O segredo dos unicórnios para as culturas organizacionais - WHOW
Tecnologia

O segredo dos unicórnios para as culturas organizacionais

Especialistas sugerem que empresas cultivem o mindset das startups a fim de desenvolverem melhores culturas organizacionais

POR Laís Côrtes | 24/09/2020 16h27

Durante o webinar Living With Unicorns, ocorrido no evento digital Liga Open Innovation Summit, foram trazidas duas figuras indispensáveis para falar de unicórnios de startups, e como criar e manter culturas organizacionais de impacto.

Com Larissa Rocha, employee n° 1 e CCO da Brex, e Ralf Wenzel, Presidente-Executivo da Oyo Latam e Managing Partner do SoftBank Group, a conversa do webinar elucidou conceitos e parâmetros para a criação, desenvolvimento e consolidação de uma cultura organizacional.

O mindset das startups nas culturas organizacionais

A Brex é uma emissora estadunidense de cartões de crédito para startups. Larissa Rocha define, em resposta à pergunta feita logo no início do webinar, que a cultura da Brex é como: “Sonhamos grande, trabalhamos muito bem juntos e trabalhamos bastante. Nós estudamos profundamente os problemas que queremos resolver, em vez de simplesmente aceitar o que as pessoas dizem. Então, basicamente, nossos sonhos estão nas estrelas.”

A CCO explica que há alguns fatores no mindset da Brex que são comuns com as startups, como a mentalidade ágil e a coragem para fazer as coisas de forma diferente.

Já as perspectivas da cultura da empresa, de Ralf Wenzel colocou em alicerces tangíveis. “Os pilares mais fortes que constroem uma cultura são valores, empatia e diversidade”, opina.

Concordando com Larissa, Wenzel acrescenta que empresas não devem perder nunca mentalidade de startup. “Essa constante interação, velocidade de execução, as questões de ver e de ouvir o seu cliente; isso é algo que você, como empresa, nunca deveria perder”, opina.

culturas organizacionais Foto de bongkarn thanyakij no Pexels

Estratégias de criação de cultura

Larissa relatou que, para definirem a cultura da Brex, 15 ou 20 pessoas se reuniram em uma mesma sala e cada um deles descreveu três palavras que definissem os seguintes pontos: o que é a Brex, o que eles querem que ela se torne e qual é a cultura. “Isso acabou por gerar valores que representam a empresa, e só recrutamos pessoas cujos valores são equivalentes aos nossos”, compartilha a CCO.

Ralf acredita que criar uma equipe, empresa ou cultura demanda organização e escolhas assertivas. Para exemplificar, ele faz menção a um quebra-cabeças, com peças diferentes que se complementam e agregam. “As equipes recrutadas ajudarão na flexibilização dos das estruturas e dos processos”, diz.

Como manter valores fortes e consistentes

De acordo com Larissa, o único jeito de criar e manter culturas organizacionais consistentes nas empresas é tendo pessoas com os mais variados históricos socioculturais, que se unem umas às outras por propósito comum. “É assim que mantém a união na Brex”, revela.

“Saiba que levará tempo, mas a comunicação interpessoal da empresa deve ser embasada em valores consolidados e autênticos”

Larissa Rocha, employee n° 1 e CCO da Brex

Wenzel concorda, e considera que vale mais contratar pessoas pelos seus valores e não pelos seus currículos, visto que é melhor para a empresa e para o candidato que seus ideais sejam convergentes.

Segundo o Presidente-Executivo, é essencial ter uma equipe diversificada, empática, respeitosa e companheira. Dentro e fora de uma empresa, é necessário que dialogamos e saibamos ouvir tanto sobre dificuldades profissionais, como quanto a problemas pessoais”. E ressalta: “Contrate pessoas cujos valores e ideais sejam alinhados com os da empresa.”

“Seja corajoso e não tenha medo. Foque na equipe, colocando sempre as pessoas em primeiro lugar, e concentre-se nos valores culturais”

Ralf Wenzel, Presidente-Executivo da Oyo Latam e Managing Partner do SoftBank


+NOTÍCIAS

Afinal, qual a importância do Pix para a inovação financeira?
Como contratar talentos para inovar? Especialistas comentam
Empoderar equipes para projetos vencedores
Coluna: O empreendedorismo e a equilibrista