O que é Scrum e como aplicá-lo em startups? - WHOW
Eficiência

O que é Scrum e como aplicá-lo em startups?

Conheça o método mais usado em empresas de desenvolvimento de software para tornar processos mais ágeis, transparentes e orgânicos

POR Carolina Cozer | 02/10/2019 15h22 O que é Scrum e como aplicá-lo em startups? Foto (Shutterstock)

Já ouviu falar em Scrum? Esta é uma metodologia para a gestão de projetos ágeis, que é muito usada em processos de desenvolvimento de softwares e startups, cujo objetivo é fornecer várias etapas de refinamento de um produto em ciclos de duas a quatro semanas.

De acordo com o 12º relatório anual State of Agile, de 2018, 70% das equipes de software atuais usam Scrum ou alguma metodologia híbrida na gestão de seus projetos.

O método surgiu, inicialmente, para gerir processos de criação de softwares, mas hoje entende-se que ele é funcional para quaisquer outras áreas que envolvam inovações. É um processo que permite que projetos evoluam e ganhem novas formas, como um organismo vivo, que se desenvolve por ciclos e é respaldado por erros e acertos e novas demandas que surgem.

scrum Foto (Shutterstock)

Como funciona o Scrum?

O Scrum é baseado em processos de iteração, ou seja, ciclos repetitivos que vão polindo o produto e agregando valores a cada rodada. Esses ciclos são chamados de sprints.

A vantagem do processo iterativo, em oposição ao método incremental (em que se entrega um projeto quando ele está 100% finalizado) é que é possível começar a utilizar o produto e ter os primeiros resultados com ele mais cedo, além de poder acrescentar novas fases no projeto de forma orgânica, baseadas nas necessidades que o projeto apresenta.

Em termos práticos, o processo incremental se assemelha à construção de um prédio, que deve crescer de baixo para cima e seguir à risca o modelo da planta, sem espaço para experimentações. Já a criação de softwares, ou qualquer tipo de inovação, deve envolver muitos testes, experimentações e atualizações.

Primeiro se lança um protótipo, que permite a execução da etapa inicial do trabalho, para que depois ele seja atualizado aos poucos, tomando novos formatos e recebendo valores mais complexos com o passar do tempo.

Funções e atividades

Uma equipe que queira aplicar o Scrum deve possuir ao menos três personagens básicos: o Product Owner, ou P.O, responsável por gerenciar as listas de tarefas (backlog); o Scrum Master, que atua como coach, fornecendo liderança no processo de desenvolvimento; e o Time Scrum, que é a equipe de desenvolvimento, que terá papéis multifuncionais e colocará a mão na massa. 

Definidas as funções, é o momento de fazer uma primeira reunião de planejamento, onde o primeiro sprint (ciclo) será definido. Em média, os sprints duram entre duas e quatro semanas de trabalho, e dependem de reuniões diárias (daily scrums) para que cada um possa mostrar o que foi produzido no dia anterior.

Após o final do primeiro sprint, é esperado que um protótipo do produto seja apresentado em uma reunião de revisão final. No final deste processo, se faz uma reunião de retrospectiva, para verificar o que foi ou não funcional no ciclo que se passou.

Assim, o Scrum volta ao início, com uma nova reunião de planejamento, em que será definida a próxima etapa de refinamento do produto. Começa, então, um novo sprint, com novas daily scrums, e assim permanece de modo sucessivo até que o projeto se encerre.

scrum Foto (Shutterstock)

Por que o Scrum funciona em startups? 

Mesmo o Scrum tendo diversos papéis e etapas, é possível aplicá-lo com sucesso em startups com times reduzidos. A grande vantagem do método é que ele amplifica a visibilidade de todo o trabalho (através dos daily scrums), tornando a equipe multifuncional – e times multifuncionais atuam muito melhor. 

Em equipes pequenas, é possível que os papéis de P.O. e Scrum Master sejam executados pela mesma pessoa, deixando o resto da equipe livre para trabalhar como Time Scrum. 

Como fazer caso a startup esteja no estágio inicial, e o time inteiro seja constituído de apenas dois membros? Neste caso, os dois serão, além de P.O. e Master, o próprio Time. É possível aplicar essa metodologia, inclusive, em empresas de uma pessoa.

Para executar o Scrum, não é preciso muito espaço, ou sequer é necessário ter qualquer espaço físico: basta ter algum meio de se efetuar reuniões, seja em uma sala ou por vídeo chamada, e ferramentas de organização e gestão de tarefas.

Onde tirar a certificação?

Scrum Master não é uma certificação tão fácil de se obter no Brasil, uma vez que é necessário que a instituição de ensino seja autorizada pela Scrum Alliance, o órgão que regulamenta o ofício nos Estados Unidos.

Porém, é justamente esse fato que faz a certificação oficial ter um valor tão grande para o profissional no mercado, pois atesta que o aluno passou pelas provas oficiais do método e está apto a aplicá-lo.

A Massimus, localizada no bairro de Pinheiros, em São Paulo, é uma das escolas brasileiras que são autorizadas pela Alliance a formar Scrum Masters no Brasil. Estão no mercado desde 2010, já formaram mais de 15 mil pessoas, e também oferecem treinamentos in-company fora de São Paulo, não apenas na modalidade de Scrum Master, mas também com a certificação internacional completa de Agile Coach.

A Coordenação Central de Extensão (CCE) da PUC-RJ oferece o programa de formação Agile Master, que capacita profissionais para o método Agile com um combo de três cursos: Scrum: Framework Ágil (Certificação Scrum Master), Gestão de Produtos com Scrum e Gestão Ágil de Projetos. Cada curso tem entre sete e oito semanas de estudos, mentorias virtuais, fóruns de discussão e centenas de questões simuladas, que são preparatórias para a prova final.


+ NOTÍCIAS

Sistema B certifica nova empresa brasileira; conheça este movimento global
Gestão compartilhada facilita processos, mas necessita objetividade
9 tendências tecnológicas para 2020
Conheça as principais incubadoras e aceleradoras do Brasil