O mercado bilionário das tecnologias a favor da acessibilidade - WHOW
Tecnologia

O mercado bilionário das tecnologias a favor da acessibilidade

Tecnologias assistivas vão atingir uma relevância de US$ 26 bilhões de dólares até 2024. Saiba como as startups podem participar desta fatia

POR Carolina Cozer | 14/08/2019 14h47 O mercado bilionário das tecnologias a favor da acessibilidade

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, há 1 bilhão de pessoas com necessidades especiais no mundo, ou seja, 1 em cada 5 pessoas se encaixa em algum tipo de deficiência. Sim, isso é praticamente o tamanho da população da China. Ainda assim, a maior parte das novas tecnologias disponíveis não são pensadas para essa porcentagem enorme da população.

ATUALMENTE EXISTEM 1 BILHÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS NO MUNDO

Um dos grandes propósitos das startups é trazer soluções novas para problemas reais. Mas ainda existe um grande estigma em cima de empreendimentos com foco em pessoas com deficiência, porque são projetos sociais, e como tal, não poderiam ser capitalizados.

Contudo, muitas startups têm ido na contramão, entendendo que esse tipo de negócio não é apenas um grande fator de inclusão e melhoria na vida de seus usuários, mas também de extrema relevância e necessários para a geração de emprego, PIB e arrecadação tributária no país, além de ajudar a democratizar e difundir a tecnologia.

Algumas startups relevantes no segmento de inclusão

Analistas do setor de tecnologia assistiva prevêem que o mercado global da área alcançará US$ 26 bilhões até 2024, quase dobrando os US$ 14 bilhões de 2015, com uma taxa anual de crescimento de 7.4%.

Remarkable Accelerator

É uma aceleradora australiana que fez parceria com a Microsoft local para patrocinar startups que desenvolvem projetos de inteligência artificial que tenham foco em pessoas com deficiência. Até agora 26 empreendimentos já saíram do papel com a ajuda da aceleradora, que continua buscando parceiros nas áreas de inclusão social e profissional, independência, bem-estar pessoal, bem-estar físico e aprendizado de pessoas com deficiência.

Livox

Recebeu R$ 2,2 milhões do Google para aprimorar o seu software de comunicação para pessoas com dificuldade na fala. O projeto foi premiado pela ONU como a melhor tecnologia inclusiva do mundo, e já ajudou milhares de pessoas com autismo, paralisia cerebral e AVC a se comunicarem melhor. As Apaes (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) de São Paulo fecharam uma parceria com a empresa e estão com o aplicativo em funcionamento em 22 unidades.

Amparo Prosthetics

Vencedora do Prêmio Especial de Inovação para Deficiência de 2019, tem provido próteses de custo acessível em áreas remotas do planeta. Através do processo de Design Thinking, a startup conseguiu não apenas projetar um novo tipo de prótese, mas também criar uma solução para os amputados em áreas rurais africanas que não têm acesso a exames médicos regulares e visitas a hospitais. A Amparo tem a ambição de capacitar 90% dos 20 milhões de amputados do mundo nos próximos anos.

Tecnologia assistiva X Tecnologia acessível

A tecnologia assistiva é aquela projetada com fins específicos de servir à independência da população com deficiência, como as cadeiras de rodas, por exemplo. Sim, a cadeira de rodas. Engana-se quem pensa que toda a tecnologia assistiva é high tech. Um simples pedaço de papelão com texturas diferentes, para o aprendizado e comunicação de pessoas cegas, é o suficiente para ser considerado uma tecnologia assistiva.

Já a tecnologia acessível tem em mente o uso massivo da população, por isso, acaba sendo funcional a múltiplos perfis de usuários. Um exemplo clássico são os audiolivros, que são consumidos tanto por leitores ouvintes quanto surdos

  • Computadores, teclados e todo tipo de hardware com finalidades especiais
  • Próteses e aparelhos de posicionamento de tronco e cabeça
  • Dispositivos apontadores “hands-free”
  • Leitores de tela e programas de comunicação.
  • Softwares educacionais
  • Elevadores elétricos
  • Lupas e dispositivos ópticos
  • Design e produção de rampas e plataformas acessíveis
  • Projeções e aplicativos de auxílio de mobilidade
  • Adaptação de veículos
  • Sistemas de controle de ambiente
  • Psicólogos
  • Médicos
  • Designers
  • Engenheiros de TI
  • Arquitetos
  • Programadores
  • Enfermeiros
  • Construtores civis
  • Educadores
  • Fonoaudiólogos
  • Terapeutas ocupacionais
  • Narradores, dubladores e intérpretes
  • Técnicos de diversas áreas

+STARTUPS

Startups se mostram otimistas com o futuro, segundo pesquisa
Conheça os dados e obstáculos do empreendedorismo e da inovação no Brasil, segundo o IBGE
Saiba como criar um corporate venture capital na sua empresa, segundo a 500 Startups
Como a startup 321Beauty planeja ajudar 2 mil profissionais de beleza no Brasil