Insurtechs: a revolução das seguradoras - WHOW
Eficiência

Insurtechs: a revolução das seguradoras

Depois do impacto das fintechs no setor de bancos, as insurtechs trazem novidades para um mercado que há muito tempo não via mudanças

POR Luiza Bravo | 09/12/2019 10h10 Insurtechs: a revolução das seguradoras

Por conta de uma cultura avessa a riscos e particularmente resistente a mudanças, o setor de seguros permaneceu praticamente o mesmo por décadas. Antes do surgimento de novas tecnologias, era um mercado pouco competitivo e extremamente fechado. Mas essa realidade está mudando com a chegada das insurtechs, startups especializadas em seguros.

O que é Insurtech?

As insurtechs são uma derivação das fintechs, e oferecem soluções tecnológicas para criar, distribuir e administrar seguros. Essas empresas usam diferentes ferramentas para analisar informações de clientes e, assim, oferecer serviços melhores e mais baratos.

A Inteligência Artificial, por exemplo, pode resumir e apresentar rapidamente os produtos mais relevantes e úteis para um cliente em poucos segundos. A Internet das Coisas, por sua vez, pode fornecer às seguradoras dados detalhados sobre os usuários para sugerir ajustes em seus produtos ou oferecer descontos para os motoristas mais responsáveis.

insurtechs Foto (Pixabay)

Criada em 2016, a Thinkseg foi pioneira no Brasil no mercado de insurtechs. A proposta da empresa é oferecer produtos customizados, com uso de dados e inteligência artificial, às seguradoras. Recentemente, por exemplo, a startup lançou o Pay Per Use, um seguro para carros no qual o motorista paga uma assinatura fixa mensal, acrescida dos centavos por cada quilômetro rodados, de acordo com os registros do hodômetro.

A iniciativa estimula, assim, o uso de outros meios de transporte, como metrô e bicicleta, já que rodando menos com o carro, o preço do seguro cai. Além disso, o usuário pode interromper o seguro quando bem entender, como acontece com outros serviços de assinatura, como Netflix e Spotify.

Nos Estados Unidos, a Metromile, fundada em 2011, trabalha com um conceito semelhante. Por lá, a demanda por esse tipo de seguro tem aumentado nos últimos anos, o que reflete uma busca das pessoas por economia e praticidade.

insurtechs Foto (Pixabay)

Impactos no setor de seguros

A rapidez oferecida pelas insurtechs deve pressionar as seguradoras tradicionais a acelerar suas práticas de atendimento ao cliente e a rever suas ofertas. O que torna as insurtechs tão atrativas para os clientes é justamente o fato de elas oferecerem produtos sob medida, entregues por um simples clique no celular.

“Com menos processos e mais transparência, a tendência é de menor preço e democratização do acesso aos seguros por milhares de pessoas que ainda não conseguem contratar o produto”

Andre Gregori, CEO da Thinkseg, ao Whow!

Desafios das insutechs

Um dos maiores obstáculos que as insurtechs enfrentam é a complexidade da sua área de atuação. Os produtos e serviços oferecidos costumam ser complexos, e muitos consumidores costumam têm dificuldade para entender o funcionamento exato dos seguros.

Além disso, os seguros estão longe de ser algo empolgante de comprar, que desperta interesse do público. É difícil comercializar esses produtos de maneira atraente, especialmente os mais jovens. Por fim, as insurtechs precisam investir em segurança para garantir que os dados coletados não discriminem determinados grupos e para manter a privacidade dos usuários.


+STARTUPS

Estudo mostra o valor e desafios na criação de fintechs
TruckPad: a startup brasileira que conquistou o Vale do Silício e a China

Saiba as competências que os fundos Kaszek e Redpoint eventures procuram em uma startup
Startup e impressora 3D podem proporcionar vida em Marte