Inovação no mundo pós-pandemia - WHOW
Tecnologia

Inovação no mundo pós-pandemia

Primeira edição 100% digita da Campus Party debateu as mudanças provocadas pela pandemia da Covid-19 e a importância de reavaliarmos nossos comportamentos

POR Luiza Bravo | 10/07/2020 19h18

A pandemia do novo coronavírus transformou um dos maiores eventos de tecnologia do planeta. Pela primeira vez, a Campus Party está tendo uma versão 100% digital. O tema desta edição não poderia ser mais adequado ao momento que vivemos: “Reboot the World”, ou “Reiniciar o Mundo”. De acordo com os organizadores, mais de 1.800 conferencistas de 31 países vão marcar presença nos três dias do evento, que está sendo transmitido ao vivo, pela Internet. 

Na quinta-feira (9), as discussões em Brasília foram sobre ciência e o futuro do trabalho. O foco em Goiás foi Medicina e tecnologia em saúde, e a edição Amazônia abordou temas como desenvolvimento social e gestão de pessoas

Inovação no mundo pós-pandemia

No palco global aconteceram conferências voltadas especialmente para o desenvolvimento e uso de novas tecnologias no mundo pós-pandemia e, também, para a transição para o que já estamos chamando de “novo normal”. 

Um dos painéis reuniu o vice-ministro de Desenvolvimento e Investimentos da Grécia, Christos Dimas, e o príncipe da Holanda e representante da organização do país Techleap, Constantijn Van Oranje-Nassau. Eles debateram como a inovação pode transformar o mundo pós-pandemia, e citaram alguns dos principais desafios que precisaremos enfrentar.

A Holanda ocupa a quarta posição no Índice Global de Inovação, mas segundo Constantijn, ainda possui grandes obstáculos pela frente. Ele explicou que o conceito de inovação não está relacionado apenas à tecnologia, mas também a métodos de trabalho, infraestrutura e mindset.

“Um dos desafios sempre será dinheiro, conseguir investidores. Por isso o governo tem o papel importante de criar ambientes  amigáveis para empreendedores. Mas também cabe à sociedade desconstruir certos mitos.”

Constantijn Van Oranje-Nassau, príncipe da Holanda e representante da organização do país Techleap

“As pessoas precisam acreditar que é possível criar grandes empresas de tecnologia na Europa, como Spotify e Booking.com”, disse.

De acordo com Christos, na Grécia a dificuldade é ainda maior: sem perspectiva de crescimento no país, os empreendedores acabam migrando para outros lugares, o que dificulta o desenvolvimento de um ecossistema de inovação próprio. Ele acredita, no entanto, que a pandemia pode transformar essa realidade: “Atrair nômades digitais é um dos próximos objetivos da Grécia, e isso pode ser beneficiado pela pandemia, especialmente agora que as pessoas perceberam que podem trabalhar de qualquer lugar do mundo.”

Modelo econômico mais inclusivo

Os participantes também destacaram que a crise provocada pela Covid-19 expôs as principais fraquezas do mundo, como desigualdades sociais e dos sistemas de produção. Segundo eles, as startups terão um papel fundamental para que não voltemos ao patamar anterior após o fim da pandemia, já que precisaremos de um modelo econômico cada vez mais sustentável, digital e inclusivo. 

Para que realmente aconteça uma transformação positiva, o mundo vai precisar dar cada vez mais ouvidos à Ciência. “Expressar nossas opiniões pessoais é importante, mas precisamos ouvir os cientistas. As próximas políticas públicas devem ser pautadas nas orientações da ciência”, defendeu Christos.

Constantijn concordou: “A crise reacendeu a importância da ciência, e também de termos responsabilidade sobre nossos comportamentos. Se tivermos outra onda da pandemia, é provável que as coisas realmente mudem. Se não, corremos o risco de tudo voltar a ser como antes, especialmente se os governos não apoiarem essas mudanças.”


bannerecossistema


+INOVAÇÃO

Veja tudo o que aconteceu na 1ª Open Innovation Week de 2020
Desafios da inovação aberta no setor da saúde
Desafios da inovação aberta na indústria
Inovação aberta e a agilidade das startups para os grandes desafios da sociedade e mercados