Voluntários estão imprimindo máscaras em impressoras 3D para doar a hospitais - WHOW

Tecnologia

Voluntários estão imprimindo máscaras em impressoras 3D para doar a hospitais

Brasileiros estão “hackeando” a pandemia ao produzirem máscaras gratuitas para os setores de saúde, através de impressoras 3D

POR Carolina Cozer | 01/04/2020 12h29 Arte Grupo Padrão (Giovana Sorroche) Arte Grupo Padrão (Giovana Sorroche)

Através da inovação, voluntários brasileiros estão usando suas impressoras 3D para desenvolverem máscaras e escudos faciais para o setor da saúde, ajudando no combate à COVID-19. A Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu alertas de escassez de equipamentos de proteção para profissionais que estão trabalhando com infectados pelo coronavírus. Como consequência, há muitos trabalhadores de hospitais entre as estatísticas fatais da pandemia.

Iniciativa une voluntários à unidades de saúde

Para ajudar com esse problema, o projeto Cada Impressão Conta está conectando pessoas que tenham impressoras 3D a unidades de saúde públicas e privadas que estejam precisando de doações de materiais – ou que possam ajudar na sua distribuição.

O projeto surgiu através de iniciativas da sociedade civil na Itália, onde impressoras 3D foram usadas para fazer respiradores e ventiladores aos hospitais, cuja urgência não poderia ser preenchida pela indústria local.

No Brasil, a iniciativa está sendo divulgada pela e-NABLE Brasil, comunidade de voluntários dedicada à fabricação próteses feitas em impressoras 3D para pessoas com deficiência.

Máscaras levam cerca de duas horas para ficarem prontas

O servidor público Luis Eneas Chiocchetti Guarita, de São Paulo, é um dos participantes da iniciativa, e contou ao Whow! alguns detalhes do projeto.

Ele diz que, antes, utilizava a impressora 3D como hobby, produzindo e vendendo estatuetas feitas no próprio aparelho. Em período de recesso profissional, Luis Enéas viu no tempo livre uma possibilidade de auxiliar na fabricação de máscaras. Elas serão encaminhadas em doação para o Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de São Paulo (IAMSPE).

Luis Enéas explica que as máscaras produzidas por ele são feitas de PLA, material biodegradável usado como insumo em impressoras do tipo FDM (depósito de filamento fundido). “Também pode ser usado o PETG, ABS e outros filamentos que derretidos podem ser manipulados por uma extrusora que funciona nos três eixos X, Y e Z, em uma mesa móvel”, esclarece em detalhes técnicos.

A produção de cada máscara leva cerca de duas horas, com custo final de três reais por produto. Veja como elas ficam durante o processo de fabricação:

impressoras 3D

impressoras 3D

“O custo médio, sem material, deve estar por volta de três reais por máscara. Envolve o substrato PLA, energia de impressão (praticamente zero por máscara), o acetato, dois elásticos e o saco protetor”

Luis Enéas Guarita, voluntário na produção de máscaras em impressora 3D

Embora ele não saiba responder quais as legislações para a manufatura desse tipo de produto, as instruções foram passadas por líderes das redes de voluntários. “Temos depoimentos de vários hospitais recebendo essa máscara nesse material”, diz, deixando claro que utiliza luvas e álcool durante a manipulação das matérias-primas.

Apesar dele não ter o registro de quantas pessoas estão atuando, hoje, neste projeto no país, o grupo de Facebook de impressores 3D tem em torno de dez mil membros.


+SAÚDE

Impressoras 3D podem salvar ecossistemas marítimos
Startup e impressora 3D podem proporcionar vida em Marte
Gestão da inovação: como manter um ambiente favorável às novas ideias
Museu na Alemanha apresenta tendências para vida no futuro