De macacos transgênicos a clonagem, bioética pauta limites da vida humana - WHOW
Tecnologia

De macacos transgênicos a clonagem, bioética pauta limites da vida humana

Polêmicas como o uso da maconha para fins medicinais, religião, morte e clonagem estão na pauta de discussão sobre bioética

POR Gabriely Souza | 01/10/2019 14h44 De macacos transgênicos a clonagem, bioética pauta limites da vida humana Foto Pixabay Robbie (Rossthe)

Testes de novos fármacos, modificação genética e clonagem, a bioética lida com questões que debatem a moral em relação ao limite da vida, da pessoa humana e da inovação na Ciência.

A pesquisa publicada em março desde ano sobre o caso da criação do macaco-rhesus, que foi modificado com genes do cérebro humano, na China, foi criticada e levantou polêmica com o argumento que os ganhos científicos não justificam a criação de macacos que poderiam acabar aproximando-se da inteligência humana. 

Os macacos transgênicos foram gerados a partir do gene MCPH1, que desempenha um papel importante no desenvolvimento cerebral humano. Segundo a revista MIT Technology Review, para realizar a experiência, os pesquisadores realizaram uma exposição dos embriões dos primatas a um vírus que carregava o MCPH1. 

bioética Foto (Pixabay)

Princípios e limites da bioética

De acordo com a doutora Cilene Rennó Junqueira, professora de Odontologia e especialista no tema, a pauta da bioética é a vida humana. Em seu curso sobre o assunto, a professora afirma que há, dentro desse fundamento, três princípios.

Primeiro a questão da beneficência, ou seja, do benefício ao Homem. No caso do experimento chinês, o objetivo era o estudo do funcionamento cerebral.

Outro preceito é a capacidade de autodeterminação de uma pessoa. “Para que o respeito pela autonomia das pessoas seja possível, duas condições são fundamentais: a liberdade e a informação”, afirma a professora em seu livro do curso de Bioética da UNA-SUS. O limite do uso da cannabis pauta esse princípio.

O uso da maconha para fins medicinais também se encontra no princípio da justiça. “É preciso respeitar com imparcialidade o direito de cada um. incorpora-se a ideia de que as pessoas são diferentes e que, portanto, também são diferentes as suas necessidades”, escreve Cilene.

bioética Foto (Pixabay)

Polêmica e conflitos morais 

“A Bioética é recheada de temas polêmicos e sensíveis, pois tem como objeto de estudo e atuação prática dentre os conflitos éticos e morais da humanidade”

Thaís Maia, advogada, mestre e especialista em Bioética pela Universidade de Brasília

Thaís e a sócia Luciana Munhoz, também advogada e mestre em Bioética, criaram o canal no YouTube “Bioéticas” para debater esses temas sensíveis à sociedade. 

Para elas, entre os temas mais delicados e polêmicos estão questões de transfusão de sangue para testemunhas de Jeová, clonagem, temas relacionados ao aborto e à morte. “Percebemos que a população brasileira ainda não tem a cultura de debater estes assuntos, então este pode ser um dos motivos pelos quais tantos se destacam”, afirma Thaís ao Whow!.

Entre os temas abordados nos vídeos do canal está o uso da cannabis, nome científico da maconha, para uso medicinal. O tema é sensível também no debate político. 

Na última quinta-feira (26), o Senado, através da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) acatou a sugestão que libera uso medicinal da maconha. Agora a proposta tramitará como Projeto de Lei na Casa.


Já segue o Whow! no Instagram?


+MEDICINA

Bactéria com DNA 100% sintético pode impulsionar novos tratamentos médicos
Startups biomiméticas: a tecnologia a serviço da natureza
Da estética à ética: gigantes da moda querem salvar o planeta delas mesmas
Segurança cibernética vira diferencial competitivo