Mercado de alimentação saudável: do pequeno ao grande - WHOW

Consumo

Mercado de alimentação saudável: do pequeno ao grande

O mercado de alimentação saudável cresceu muito nos últimos anos. Veja alguns números do setor, entenda o conceito de B Corp e como empreender na área

POR Redação Whow! | 07/05/2021 12h18

A preocupação com a saúde passou a ser uma das prioridades para os brasileiros e isso tem sido evidenciado, principalmente, pelo consumo alimentar. Mais do que isso, podemos confirmar esse novo hábito pelo grande crescimento do mercado de alimentação saudável no país.

Porém, essa mudança alimentar não começou em plena pandemia. O estudo Estilos de Vida 2019, da Nielsen, já havia  apontado “uma relação muito mais holística com a saúde e o meio ambiente, o que vem sendo refletido nas estratégias e nas vendas da indústria e do varejo brasileiro”.

Dessa forma, se de um lado tem-se consumidores em busca de um novo estilo de vida, do outro, temos a indústria, buscando adaptação a esta nova forma de consumo. Além disso, existe uma terceira ponta, na qual existem novas possibilidades e crescimento no mercado.

Neste conteúdo, sobre o mercado de alimentação saudável no Brasil, veja como as startups e B Corps estão revolucionando, como as grandes empresas estão se posicionando e como empreender diante deste novo cenário. Continue a leitura!

O Mercado de alimentação saudável no Brasil 

A busca pela saúde fez com que os consumidores buscassem opções alimentares saudáveis no último ano e que, de preferência, contribuíssem para o fortalecimento da imunidade. Na mesma proporção, houve um crescimento no interesse por produtos que tenham como atributo o fortalecimento da imunidade.

Entretanto, como já mencionado, não foi apenas a pandemia que tornou este mercado mais promissor. Segundo o Sebrae, o setor de alimentação saudável cresceu 98% nos últimos anos, o que é resultado da priorização da saúde e do bem-estar na vida dos brasileiros.

Então, quais foram os principais motivos para tal mudança, com exceção da pandemia?

Aí vão os principais:

  • abandono parcial ou completo do consumo de carnes e derivados, tanto por questões de saúde quanto ideológicas;
  • conscientização de alimentos de origem animal podem ser prejudiciais também ao planeta;
  • prevenção das doenças associadas à alimentação rica em conservantes e calorias.

Junto com isso, temos também o fato de que tanto no Brasil e até mesmo no mundo, este mercado ainda não está tão aquecido, o que se traduz em faltas de opções, configurando um campo promissor para investimentos no setor. Nesse sentido, as B Corps e startups saem se destacam.

O que são B Corps?

O match lucro e propósito é o que melhor define as B Corps ou AB Corporation, conceito criado em 2006 nos Estados Unidos.

Tratam-se de empresas com fins lucrativos que atendem aos mais altos níveis de padrões de desempenho em responsabilidade social e ambiental, em termos  de lucro e propósito e transparência. No mundo, há aproximadamente 3.500 Corps certificadas em 70 países. 

As B Corps estão focadas em algo muito maior que o lucro e contribuem para o movimento global de pessoas que usam o dinheiro de negócios lucrativos para impulsionar mudanças em setores específicos da economia.

Mas, sabe-se que não adianta apenas focar no que se entrega ao público. As B Corps também impactam funcionários, parceiros e fornecedores. Como afirma o site da B Corporation no Reino Unido , “A comunidade B Corp trabalha para reduzir a desigualdade, reduzir os níveis de pobreza, um meio ambiente mais saudável, comunidades mais fortes e a criação de mais empregos de alta qualidade com dignidade e propósito.”

Alguns exemplos de B Corps de alimentos:

  • A Amy’s Kitchen oferece comidas sem glúten, veganas e vegetarianas para todos. Todas elas, deliciosas;
  • A Rebbl tem a missão de fornecer bebidas feitas com ingredientes vegetais puros, não OGM, com super ervas;
  • Purely Elizabeth é uma mistura de granola rica em nutrientes, aveia que incorpora ingredientes limpos, sem glúten, veganos, não OGM e sem aditivos, como grãos antigos, açúcar de coco, óleo de coco virgem bruto, óleo MCT e reishi.

Como startups e B Corps estão revolucionando o mercado de alimentação saudável

As B Corps não são apenas empresas com um certificado e sim, organismos fundados por pessoas comprometidas em realizar mudanças positivas na comunidade. 

Assim,  tanto B Corps, como também pequenas startups,  perceberam que as mudanças que estão ocorrendo não são somente de consumo e sim, de valores. 

O que estão fazendo as grandes empresas do ramo alimentício para se adequar?

As empresas focadas em alternativas mais saudáveis estão ganhando força, o que fazem então, neste panorama, as indústrias de alimentação em geral?

Para acompanhar o ritmo do mercado, as empresas que não são focadas em alimentos 100% saudáveis e tão benéficos estão desenvolvendo ações que, de certa forma, “confortem” os consumidores.

Uma delas, é o investimento em rotulagens mais claras dos produtos, com detalhamento das informações nutricionais pode ser uma estratégia para conquistar mais clientes e vencer a concorrência. 

Atentos a todo este  movimento de alimentação saudável, os fabricantes têm trabalhado na diversificação dos seus  portfólios, com foco na redução de ingredientes como sal, açúcar e gorduras, além de investir na oferta de porções menores para alguns produtos. 

Outras novos nichos de mercado também começam a se destacar, de modo a atender necessidades específicas de consumo, como por exemplo o mercado de proteínas, o que resultou em um crescimento forte em marcas de iogurtes, por exemplo.

Como empreender no mercado de comidas saudáveis?

De acordo com um estudo realizado pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), os restaurantes desse segmento chegam a crescer mais de 20% ao ano.

Porém, nem todo mundo que consome ou que tem vontade de consumir produtos mais saudáveis tem habilidades com este tipo de culinária. Neste cenário, o delivery, que já havia crescido na pandemia, aliado aos kits de assinatura de refeições aparecem como boas opções.

No conceito do modelo de assinaturas alimentares, o cliente faz uma assinatura e recebe em casa uma caixa, com os ingredientes que precisa para fazer determinada receita (in natura ou pré-preparados).

As assinaturas alimentares também são uma boa alternativa para quem precisa reduzir custos e remodelar o negócio. Além disso,  esse serviço oferece aos consumidores a experiência de cozinhar seu próprio alimento. 

Hoje, com escolhas alimentares mais conscientes, as pessoas passam a incluir em suas vidas cada vez mais alternativas naturais.

Em 2021, a tendência é que a busca  pelo estilo  de vida saudável continue em alta, proporcionando novas oportunidades de negócio e mais saúde à toda comunidade.

Gostou desse conteúdo? Aproveite para assinar nossa newsletter e sempre ter acesso a dicas importantes para aprimorar esse processo!