Healthtechs: startups que trabalham para melhorar a vida - WHOW

Tecnologia

Healthtechs: startups que trabalham para melhorar a vida

Cada vez mais presente em nossas vidas, conheça as Healthtechs e saiba como esta novidade está auxiliando a vida de milhões de pessoas

POR Redação Whow! | 10/05/2021 18h10

Não restam dúvidas que a pandemia acelerou a digitalização de diversos mercados. Muitas coisas que fazíamos de maneira física ou presencial, passaram a contar com serviços digitais e on-line. Nesse sentido, o ramo da saúde foi um dos que mais se renovouVisto que, além da preocupação usual, passamos a valorizar mais o nosso bem-estar. Não por acaso crescem as healthtechs (startups do setor de saúde) no Brasil e no mundo. 

As principais aplicações destas são por meio de dispositivos, medicamentos, vacinas, procedimentos e sistemas desenvolvidos para resolver um determinado problema de saúde e melhorar a qualidade de vida da população.

Isso inclui desde produtos farmacêuticos, até procedimentos e sistemas de organização utilizados no atendimento médico. Logo, essas empresas conquistam cada vez mais espaço tanto na vida das pessoas, quanto no mundo dos investimentos.

Confira o panorama dessa inovação nas próximas linhas!

Healthtechs no Brasil

O Brasil pode ser atrasado em diversas áreas, mas contamos com uma vasta gama de healthtechs no nosso país. Em 2018 o Brasil tinha 248 startups de saúde mapeadas e ativas, já no ano de 2019 esse número cresceu para 386. E em 2020 o país já contava com 542 health techs catalogadas ― ativas e verificadas.

Um estudo recente realizado pela Distrito fez um mapeamento das healthtechs no país.Em 2020, o sudeste contava com 64% do total de empresas no Brasil. Enquanto a região Sul, que está em segundo lugar, possuía 23,7% deste nicho. O mesmo mapeamento aponta que o mercado brasileiro, possui mais startups na área de gerenciamento: tanto de hospitais, quanto de clínicas, laboratórios e exames. Já em segundo lugar, contamos com as empresas focadas em serviços de prontuários eletrônicos.

Todavia, também contamos com diversos negócios que têm como intuito, a melhoria direta na vida da população brasileira. Como por exemplo a Adam Robô, criada pela startup Prevention, que utiliza da sua tecnologia para democratizar o teste de visão no Brasil.

A empresa já conta com o governo do Paraná e de São Paulo, além de outras regiões no exterior. Outra healthtech que tem como intenção ajudar a sociedade brasileira, é a “Guiaderodas”. Bruno Mahfuz, o fundador é cadeirante e desenvolveu uma ferramenta gratuita e colaborativa para consultar e avaliar a acessibilidade dos locais. A iniciativa já conta com mais de 160.000 avaliações mundo afora.

Como a pandemia acelerou o investimento em healthtechs

Apesar da pandemia ter pego todos desprevenidos, algumas maneiras foram encontradas a fim de diminuir os estragos que a doença causa na humanidade. A ampla adoção das healthtechs, se encaixa nesse cenário. Uma vez que o aumento do seu uso, significa menos locomoção de pacientes e um cuidado eficiente, mesmo que a distância.

O cenário é cada vez mais promissor para este setor. Enquanto as healthtechs do mundo inteiro movimentaram US$ 9 trilhões por ano, apenas no primeiro trimestre de 2021, o mercado brasileiro já investiu US$ 91,7 milhões nas startups. Quantia que bate recorde e significa o aumento de 324%, quando comparado ao mesmo período do ano passado.

Várias mudanças passam a ser empregadas para que o setor conquiste este sucesso. Em 2020, por exemplo, o Conselho Federal de Medicina aprovou as teleconsultas no Brasil. Com o intuito de evitar a lotação em hospitais e prontos-socorros.

Ainda no intuito de barrar a disseminação do vírus, os dados divulgados pela Saúde Digital Brasil, acrescentam que esse tipo de serviço online cresceu 316% desde o ano passado. Algo primordial para o momento que estamos passando no nosso país.

Do mesmo modo, é válido ressaltar que também houve uma aceleração na digitalização de receitas médicas desde o começo da pandemia. Apenas no ano passado, a plataforma Memed saiu de 500 mil receitas online, para 1,7 milhão, ou seja, triplicou o seu número.

Telemedicina, chatbots para auxiliar no agendamento das consultas e outras inovações

Uma das modalidades que passa a ter mais adesão nesse momento é a telemedicina. Utilizada para o atendimento pré-clínico, de suporte assistencial, de consulta, monitoramento e diagnóstico no Sistema Único de Saúde (SUS) ou na rede privada.

Essa forma de atendimento médico à distância é realizada diretamente entre médicos e pacientes. Da mesma forma que ocorre em consultas normais, esse tipo de atendimento também deve garantir a integridade, segurança e sigilo das informações. Além de também ser registrada, obrigatoriamente, em prontuário clínico.

Nesse sentido, na pandemia, além dos atendimentos precisarem ser à distância, também é preciso de agilidade. E é aí que entram os chatbots, tecnologia que interage com o paciente de uma forma humana. Seja pelo áudio ou texto.

Atualmente esse serviço está presente não só em canais populares, como o WhatsApp e redes sociais, como também em aplicativos e sites das empresas de saúde.

Os chatbots têm ajudado as healthtechs. Sua função é proporcionar um atendimento mais rápido e certeiro para os pacientes, além de reduzir custos e automatizar processos.

Conheça a SleepUp: terapia digital para tratar insônia

Segundo dados apresentados pela Sociedade Brasileira do Sono, por meio de uma pesquisa realizada com 43 mil pessoas das principais capitais do país, mais de 53,9% da população sofre com algum tipo de insônia e quase metade permanece cansada no decorrer do dia.

Esse aspecto, que se agrava cada vez mais, tem como cerne do problema, o aumento da ansiedade na população. Então, diversos tratamentos surgem todos os anos, porém muitos são invasivos e caros.

A SleepUp tem como foco a democratização, de forma natural, efetiva e acessível tanto no tratamento, quanto na prevenção da insônia. A empresa garante promover terapias digitais personalizadas, utilizando softwares e inteligência artificial.

O método é feito com acompanhamento do sono do paciente e de análises do seu dia a dia. Ou seja, é um tratamento sem medicamentos, de fácil acesso, personalizado e com grande eficácia.

Healthtechs, a solução dos nossos problemas?

Dessa forma, podemos observar que apesar do Brasil se encontrar num momento de colapso na saúde, diversas soluções estão sendo pensadas e realizadas. Uma delas são o avanço das healthtechs, que prometem mudar significativamente a nossa realidade, pois não somente garantem a comodidade da população, como também podem salvar muitas vidas.

Gostou desse conteúdo? Aproveite para assinar nossa newsletter e sempre ter acesso a dicas importantes para aprimorar esse processo!