O preço que se paga por ter um negócio de capital aberto - WHOW

Eficiência

O preço que se paga por ter um negócio de capital aberto

Estudo destaca que aumentar a abrangência no mercado é um dos principais motivos para realizar o processo de IPO

POR Redação Whow! | 31/03/2021 19h13 Foto (Pixabay) Foto (Pixabay)

Metade das respostas de 51 empresas entrevistas de 12 setores diferentes, para um estudo sobre o preço que se paga por ter um negócio de capital aberto, responderam que realizaram o IPO para “aumentar a abrangência e a participação no mercado”, 70% para “captar novos recursos” e 36% com o foco em “estruturar-se para futuras fusões e aquisições”. Isso é o que indica um relatório cocriado pela consultoria global Deloitte com a bolsa de valores brasileira, a B3. Cada empresa teve a opção de escolher até cinco motivações.

Também com 36% das respostas apareceram “promover a sustentabilidade do negócio a longo prazo” e “reduzir o custo do capital”. E de acordo com o estudo, 93% das empresas participantes afirmaram que o IPO é a melhor forma de captar novos recursos.

Mais da metade dessas empresas entrevistadas realizaram a abertura de capital até 2010.

Custos em ter um negócio de capital aberto

O relatório ainda mostra os custos e benefícios que as empresas que abriam o capital recentemente possuem. Esses custos são compensados pela precificação, bem como a facilidade para obter novos aportes, segundo os dados colhidos.

Entre os maiores custos, na visão das empresas participantes do levantamento, estão: “auditoria e revisões das demonstrações financeiras”, com 67% das respostas; “taxas e custos para manutenção de registro”, com 51%; e “conselho de administração e seus comitês”, com 43%, sendo que as empresas puderam escolher os três principais setores de investimento neste processo.

“Mais da metade das empresas pesquisadas indicou que os custos recorrentes como companhia aberta não passaram de R$ 1,5 milhão por ano”, aponta o relatório da Deloitte com a B3.E os maiores gastos estão ligados à auditoria independente, taxas de manutenção, departamento de relações com investidores, governança corporativa e comunicações.

E estes custos para serem compensados pelos benefícios na abertura de capital podem demorar entre um ou mais de dois anos para 57% dos respondentes.

Entre os principais benefícios atrelados à estes custos mencionados no relatório aparecem 79% para ter “maior visibilidade no mercado”, 71% com foco em “melhoria de processos e controles”, 64% em “facilidade em captações de recursos subsequentes”, 29% para “profissionalização da administração” e 21% como foco na “maior atratividade para reter ou recrutar talentos”. Novamente, as empresas respondentes puderem escolher mais de uma resposta.

No quesito de tempo gasto até a abertura de capital, 64% das 51 empresas que responderam disseram que demorou entre sete e 12 meses e 22% responderam que levaram até seis meses.

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+NEGÓCIO

7 tendências de mudanças nos negócios
A expansão do modelo de negócio de dark stores pelo Brasil

Novos modelos de negócio na saúde: mensalidades para exames e consultas
O que são negócios exponenciais?