Mais de 70% das startups brasileiras nunca receberam investimento, aponta estudo - WHOW

Eficiência

Mais de 70% das startups brasileiras nunca receberam investimento, aponta estudo

Ainda assim, mercado de venture capital no país está amadurecendo e 2020 foi ano com maior volume de aportes já registrados. Veja os detalhes

POR Adriana Fonseca | 16/12/2020 10h00 Imagem: Pixabay Imagem: Pixabay

As startups brasileiras, em sua maioria, começam sem um aporte externo de capital. É essa a constatação do Mapeamento de Comunidades 2020, feito pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups), entidade sem fins lucrativos que representa o ecossistema. Segundo o levantamento, 73,8% destas empresas do país não receberam investimentos ou incentivos financeiros desde a sua fundação. Na região Nordeste, a porcentagem dos negócios que nunca recebeu investimentos sobe para 79,7%  o maior número se comparado com as demais regiões do país.

Entre as startups que conquistaram aportes financeiros, 41,5% vieram de investidores-anjo, 28,4% foram de capital semente e 21,5%, de aceleradoras. Também aparecem nessa lista, com menor participação, as rodadas de investimento série A, B e C. 

Em relação à origem dos investimentos, 43,6% vieram de investidores locais, 26,8% tiveram origem em outro Estado, 21,9% vieram do mesmo Estado e apenas 7,7%  são de origem internacional. A maioria dos negócios de inovação no Brasil (51,5%) também não foi incubada, acelerada ou pré-acelerada.

O relatório da Abstartups foi realizado entre maio e setembro de 2020 com dados do Startupbase, a base de mais de cinco mil startups associadas da associação. 

Venture capital vem se consolidando nas startups brasileiras 

Ainda que boa parte das startups brasileiras nunca tenha recebido aportes externos de capital, o mercado de venture capital em 2020 no Brasil foi positivo. 

Em março, quando o coronavírus chegou ao país, houve uma queda brusca nos investimentos, chegando a 85% menos na comparação com março de 2019. Mas em junho os investimentos começaram a acelerar novamente.

De janeiro a outubro de 2020, o volume investido em empresas de inovação no país foi de US$ 2,49 bilhões, 3% a mais do que no mesmo período de 2019, segundo dados compilados pela Distrito. Durante todo o ano passado, as startups brasileiras receberam US$ 2,95 bilhões em aportes. Somente o Softbank investiu US$ 1,3 bilhão em Gympass, QuintoAndar, Loggi, VTEX e Olist. 

Em 2020, das 338 captações realizadas até outubro, 292 foram em startups com pouco tempo de vida, em busca de capital anjo, pré-semente ou semente. As fintechs receberam a maior quantidade de aportes, com 70 rodadas e mais de US$ 1 bilhão em investimentos. Na sequência aparecem as retailtechs, do varejo, com 32 aportes e US$ 274 milhões. 

Entre as fintechs, destaque em 2020 para os aportes realizados nos bancos digitais Neon e Nubank. Cada um recebeu investimentos de US$ 300 milhões. 

As aquisições de startups também estiveram em alta em 2020 – foram 100 até setembro, superando os anos de 2018 e 2019. 

investimentos


+INVESTIMENTO EM STARTUPS

16 aportes e 12 aquisições em novembro
38 aportes e 7 aquisições em outubro
17 aportes e 11 aquisições em setembro
24 aportes e 12 aquisições em agosto