Internacionalizar a sua PME ou startup: a hora certa é agora - WHOW

Pessoas

Internacionalizar a sua PME ou startup: a hora certa é agora

Internacionalizar sua empresa pode ser uma boa alternativa? O intercâmbio favorece o desenvolvimento a longo prazo do negócio. A internacionalização é possível. Confira um pouco no conteúdo que preparamos

POR Redação Whow! | 25/05/2021 10h29

*Por Alexandre Liuzzi, Economista e Diretor de Estratégia da Remessa Online

A crise econômica e a pandemia estão impondo desafios inéditos aos empreendedores, mas as transformações da sociedade no novo cenário global também trazem oportunidades. Uma delas é a possibilidade de internacionalização, que está cada vez mais acessível para as pequenas e médias empresas (PMEs) e startups.

De fato, o contexto de isolamento social produziu novas dinâmicas nos mercados e fomentou a digitalização, junto com a inovação para buscar alternativas de crescimento. Aqui no Brasil, ainda tem ajudado esse movimento a agenda de modernizações promovidas pelo Banco Central, a Agenda BC#, cujas mudanças têm trazido maior fluidez e facilidades aos meios de pagamento, ampliando o alcance de serviços e produtos. No entanto, a crise persistente no Brasil traz dificuldades a empresas de todos os tipos e portes, especialmente às PMEs e startups. Se quiserem crescer, e não só se manter, esses negócios podem ter agora uma chance única de driblar as dificuldades do mercado local e se internacionalizar, na esteira das evoluções recentes no âmbito digital e financeiro.

Apesar das facilidades do momento, vale lembrar que a internacionalização precisa ser feita com planejamento. Reduzir a dependência do mercado interno é uma forma de manter a empresa operando e em crescimento, mesmo em situações de crise, com a exportação de produtos e serviços permitindo ampliar possibilidades e atingir mais pessoas. Mas, antes, é preciso escolher com cautela em qual mercado externo atuar, fazendo uma análise detalhada e embasada em dados, para entender se há interesse da população no serviço ou produto ofertado. Quais são as maiores necessidades do mercado, quais segmentos não estão sendo atendidos e por quê? Fazer um planejamento é fundamental, desde o desenvolvimento dos produtos até a forma com que a empresa vai se posicionar e chegar no novo mercado. Ainda, entre produtos e serviços, há especificidades que o empreendedor precisa compreender e, para tanto, pode contar com um consultor especializado ou com o apoio do Sebrae, por exemplo, para que faça todas as adaptações necessárias.

Outro ponto que pode trazer dúvidas é a parte financeira da internacionalização. De início, operar no exterior e receber valores de outro país em moeda estrangeira parece algo complexo. É aí que o contexto de digitalização e modernização do sistema financeiro brasileiro entra para catalisar o ímpeto de expansão internacional dos negócios. Está cada vez mais fácil e fluido fazer esse tipo de transação, com menos burocracia, mais praticidade e menos custos ao empreendedor. A maior competitividade no setor financeiro tem fomentado uma redução nas tarifas, um aumento de variedade e uma melhoria da qualidade das soluções oferecidas, que também podem dar suporte para as transações internacionais como serviço agregado de consultoria. Em fintechs como a Remessa Online, por exemplo, todo o processo é digital e facilitado, sem a intermediação de bancos. E o serviço pode ser mais especializado para atender a necessidades específicas das PMEs e startups. O Remessa for Startups, por exemplo, é um serviço voltado exclusivamente para esse segmento, auxiliando o empreendedor com dúvidas sobre a legislação e os trâmites para operacionalizar uma estrutura offshore.

Do ponto de vista do empreendedor, levar a sua empresa para fora pode ser uma experiência não apenas lucrativa, mas também enriquecedora no sentido mais amplo: o intercâmbio de práticas e inovações favorece, ainda, o desenvolvimento de longo prazo do negócio. Motivos e facilidades não faltam para internacionalizar agora. Os pequenos e médios empreendedores precisam saber que podem contar com uma oferta completa e diversa de soluções financeiras para apoiá-los. A internacionalização é, sim, acessível para PMEs e startups como para todo grande negócio. Basta escolher os parceiros certos para essa jornada.