O futuro dos meios de pagamento - WHOW

Tecnologia

O futuro dos meios de pagamento

Os meios de pagamento estão ganhando uma nova roupagem. Isso pode ser notado no comportamento do consumidor atual. Entenda mais sobre o assunto aqui

POR Redação Whow! | 20/05/2021 10h03

Os meios de pagamento vêm sendo afetados pela tecnologia há um certo tempo. Atualmente podemos citar cartões de crédito e/ou débito que funcionam por aproximação e as transferências via PIX como as grandes novidades, por exemplo.

Nesse contexto, junto com todas as mudanças nas formas de pagar, surge também o novo jeito de se comportar do consumidor. Para completar, vem a pandemia acelerando este processo de transição.

Em suma, neste conteúdo, abordaremos estes assuntos, apresentando, portanto, quais as tendências para o futuro e os meios já existentes. Continue a leitura!

Pandemia acelera o uso de novos meios de pagamento

Constantemente ouvimos em nosso dia a dia frases como: é só aproximar; o PIX cai na hora. Essas duas formas de pagamento caíram no gosto de todos, sendo popular, tanto para empresas, quanto para pessoas físicas. 

Segundo dados de uma pesquisa realizada pela consultoria McKinsey & Company, só no ano passado, as transações não presenciais cresceram 32%. Nesse sentido, os pagamentos realizados por aproximação, somaram R$41 bilhões.

Acima de tudo, com o foco na prevenção contra o Covid-19 e a viabilização das compras on-line, as compras digitais cresceram em torno de 30%. 

Tipos de meios de pagamentos

Dessa forma, conheça alguns novos meios de pagamento, que se popularizaram nos últimos anos.

QR-Code

Em síntese, o QR-Code é um tipo de código que permite, dentre outras coisas, realizar pagamentos através da leitura dele por uma câmera de celular. Ou seja, para isso, é só posicioná-la frente a ele que, automaticamente, a cobrança é realizada.

Atualmente, muitas empresas utilizam o QR-Code não somente como meio de pagamento, como também para divulgar promoções e até mesmo cardápios, em locais físicos, por exemplo.

Carteira digital

Você já realizou alguma compra em um aplicativo do celular? Logo, você percebeu que só é necessário inserir os dados do cartão de crédito apenas uma única vez no aparelho?

Em outras palavras, a carteira digital é um recurso habilitado a usar os dados bancários do cliente que estão guardados em um ambiente seguro, como nos sistemas Android e IOS dos celulares. Uma vez inseridos, eles ficarão salvos. 

Assim, um número interessante em relação a este meio de pagamento é que, quem utiliza carteira digital, gasta 23% a mais do que aqueles que não têm.

Near Field Communication (NFC)

Em síntese, esse é um dos meios de pagamento semelhante ao QR-Code. Logo, no lugar da leitura de um código, a transmissão do pagamento é feita por radiofrequência. Agora, é só aproximar o celular, cartão ou até mesmo através dos relógios smartwatchs e pronto: transação realizada.

Criptomoedas

As criptomoedas são moedas virtuais, utilizadas para as transações. Ou seja, elas ficam guardadas em uma carteira digital e o valor também pode ser convertido em valor real.

Por exemplo, no Japão já é possível utilizá-las para pagamentos de compras nas lojas de aplicativos Apple Pay e Google Pay.

Pagamentos por selfie

Gosta de fazer uma selfie? Agora, basta uma delas para pagar suas compras no banco digital Neon. Então, com um cartão de bandeira Visa, os usuários já podem efetivar as transações pelo reconhecimento facial.

A Mastercard também iniciou os testes com as selfies, nesse sentido, por meio de um aplicativo que reconhece e confirma os traços faciais de uma pessoa.

Biometria

A biometria já vem sendo utilizada como meio de reconhecimento de identidade em vários tipos de negócios. Portanto, planos de saúde e academias são exemplos de empresas que já fazem o uso do recurso.

Definitivamente é considerado um dos meios de pagamentos mais seguros. Visa e Mastercard já desenvolveram e seguem testando a identificação biométrica para a realização de transações.

Case PIX: revolução bancária

Agora um sonho que virou realidade: realizar transferências e pagamentos entre qualquer banco, a qualquer hora do dia, sem pagar NADA, sem utilizar maquininhas e menos de 10 segundos: este é o PIX.

Nesse contexto, desenvolvido pelo Banco Central, este meio de pagamento começou a valer em novembro de 2020. Em menos de dois meses, em dezembro, o PIX já contava com 133.877.957 chaves cadastradas, segundo o BC.

Ou seja, o PIX se mostra como um dos meios de pagamento mais vantajosos. Com ele,  aumenta-se a competitividade entre as instituições financeiras, no que diz respeito a oferecer maior agilidade e facilidade para os consumidores. É mais simples, rápido e tem o total de zero custo, em relação a outras formas de pagamento.

Os lojistas também aprovaram a ideia. Com o Pix, é possível receber o pagamento de forma imediata, diferente do uso dos cartões de crédito, por exemplo.

Contudo, isso não significa dizer que, apesar do grande número de adesão ao PIX, todos os pagamentos serão feitos dessa forma. Ainda há uma grande parcela, mais da metade dos consumidores, que realiza os seus pagamentos via cartão de crédito.

Previsões para o futuro

Logo, a evolução na forma de consumir não para por aqui e a tendência é mais facilidade e agilidade com:

  • carteiras móveis,  que permitam qualquer tipo de compra e pagamento;
  • aplicações de IOT, ou Internet das Coisas: já pensou em realizar um pagamento com a sua geladeira?
  • uso menor de Papel-moeda e cartões de plástico;
  • aumento dos pagamentos por voz;
  • reforço da segurança dos pagamentos, com a aplicação de Inteligência Artificial e Aprendizado de Máquina, que darão reforço a autenticação biométrica.

A dica da Whow para quem está em dúvida em qual tipo de meio de pagamento utilizar é: conheça o seu cliente

Portanto, dependendo do tipo de negócio, pode não fazer sentido aceitar o pagamento em espécie, da mesma forma que não aceitar o PIX pode fazer uma empresa perder vendas.

Gostou do conteúdo da Whow? Para recebê-los em primeira mão, assine agora mesmo a nossa newsletter gratuitamente!