O mercado global de startups no setor de turismo - WHOW

Consumo

O mercado global de startups no setor de turismo

Veja onde estas novas empresas, com base tecnológica, estão hospedadas globalmente e algumas tendências já praticadas no setor

POR Redação Whow! | 29/03/2021 18h52 Foto ilustrativa (Freepik) Foto ilustrativa (Freepik)

A consultoria norte-americana para o setor de turismo Travel Tech Essentialist Advisory fez um raio-x sobre o mercado global de startups que atuam no segmento, bem como com mobilidade.

Focada nas 878 empresas da nova economia que receberam aportes entre o início de 2018 e 2021, a empresa destaca que este grupo está distribuido pelo mundo da seguinte forma: na Europa estão 316 startups; nos Estados Unidos e Canadá mais 275; na Ásia e Austrália outras 218; no Oriente Médio 30, na América Latina tem 25; e no continente africano outras 13.

Entre as cidades que mais hospedam estas startups globalmente estão: Londres, com 60, São Francisco, como 45, Nova York, com 34, Paris, com 21, e Berlin, com 20. E no quesito investidores para este ecossistema, nos EUA o destaque fica .

Já no quesito dos principais fundos de venture capital que mais investiram no período estudado pela consultoria aparecem a  Plug and Play e Y Combinador, cada uma com 11 aportes, nos EUA, e o Crowdcube com o mesmo número, mas no Reino Unido. Além disso, o estágio de investimento mais optado por estes VCs foi o de Seed, ou investimento-semente.

Segundo dados da Startupbase, plataforma de dados sobre o ecossistema brasileiro de empresa da nova economia da Associação Brasileira de Startups aponta que, hoje, existem 222 iniciativas voltadas para o setor de Eventos e Turismo.

Tendências no setor

Já no tema de tendências para o turismo a consultoria dos EUA aponta que criptmoedas e viagens intergaláticas vão estar cada vez mais presentes. A primeira empresa do setor que aceitou este modelo de pagamento, de acordo com a consultoria, foi a agencia californiana CheapAir em 2013, o que representa menos de 10% do formato utilizado pelos clientes. No entanto, a australiana Travala, fundada em 2017, reporta que US$ 700.000 do valor mensal processado é advindo de criptomoedas.

E outro aspecto mencionado pela publicação são museus com experiências imersivas, e centros com artes que possibiltam a experimentação para locais que não dependam tnato dos turistas voaram até lá. E isso vem despertando o interesse de investidores.

Startups brasileiras e internacionais de destaque no setor de turismo

Amenitiz: esta startup espanhola foca em ferramentas digitais para a hotelaria para a gestão dos negócios.

Yoti: a empresa britânica desenvolveu uma identidade digital reutilizável para smartphones que pode ser compartilhada com asorganizações na plataforma.

Smooss: a startup francesa atua com empresas de viagens, especialmente as companhias aéreas, com o intuito de aumentar a receita e melhorar a experiência do cliente por meio de soluções personalizadas no sistemas de reserva.

Maxmilhas: a empresa brasileira conecta pessoas que queiram viajar a quem deseja vender milhas.

Worldpackers: desenvolvida em São Paulo, a startup tem uma rede colaborativa para quem quer viajar e ao mesmo tempo desenvolvendo habilidades, aprender idiomas por meio de uma imersão cultural com moradores locais.

Clickbus: a plataforma brasileira possibilita permite a pesquisa e compra de passagens de ônibus rodoviário de mais de 120 empresas.

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+TURISMO

Tecnologia e turismo em tempos de coronavírus
A comercialização do espaço com o turismo espacial
Rappi ataca um novo setor durante a pandemia: o turismo