Femtech: inovações para saúde da mulher - WHOW

Tecnologia

Femtech: inovações para saúde da mulher

Conheça um pouco mais sobre esse mercado milionário e entenda os impactos desse fenômeno

POR Redação Whow! | 18/05/2021 15h04

A fim de voltar a atenção aos problemas de saúde das mulheres, diversas empresas de tecnologia estão apostando em soluções específicas para o bem estar feminino. As femtechs, conquistam cada vez mais espaço no universo das startups brasileiras. Mas afinal, o que são femtechs? Quais suas principais atuações no Brasil? E quais desafios elas querem solucionar? Confira esse conteúdo exclusivo que preparamos para você e boa leitura!

O que são femtechs?

Nas décadas anteriores, as mulheres, para controlar seu ciclo menstrual realizavam anotações manuais administrando assim seu calendário. A dinamarquesa Ida Tin, com o objetivo de mudar esse cenário, foi uma das precursoras de pesquisas e avanços tecnológicos do femtech.     

O start veio após Ida perceber como realizava suas anotações cotidianamente. Até então, existiam pouquíssimas pesquisas voltadas para a saúde da mulher, ainda mais das mulheres grávidas. A partir daí, Ida desejou facilitar a vida da mulher moderna.

A tendência só cresceu, e desde então uma diversidade de aplicativos e empresas de tecnologia surgiram. Seus campos de ação variam desde acompanhamento da menstruação e fertilidade, até auxílios para gravidez, amamentação e menopausa.

O potencial das femtechs aumenta cada vez mais, uma vez que o público feminino está cada vez mais exigente a respeito de tecnologias. Para se ter uma noção, é estimado que, no mundo, as mulheres tenham um gasto de cerca de US$500 bilhões por ano em despesas médicas.

Nesse sentido, conforme aponta uma pesquisa da PitchBook, somente em 2019, o mercado tecnológico voltado à saúde das mulheres gerou US$820 milhões em receita global e US$595 milhões de investimento em capital de risco.

Principais categorias de femtechs no Brasil

No Brasil as femtechs também são um sucesso. Segundo um estudo da Frost & Sullivan, o mercado no país é avaliado em US$5,8 bilhões. Além disso, a tendência é que os números cheguem a US$50 bilhões no mundo até 2025. Uma outra pesquisa, feita pela Inside Healthtech.news mostra que o cenário brasileiro já tem algumas categorias mais representativas. São elas:

  • fitness e bem estar: voltadas a um modo de vida mais saudável, o segmento já conta com 8 startups no Brasil.
  • acesso à saúde: essa categoria tem como foco a facilitação de informações para as mulheres. Um exemplo são os aplicativos de gravidez, que permitem um acesso à saúde com maior facilidade.
  • engajamento do paciente: Focadas no relacionamento com o cliente, essas empresas tem como intuito garantir uma melhor experiência para a saúde das mulheres.

Quais problemas as femtechs querem resolver 

São diversas frentes que as femtechs atuam, mas basicamente elas pretendem atuar resolvendo os problemas das mulheres de maneira geral. Dessa forma, passam a focar tanto no bem estar, quanto na prevenção de doenças. Confira as principais áreas de atuação dessas empresas:

Fertilidade

Atualmente, as soluções que possuem mais demandas no universo das femtechs são aquelas relacionadas à gravidez. Houve um grande crescimento na área voltada a tratamentos remotos, visto que nos encontramos num cenário de pandemia, no qual as gestantes possuem risco de vida.

No entanto, um dos nichos com maior potencial, são as soluções que permitem às mulheres traçarem seus planos de vida. Isso se dá pelo fato de que, em nossa sociedade, as mulheres desejam cada vez mais controle do seu futuro. Ou seja, querem decidir se vão ter filhos ou não, e se vão ter, quando será.

Uma pesquisa realizada com 2 mil mulheres em 2020, já aponta que 30% das mulheres decidiram adiar os planos de gravidez até a pandemia acabar. Dessa forma, cresce também a demanda por armazenamento de ovos, escaneamento de embriões, técnicas de reprodução, entre outros.

Menopausa

As “menotech”, por exemplo, tem como objetivo melhorar a vida das mulheres que estão passando pela fase de menopausa. Fornecendo acesso à informação e telemedicina especializada. Já as empresas voltadas ao câncer, utilizam de diversos atributos tecnológicos tanto para prevenir, como para tratar câncer específicos do público feminino. Como o câncer de mama e câncer de colo de útero, por exemplo.

Câncer

A startup isrealense, MobileODT, utiliza a combinação de smartphones e inteligência artificial para diagnosticar câncer cervical. A tecnologia funciona da seguinte maneira: através de um colposcópio inteligente, é tirada uma foto do colo do útero, com a distância de até um metro.

Então a imagem registrada é transmitida para a nuvem e a inteligência artificial busca achados cervicais anormais. E o mais impressionante, o diagnóstico pode ser feito em até 60 segundos! Essa inovação já foi utilizada para diagnosticar 9 mil mulheres da República Dominicana.

Outro exemplo surpreendente de femtech é a Rettice Medical, que tem como foco lidar com as consequências do câncer de mama. Para realizar isso, a empresa desenvolveu um implante que regenera o seio retirado da mulher.

Para fazer isso, a tecnologia utiliza um pedaço da gordura da área do seio removido, coloca numa bioprótese e implanta na mulher. Então o pedaço de tecido passa a crescer e preenche todo o espaço do implante e em 18 meses depois a cápsula desaparece!

Prevenção

Sistemas que auxiliam na prevenção de doenças também conquistam cada vez mais espaço, devido à sua relevância. Visto que atuam não só melhorando a qualidade, mas também aumentando a expectativa de vida das mulheres.

A Sera Prognostics é uma empresa que desenvolve sistemas que permitem prever riscos de partos prematuros ou outras complicações da gravidez. Através de testes precisos e estatísticas do seu banco de dados, a ferramenta permite que mães e médicos tenham maiores informações sobre tratamentos específicos.

Legal né? Esses são apenas alguns dos exemplos, que esse mercado tecnológico está fazendo para melhorar a vida das mulheres ao redor do mundo. Atualmente, é possível afirmar que para quase todas as demandas da saúde da mulher, existe uma femtech.

Em suma, é um setor que cresce cada vez mais, ainda mais num cenário de isolamento social e máximo cuidado com a saúde. Se você deseja se informar mais a respeito das novidades em tecnologias e inovações, acesse a nossa newsletter gratuitamente e receba conteúdos diariamente!