Habilidades essenciais para mulheres empreendedoras - WHOW

Pessoas

Habilidades essenciais para mulheres empreendedoras

Veja neste conteúdo a importância do empreendedorismo feminino e confira três aptidões essenciais para todas as mulheres que empreendem

POR Redação Whow! | 15/07/2021 17h25

O empreendedorismo feminino transforma as relações sociais, celebra a diversidade e o empoderamento feminino. O número de mulheres empreendedoras vem aumentando nos últimos anos, especialmente durante a pandemia. 

Mas por que o empreendedorismo feminino é tão importante? O que é preciso ter para se tornar uma empreendedora de sucesso? Neste conteúdo, entenda um pouco mais sobre a realidade das mulheres que empreendem, veja alguns números e confira também 3 habilidades essenciais que todas as empreendedoras de sucesso precisam ter. 

A importância do empreendedorismo feminino

O empreendedorismo feminino vem se desenvolvendo no país.  A última pesquisa do Global Entrepreneurship Monitor – GEM, realizada em 49 países, apontou que o Brasil ocupa o sétimo lugar do ranking de proporção de mulheres à frente de empreendimentos iniciais, que são aqueles com menos de 42 meses de vida.

Ainda de acordo com o GEM, no Brasil existem hoje mais de 30 milhões de empreendedoras, o que representa 48,7% do mercado empreendedor. E a Bahia é o estado que conta com mais mulheres à frente de seus negócios (31%), segundo o Sebrae- BA

Em síntese, o empreendedorismo segue transformando a realidade de muitas mulheres, ao passo que proporciona para elas independência financeira e autonomiaAlém disso, ter mais mulheres à frente de negócios ou em cargos de liderança reduz as desigualdades de gênero e as diferenças entre as oportunidades de desenvolvimento e crescimento nas empresas.

Durante a pandemia, o número de empreendedoras no país deu um verdadeiro salto. 

Empreendedorismo feminino cresceu na pandemia

Em resumo, a pandemia afetou a economia local e global.  Até fevereiro de 2021, um ano após o início da pandemia, o número de trabalhadores formais e informais reduziu 7,4%, o que representou uma perda de R$ 16,8 bilhões na economia, conforme dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua –  Pnad Contínua.

Desse total, as mulheres foram as que mais sofreram com desemprego. Ainda segundo dados deste mesmo levantamento, 8 milhões de mulheres deixaram de trabalhar. Enquanto 26% delas afirmam terem deixado o trabalho em virtude dos afazeres domésticos, apenas 2% dos homens afastados do trabalho falam o mesmo. 

E, entre março e setembro do ano passado, o saldo negativo entre admitidos e demitidos foi de 897,2 mil, sendo que 688,5 mil dos empregos eram de mulheres, segundo a PNAD Contínua.  Assim, o desemprego e a dificuldade de retornar ao mercado novamente, seja pela falta de oportunidade ou por não ter com quem deixar os filhos, estimulou o surgimento de negócios no público feminino. 

De acordo com dados da Rede de Mulheres Empreendedoras, o empreendedorismo feminino cresceu 40% na pandemia, sendo que 44% delas são chefes de família e 85% responsáveis pela tomada de decisão de compra em suas casas.

E a faixa etária na qual o empreendedorismo feminino se desenvolveu foi entre 22 e 35 anos, na qual 54% delas decidiram abrir um negócio. Os segmentos mais buscados foram beleza, moda e estética.

Habilidades essenciais para mulheres empreendedoras

Aptidões técnicas gerais para mulheres empreendedoras

As competências técnicas relacionadas a gestão, finanças, marketing e vendas também são importantíssimas para o desenvolvimento do negócio. 

Embora o processo de crescimento da empresa demande bastante tempo e energia, estar focada apenas no core do negócio, ou seja, nos serviços executados ou nos produtos, pode fazer com que outros setores fiquem “abandonados”, impactando negativamente o empreendimento.  

Não é preciso dominar de ponta a ponta o processo contábil, por exemplo. Ter um conhecimento básico, pelo menos, ajudará na hora de gerir a empresa, facilitando a tomada de decisão. Por isso, mesmo que sejam contratadas pessoas específicas para cuidar de determinadas áreas, é imprescindível à empreendedora ter uma noção desses processos administrativos, financeiros e comerciais. 

E, para buscar este conhecimento, pode-se optar por cursos rápidos e até mesmo consumir conteúdos gratuitos disponíveis na internet. 

A Rede Mulher Empreendedora e o próprio Sebrae contam com canais no YouTube sobre os mais variados temas importantes para quem deseja gerir de uma maneira eficiente a empresa.  Inclusive, o Sebrae possui um podcasts disponível no Spotify chamado Imersão Sebrae, que trata sobre vários temas importantes sobre o mundo do empreendedorismo. 

Outro podcast interessante para mulheres empreendedoras é o Confia na Quarta, produzido pela Obvious Agency e conduzido por Luiza Brasil. 

Competências socioemocionais para mulheres empreendedoras

Tão importante quanto as aptidões técnicas, as competências socioemocionais também são muito importantes para o sucesso das mulheres no empreendedorismo.  Resiliência, sensibilidade, liderança, adaptabilidade e autoconfiança são soft skills relevantes para gerir de maneira eficiente o negócio e, ainda por cima, preservar a saúde mental.  

Por isso, juntamente com a busca do conhecimento das aptidões técnicas, não deixe de dar importância às competências socioemocionais.  Busque terapias, mentores e também materiais sobre esses temas. Assim como no caso das aptidões técnicas, vários materiais gratuitos também podem ser encontrados na internet, como o canal do Youtube da empresária de sucesso Cris Arcangeli. 

Rede de contatos para mulheres empreendedoras

As empreendedoras não estão sozinhas.  E, nesse sentido, é importante fortalecer a rede de contatos e  o networking. Além da troca de conhecimentos, ainda é possível realizar parcerias interessantes para o negócio.  Por isso, fortaleça a sua presença digital e faça parte dos grupos voltados ao empreendedorismo, não se atendo apenas aos exclusivos para mulheres. 

Conclusão

Apesar dos números animadores em relação ao empreendedorismo feminino, elas ainda têm muitos desafios para enfrentar. Sim, o preconceito ainda existe. Mesmo em 2021 não são poucas as mulheres que perdem oportunidades pelo simples fato de serem mulheres.

A dupla jornada as deixa cansadas, ao passo que, além de tocar o negócio, muitas são mães solo e, sem apoio, precisam conciliar o cuidado com os filhos e a empresa.  Por último, diante de tantos desafios, desenvolver a autoconfiança e a autoestima se torna mais um. Felizmente, estamos à frente de muitos países, mas ainda é preciso melhorar muito. 

Achou interessante o nosso conteúdo sobre empreendedorismo feminino? Se sim, assine agora mesmo, sem pagar nada, a nossa newsletter! Assim, você receberá todos os dias artigos sobre o mercado, gestão, últimas tendências e empreendedorismo!