WHOW

Web Summit: Novidade nas oportunidades de inovação da Philips e Citi durante a crise

Philips Imagem Artem Bryzgalov Unsplash capa

Imagem Artem Bryzgalov: Unsplash

Quais as oportunidades que a crise traz e o porquê as empresas deveriam priorizar a inovação neste momento. Esse foi o tema de uma das palestras do Web Summit, evento global de inovação e negócios, que normalmente acontece em Portugal e este ano foi digital.

Como todos os setores tiveram que se adaptar à nova realidade, é fundamental que se incentive o pensamento criativo entre os funcionários e que as companhias forneçam a eles o espaço que precisam para desenvolver novas soluções. 

Jeroen Tas, da Philips, comentou sobre as inovações que a companhia promoveu neste tempo de pandemia. “Eu vejo um tremendo impulsionamento da inovação”, afirma. “O que nós criamos em nove meses, novos ventiladores e soluções virtuais de cuidado, entre outras coisas.” Isso tudo, segundo ele, graças à colaboração. “Trabalhamos juntos de forma diferente. Antes da Covid-19, as pessoas consideravam a competição antes da parceria. Agora não. Espero que isso continue, uma forma mais colaborativa.”

Nova forma de inovação na Philips e Citi

A multinacional holandesa, uma das líderes globais em tecnologia de saúde, anunciou durante a pandemia o lançamento de seus serviços de cibersegurança  para integração e aprimoramento de soluções de segurança estratégica para seus clientes. Chamado de Philips Cybersecurity Service, compreende um conjunto de tecnologias ponta a ponta e serviços para proteger os sistemas médicos dos clientes, dispositivos e soluções de software relacionadas, independentemente do fabricante, ajudando na transformação digital na área de saúde.

Dentro do espírito colaborativo mencionado por Tas, a plataforma foi criada em parceria com clientes de saúde, que ajudaram a definir e implementar softwares estratégicos e táticos para proteção dos dispositivos. O serviço será inicialmente implementados nos Estados Unidos, com expansão para outros locais em 2021.

Vanessa Colella, do banco Citi, que também participou da apresentação, comentou que a pandemia ensinou a todos que as mudanças podem acontecer muito rapidamente, e não apenas mudanças tecnológicas, mas também de comportamento. “É nosso trabalho continuar descobrindo novas soluções”, diz.

A executiva falou ainda que viu, durante a crise, indivíduos e empresas agindo de forma diferente, entendendo realmente os desafios e colaborando. “Todos vimos a necessidade neste ano e trabalhamos juntos para atender as demandas.”

O Citi, junto com sua fundação, a Citi Foundation, se comprometeu com mais de US$ 100 milhões em apoio aos esforços de recuperação econômica e de alívio comunitário relacionados à Covid-19 em todo o mundo. Isso inclui mais de US$ 35 milhões em novos financiamentos, que se somam aos US$ 65 milhões anunciados anteriormente em subsídios e contribuições de caridade para apoiar a recuperação econômica de longo prazo em comunidades afetadas pela pandemia global.

Essas contribuições incluem US$ 2 milhões originários de funcionários do Citi por meio de um programa de equiparação de doações.

 

* A repórter assisti ao evento a convite da MD | Make a Difference.


+NOTÍCIAS

Mediação do Banco Central na batalha entre bancos e fintechs
Entenda as perspectivas da chegada do Open Banking no Brasil
As novas oportunidades de negócio com o Pix
Pix e fintechs: veja as ações de novos players na revolução bancária

Sair da versão mobile