O que Growth Hacking tem a ver com ciência e experimentação - WHOW
Eficiência

O que Growth Hacking tem a ver com ciência e experimentação

Abordagem que utiliza testes para maximizar resultados não deve estar restrita ao marketing

POR Daniel Patrick Martins | 22/09/2021 19h04 O que Growth Hacking tem a ver com ciência e experimentação

O Growth Hacking é um conceito que aborda formas de “hackear” o crescimento de um negócio, ou seja, de desenvolver formas inovadoras para crescer mais que a média. É uma tendência que não está somente atrelada ao marketing, mas para todos os segmentos, pois traz uma visão estratégica para a expansão dos negócios com base na cultura da experimentação e na redução de riscos.

Nesse sentido, Growth Hacking tem tudo a ver com ciência, já que o método científico também se baseia em experimentação para validar resultados. “É nada mais, nada menos, que uma abordagem científica para experimentação rápida em toda a jornada do cliente, desde o momento em que ele nem sabe que existimos até o momento em que ele é um cliente fiel nosso. Essa abordagem serve para impulsionar os resultados das empresas, seja adquirindo mais visitantes, leads, vendas, recomendações, receita ou até retendo mais clientes”, explica Anderson Palma, CEO do Growth Labs ao portal Mundo do Marketing.

De forma simplificada, antes da tomada de ação no mundo dos negócios, é sempre possível realizar um teste. O caso mais comum é no desenvolvimento de um anúncio nas redes sociais: são criadas duas artes diferentes, mas todas as outras variáveis, como horário da publicação e canal de veiculação, são mantidos. A arte que tiver melhor desempenho será monetizada, e a outra descartada. Ampliando para outras atividades, pode-se realizar testes, por exemplo, com a abordagem de vendas. Cria-se, nesse sentido, dois modelos de e-mail diferentes, que são enviados a possíveis clientes. Aquele que tiver maior taxa de retorno é definido como o padrão da área de vendas.

Fica claro, portanto, que o Growth Hacking depende da mensuração e dos dados. Não existe teste se não há como comparar resultados de forma concreta. Por isso, ao desenvolver um experimento, é sempre essencial definir antes qual é o seu objetivo e o que será mensurado a partir dele.

Para que o Growth Hacking se torne parte da cultura de uma empresa, é preciso incentivar a prática de experimentos entre todas as funções. É o que destaca Raphael Lassance, fundador da agência Growth Team, durante o podcast Whow! Vida Loka. “O processo de experimentação não é, necessariamente, restrito ao marketing. Eu defino Growth Marketing como o processo de maximização de KPIs com o uso de experimento. Quando se tem essa visão mais ampla de indicadores de performance, estamos falando de área de vendas, de RH, de compras, contabilidade. Todas as áreas da empresa deveriam ter indicadores chave, e a partir disso você pode rodar experimentos”.

Para mergulhar mais a fundo no universo do Growth Hacking, assista ao episódio #20 do Whow! Vida Loka Podcast: