Mercado de Agrotech cresce no Brasil - WHOW

Tecnologia

Mercado de Agrotech cresce no Brasil

Conheça um pouco mais do mercado de agrotechs, veja alguns números e impactos da tecnologia no mundo do agronegócio

POR Redação Whow! | 17/05/2021 13h08

Afinal, o slogan: Agro é tech, agro é tudo faz sentido? A tecnologia chegou no campo e tem agrotech por aí com IPO na bolsa de Chicago. Entenda mais sobre o conceito, tipo de negócio e veja as 10 principais atividades desenvolvidas pelas startups no setor.

O que é agrotech? (conceito, ambientação social e econômica, quais problemas do agro veio para resolver)

Agrotechs são startups que promovem a revolução digital no agronegócio – agricultura e pecuária, independente de ser em pequena ou grande escala. Ou seja, apesar de ser um setor novo no mercado, atualmente no Brasil já existem 300 empresas desse tipo

Nesse sentido, segundo o  2º Censo AgTech de Startups Brasil 74% delas estão concentradas em São Paulo, Minas Gerais e Paraná. 

Em qualquer setor, a tecnologia favorece os ganhos em relação à produtividade e agilidade nos processos, resolvendo antigos problemas com soluções inovadoras. Antes, as pragas destruíram plantações inteiras e animais morriam sem qualquer explicação, por exemplo. 

Hoje, a tecnologia no agronegócio consegue mapear esses problemas antes de prejuízos fatais como estes. As soluções mais comuns podem envolver, até mesmo,  robótica e internet das coisas.

Em síntese, atualmente há diversos exemplos da aplicação de tecnologias no setor como: sensores de alta tecnologia, mapeamento de áreas por satélite, pulverização por drones e de alta precisão, inteligência artificial para cuidado com o rebanho.

Afinal o que é o Agronegócio?

O termo engloba todo contexto da produção agropecuária: insumos, serviços, técnicas agrícolas e toda rotina de criação de animais.

Vale ressaltar que o agronegócio representa 20% do PIB do Brasil, sendo responsável por 50% das exportações no país. O resultado disso é que o setor hoje é considerado um dos mais importantes da economia brasileira.

Tecnologia no agronegócio e pandemia

Ao passo que a pandemia causou impactos negativos em todos os setores, para o agronegócio não houve grandes perdas de produção. Para entendermos esse conceito devemos considerar que o ciclo agro gera pouca aglomeração, portanto houveram menos restrições nesse sentido. Prova disso é a expectativa de crescimento do setor, que está girando em torno de 2,5%.

Startups agrotech

As chances de obter sucesso no setor agro são altas no país. Como resultado, uma startup brasileira será apresentada ao mercado global pelo dono da Bolsa de Chicago, o CME Group. A empresa Grão Direto é  líder em negociação digital de commodities.

Um outro dado interessante é o crescimento da quantidade de lideranças femininas no setor e a adoção do blockchain.

É nesse contexto que as startups desenvolvem mas, embora trazendo inovações para o agronegócio, também sofrem com dificuldades de investimento. De acordo com Censo Agtech, 50% das startups que foram ouvidas consideram a captação do dinheiro “difícil” ou “muito difícil” e 30% não receberam nenhum investimento para alavancar as suas ideias.

A resistência à inovação, em um setor com uma visão tão tradicional, acostumado a seguir um ritmo menos acelerado, é outro desafio a ser enfrentado.

8 atividades mais comuns das agrotechs 

Portanto, veja agora 8 atividades principais desenvolvidas pelas agrotechs.

1. Agropecuária de precisão

A agricultura de precisão compreende todas as práticas que utilizam a análise de dados de amostras georreferenciadas, a geoestatística, para melhorar as condições naturais cultivo, de forma química, física ou biológica. A CIBO Technologies é uma startup com esse tipo de atividade.

2. Controle biológico

O controle de pragas sempre foi um desafio para o agronegócio e várias agrotechs estão investindo nesta área. A Embrapa Soja, em 2019, por exemplo, selecionou no Open Innovation para Startups, três projetos ligados a este tipo de atividade. Dessa forma, essas startups comercializam variantes químicas e biológicas para combate de pragas e doenças, a serem utilizadas no lugar dos agentes químicos.

3. Diagnóstico de imagem

Aqui, encontramos as empresas que desenvolvem plataformas capazes de identificar padrões por meio da espectrometria, ou seja, análises ópticas precisas em termos biológicos e físico-químicos. 

4. Economia compartilhada

A Agrishare é uma startup desse tipo de negócio, cujo qual disponibiliza aluguéis de equipamentos e maquinários para os produtores rurais.

5. Fertilizantes, inoculantes e nutrientes

A InCeres é um exemplo desse tipo de startup, que  desenvolve soluções digitais para o monitoramento da fertilidade do solo e aumento da produtividade agrícola. Os principais objetivos são melhorar o crescimento, desenvolvimento e imunidade das plantas.

6.  Genômica e Biotecnologia

Startups desse tipo desenvolvem tecnologia de substâncias biológicas para o melhoramento genético das plantas. A Zeakal é um exemplo.

7. Gestão de resíduos e água

Bem como, melhorar a gestão dos recursos naturais e do descarte de resíduos é uma das preocupações constantes no setor do agronegócio. É nesse meio que várias startups estão surgindo. A Nucleário é uma dessas iniciativas, que visa baratear os projetos de reflorestamento e aproveitamento da água da chuva.

8. Internet das Coisas (IoT) no agronegócio

Como já mencionado, a maioria das agrotechs utilizam IoT em suas soluções. Podemos citar, nesse caso, aparelhos e equipamentos capazes de comunicar-se entre si.

Mercado de agrotech cresce no Brasil 

Ou seja, o aumento da produtividade e a implantação de novas tecnologias puxaram o crescimento do mercado agrícola no Brasil. As agrotechs estão acelerando este movimento. Essas empresas atendem principalmente o mercado nacional e, mais da metade delas, tem até 50 clientes. Em maioria, eles são produtores rurais e prestadores de serviços, de soja, milho, pecuária, cana-de-açúcar e café.

Ainda de acordo com o Censo Agtech, 70% das startups de agronegócios brasileiras consideram que suas soluções têm um nível alto ou altíssimo de disrupção. Além disso, mais da metade das soluções que proporcionam são de replicação intermediária muito fácil.

De acordo com mapeamento da SP Ventures, maior investidora em agrotechs brasileiras, o maior volume de investimento alocado em startups agro está em estágio avançado, o que sugere o amadurecimento do mercado. Gostou do nosso conteúdo? Assine então agora mesmo a nossa newsletter gratuitamente e receba todos eles diariamente, em primeira mão!