dito, onde e quando foi dito, por que foi dito e como foi dito”; proficiência digital por meio do social, mobile, analytics e cloud); e entender como digital é construído, no mindset digital, com a utilização de ferramentas do UX, coding, storytelling e data.

Resolução de problemas complexos

E os principais da criatividade também podem auxiliar na resolução de problema complexos, segundo o Edney. “Para resolver problema complexos precisamos ter um repertório criativo para estimular os sentidos, que pode ser tecnológico ou artístico, ser uma pessoa adaptável e crítica, para saber onde aplicar a resolução de problemas”, apontou.

O especialista listou passos para quem quer se aprofundar de forma direta neste cenário de problemas novos e mal definidos em ambientes complexos no mundo real.

Para resolvê-los é necessário ter foco no essencial e dividi-lo em pedaços menores para elenca soluções, ter o feedback do público-alvo para saber o impacto na vida das pessoas e usar o feedforward, para prever qual será o resultado com esta solução. E depois testar com 70% de certeza, segundo Edney apontou como a forma que Jeff Bezos, atual pessoa mais rica do mundo e o fundador da Amazon, toma as suas decisões.

Veja quatro passos para a resolução de problemas complexos:

-Observe um problema de diferentes pontos de vista;
-Desenvolver soluções alternativas para selecionar a melhor solução;
-Compreender o ambiente que influencia o problema; e
-Conhecimento dos impactados pela solução.

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+CRIATIVIDADE

Entenda os mitos e as verdades sobre a criatividade
Dá para desenvolver a criatividade? Um brasileiro e um americano tentam explicar
Quer desenvolver a criatividade? Brainstorm não é a melhor opção
A criatividade brasileira é só “futebol e carnaval” ou vai produzir inovação?