O que a Bossa Nova pode te ensinar sobre empreendedorismo? - WHOW

Pessoas

O que a Bossa Nova pode te ensinar sobre empreendedorismo?

O que a música e o empreendedorismo tem em comum? Confira aqui os ensinamentos de Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Caetano Veloso e Toquinho

POR Redação Whow! | 04/06/2021 08h56

Por Christopher Spikes, fundador e CEO da Authen*

Sendo um americano apaixonado pelo Brasil, um dos elementos que mais me chamou a atenção quando cheguei no país foi a música brasileira. Achei interessante como os compositores romantizam a tristeza, principalmente na Bossa Nova e no Samba. Como a música é uma importante expressão cultural, ouvir composições nacionais me fizeram entender mais rapidamente como os brasileiros enxergam barreiras e nas adversidades dão lições de perseverança, superação e grit, trazendo confiança e esperança de que um dia será possível vencer.

Trouxe esses aprendizados para o meu negócio, já que ao empreender você encontra muito mais pontos baixos do que altos. E se você entender que a tristeza é natural e necessária para superar, vai aprender a apreciar os momentos de “baixa” e usá-los ao seu favor. 

Separei 4 músicas brasileiras que me ajudaram a enxergar melhor as minhas tristezas e vencer meus obstáculos como empreendedor.    

 

A felicidade por Tom Jobim

“Tristeza não tem fim, felicidade sim.”

 

Essa música me impactou muito desde a primeira vez que a escutei. A canção fala sobre a fragilidade de um dia de felicidade, que passa em uma piscada de olhos, enquanto um dia de tristeza parece ser uma eternidade. Eu entendi que é necessário exercitar a visão de que ambos são efêmeros, têm data de validade e não podem nos impactar com emoções extremas. Ganhar não significa que você está no seu melhor, assim como perder não te define como um profissional ou empreendedor ruim. Aceite o sucesso sem arrogância e deixe a fraqueza passar com uma certa indiferença, absorvendo os aprendizados para usar na sua evolução.

 

Ando escravo de alegria por Toquinho

“Ando escravo de alegria”

 

O título dessa música diz tudo. Se você está buscando empreender e precisa de alegria para seguir em frente, provavelmente, esse não é o caminho certo para você. Será necessário passar por muitos momentos de solidão, você encontrará pessoas que não entenderão  porque está arriscando tanto e passará muito tempo sentindo-se à beira do abismo.  Para não ser escravo de alegria, é preciso abraçar também as tristezas e fraquezas. Afinal, não conheço um empreendedor que alcançou o sucesso sem amar a batalha que enfrentou no caminho.

 

Samba de benção por Vinicius de Moraes

“Mas pra fazer um samba com beleza

É preciso um bocado de tristeza

É preciso um bocado de tristeza

Senão, não se faz um samba não”

 

Assim como no Samba, para construir um negócio de sucesso a tristeza também é fundamental. Muitas vezes ela é o catalisador que nos deixa um pouco desapontados com nós mesmos, trazendo maior complexidade para nossas ações e nos fazendo repensar ações e estratégias. Ou seja, a tristeza é uma verdadeira alavanca para os momentos de felicidade. Sem isso, o risco de declarar vitória cedo demais e se encontrar em uma zona de inércia é alto.

 Queremos ser empreendedores para chegar ao final e declarar vitória, mas a esperança de sair de situações difíceis, aguentar graves revés e sair mais forte, realmente, é a parte mais rica dessa experiência. E, francamente, é o que define você e a sua organização.

 

Desde que samba é samba por Caetano Veloso

“A tristeza é senhora

Desde que o samba é samba, é assim”

 

Se a tristeza é tão antiga quanto o próprio tempo, como poderia algo tão velho e natural ser desnecessário? Fracassos, contratempos e adversidades são parte do processo de formação dos humanos – especialmente dos empreendedores. 

 Tudo isso não é para dizer que nunca vamos sentir dor. Se eu falasse para você que ao colocar sua mão no fogo vai doer muito, mesmo sabendo, isso não reduziria a dor que vai sentir.  Porém, com a tristeza é diferente. Se olharmos com naturalidade e percebermos que ela é necessária para o nosso desenvolvimento e abraçarmos ela um pouco mais, vamos aceitar a riqueza desse sentimento como o par da felicidade. 

 Aprendi muito com a música brasileira através dos mestres do Samba e da Bossa Nova, que já nos mostraram o rumo para seguir empreendendo! 

 

 *Fundador e CEO americano da Authen, Christopher Spikes tem paixão de longa data pelo esporte – e pelo Brasil. Desde que fundou a marca, em 2015, conquistou rapidamente os corações (e armários!) de corredoras e atletas brasileiras de alta performance. Operador experiente de estratégia e varejo, Spikes já ocupou posições de liderança nas áreas estratégicas da Bain & Company, bem como no Groupon Brasil, apoiado pela Rocket Internet, onde conseguiu transformar uma de suas unidades com desempenho inferior.

 Christopher foi reconhecido por várias publicações – incluindo Forbes, Vogue e Women’s Health – como inovador em moda e tecnologia aplicada. Iniciou sua carreira na Siemens como engenheiro focado no setor de logística e distribuição e possui um MBA da Booth School of Business da Universidade de Chicago.