Marc Randolph, cofundador da Netflix, é um empreendedor serial. Os detalhes sobre sua caminhada no mundo dos negócios ensinam como é inovar na prática. Confira

Já pensou em criar uma empresa inovadora como a Netflix? Parece difícil. E a jornada não é mesmo tão simples, mas não é nada impossível. Esta é a visão do co-fundador da Netflix, Marc Randolph, que hoje é investidor-anjo e lidera várias iniciativas de empreendedorismo.

A história da maior companhia de streaming no mundo é conhecida por todos, mas o homem por trás dessa história não é tão conhecido assim. Randolph é um empreendedor serial: teve seis negócios antes da Netflix e, após sair da companhia, em 2004, criou outra empresa, além de ser mentor de uma centena de startups.

Compre agora seu ingresso do Whow! Festival de Inovação!

O empreendedor contou a trajetória de criação de uma das empresas mais inovadores do mundo durante o Vtex Day, evento de negócios digitais que aconteceu em São Paulo. “A primeira coisa a se pensar é que você não precisa estar no Vale do Silício para criar uma empresa inovadora”, contou.

Outro ponto, segundo o executivo, é que o empreendedor não precisa de um treinamento especial para construir um negócio inovador e também não precisa ser esperto. “Fui esperto? Não. Mas fui persistente.”

Randolph afirma que, ao longo da trajetória de empreendedor, o que valeu foi a persistência em encontrar uma ideia que funcionasse. E como fazer isso? Ele contou as estratégias que usou – e continua usando.

Como encontrar “a” ideia?

Como as ideias surgem? Para Randolph, é preciso olhar novas tecnologias, mobilidade, internet das coisas, tendências, novos modelos de negócios colaborativos, etc. Mas é preciso mais: “Você precisa encontrar uma dor. É preciso treinar seu olhar para ver as imperfeições do mundo, mas não apenas grandes problemas globais, mas sim problemas diários, ligados a sua rotina, seu dia a dia. É assim que as ideias surgem”, explicou o empreendedor.

Outro passo é observar a vida útil dessa ideia. Segundo o empreendedor, metade da vida útil dessa ideia se esvai em 24 horas. Nas próximas 24 horas, a outra metade vai embora, se a ideia não valer a pena. “Se ela persistir, pode ser aquela grande ideia”, diz.

A Netflix nasceu assim, mas de forma ativa e persistente. Ele e alguns amigos começaram uma empresa de software, que foi comprada por uma grande corporação. Depois dela, queriam criar algo inovador. “Quando tivemos a ideia, o primeiro passo foi testá-la. Para isso, vimos quais tipos de filmes seriam interessantes, quanto custaria o serviço, quantas pessoas poderiam usar”, conta.

Quando tiveram a ideia de enviar DVDs por correio, os empreendedores decidiram tanto vender como alugar os filmes. Naquele momento, já identificaram gargalos. “A boa noticia é que a gente tinha muitas centenas de dólares em vendas, mas a má noticia é que estávamos vendendo DVD’s, algo que todo mundo fazia”, conta. Decidiram, então, focar o negócio no aluguel de DVD’s. “Estávamos desesperados para tornar essa ideia realidade. Eu era perfeccionista”, disse.

O que você precisa para inovar?

Se não é preciso estar no Vale do Silício para inovar, ou sequer é preciso ter um treinamento especial ou ser esperto, o que é preciso, então, para criar um negócio inovador? A ideia, como se viu, é importante. “Mas não precisa ser uma grande ideia, uma ideia original, tampouco complicada, porque não é sobre ter boas ideias apenas, mas sobre construir um sistema e uma cultura de testar as ideias o tempo todo”, contou.

A esse sistema de testes utilizado pelo empreendedor serial ele deu o nome de “validation hacking”, que nada mais é testar algo sem efetivamente testar. Ele deu um exemplo: um amigo, certa vez, teve a ideia de entregar bebidas alcoólicas na casa dos clientes. Antes de efetivamente criar o negócio, ele imprimiu alguns cartões de visita e entregou a possíveis clientes. Ele testou a demanda antes mesmo de criar o negócio.

A persistência e a tolerância ao risco são características essenciais para criar negócios inovadores, principalmente porque, em algum momento, alguém vai dizer que aquilo não vai funcionar. “Minha esposa achava a ideia da Netflix estúpida”, contou.

“Ninguém sabe de nada”

Ao longo de sua trajetória como empreendedor, Randolph carregou uma frase do escritor norte-americano William Goldman: “ninguém sabe de nada”. “Isso é verdade em todos os lugares. É preciso acreditar na sua ideia e, sobretudo, arriscar e fazer alguma coisa, tentar alguma coisa. Use todo o tempo que você vai perder para tentar saber se a ideia é boa ou não, a colocando em prática”, conta.

“Acima de tudo isso, você deve ter confiança.”