Fazenda Futuro acelera internacionalização e vai à Europa - WHOW
Eficiência

Fazenda Futuro acelera internacionalização e vai à Europa

Marcos Leta, fundador da Fazenda Futuro, revela ao Whow! que startup vai cruzar o Atlântico para suprir demanda do velho continente. Saiba mais

POR Raphael Coraccini | 11/02/2020 09h00 Fazenda Futuro acelera internacionalização e vai à Europa Foto (Freepik)

O projeto da Fazenda Futuro começou no final de 2016, depois de Marcos Leta e Alfredo Strechinsky venderem a Do Bem, marca de sucos, para a Ambev. “Começamos a olhar outros mercados e chegamos a um consenso sobre entrar em um mercado em que a gente já tem experiência e capacidade para inovar, e modificar realmente esse mercado. Chegamos na maior categoria de alimentos do mundo, a de carnes, com a finalidade de reduzir impactos ambientais e o número de animais abatidos”, conta Marcos ao Whow!.

A empresa começou a operar, de fato, em maio de 2019, já com sua carne vegetal pronta e também um plano estruturado para chegar às grandes contas. O diferencial dos empreendedores foi a entrada que tinham no setor de alimentos, depois de dez anos à frente da Do Bem.

Os dois primeiros clientes da foodtech foram no ramo de restaurantes. As Lanchonete da Cidade, em São Paulo, e TT Burger, no Rio de Janeiro, foram as primeiras a venderem o hambúrguer vegetal, em maio do ano passado. Em seguida, veio o varejo de alimentos com o GPA, dono do Pão de Açúcar.

Fazenda do Futuro Foto (Pexels)

Propósito

Marcos destaca que a adesão de grandes redes têm a ver com o aumento, ainda gradual, da demanda, que sucede uma mudança de paradigmas em relação à alimentação no mundo, com substituição da proteína animal, seja a carne ou os derivados de leite e ovos.

“Na Fazenda Futuro, a gente fala que a nossa é a carne para todo mundo, e, por isso, a gente imita textura e gosto da carne animal. Nosso público é a pessoa que come carne, mas quer reduzir, além dos veganos e vegetarianos, que pararam de comer carne não pelo sabor ou textura, mas porque não compactuavam com o sacrifício de animais”, destaca.

O desafio é se aproximar, cada vez mais, do sabor da carne animal para que a substituição seja natural.

Segundo Marcos, a empresa nasceu pra concorrer com os frigoríficos. Ele avalia que por mais que os frigoríficos trabalhem para criar suas próprias linhas de carne vegetal, haverá uma barreira imposta pelo consumidor.

“O que está acontecendo no mundo é que todos os frigoríficos que tentaram entrar (no segmento de carne vegetal) não funcionaram porque o consumidor acaba vendo que é muito mais uma extensão de linha do que mudança de propósito, de tentativa de reduzir o consumo de carne animal”

Marcos Leta, fundador da Fazendo do Futuro

Potencial global

Para o empreendedor, o Brasil tem potencial para ser um player global na produção e venda de carne vegetal, aproveitando a entrada no mercado mundial da proteína animal brasileira. Ele avalia também que o desenvolvimento de tecnologias para transformar vegetais em alimentos semelhantes à carne tem potencial de melhorar a qualidade dos vegetais vendidos em sua forma natural.

A Fazenda Futuro já está estendendo suas vendas para outros países pelo mundo. Na América Latina, Uruguai e Chile já começam a receber os produtos da marca neste mês. Até o fim de fevereiro, o México também começará a comprar carne vegetal da startup brasileira.

A partir de março, as vendas da empresa de começam na Europa. A Holanda é o primeiro país do continente a comprar carne vegetal nacional. Marcos afirma que, apesar de a cultura europeia já ser mais familiarizada às novas ofertas de carne, o produto local ainda não é excelente a ponto de fechar a entrada para produtos externos. É onde a empresa espera avançar.

“O consumo da Holanda de carne vegetal é basicamente o consumo no Brasil inteiro, levando em conta as diferenças de tamanho de um país para outro”, afirma o executivo, citando estudo encomendado pela startup.

Fazenda do Futuro Foto (Pixabay)

Polêmicas com o termo “carne”

A União Europeia levantou questões relacionadas à legalidade de empresas como a Fazenda Futuro usar o termo “carne” para definir produtos alimentares que não são oriundos do abate de animais. Para o fundador da Fazenda Futuro, são os consumidores que definem como o produto será chamado. “O que temos que evoluir é talvez mudar o significado do termo no dicionário”, sugere.

“As pessoas não vão deixar de usar o termo em uma hamburgueria só porque trata-se de um produto de origem vegetal. Acho isso uma involução em relação ao que a sociedade está querendo. Discutir isso só vai gerar mais curiosidade nos consumidores sobre a carne vegetal”

Marcos Leta, fundador da Fazendo do Futuro

E, segundo o empreendedor, essa curiosidade já é presente e tem impulsionado os números.

Ele afirma que, em uma das maiores redes de varejo supermercadista do Brasil, 25% do marketshare de carnes é da Fazenda Futuro. Mas que o trabalho de convencimento sobre os benefícios e prazeres da carne vegetal ainda tem um caminho para ser percorrido. “O grande trabalho é basicamente ter um plano comercial bem montado e rápido para chegar em pontos de venda variados no Brasil e colocar essa carne do lado da carne animal porque acaba gerando mais experimentação e curiosidade”, conclui.

Além da carne tradicional, a carne vegetal tem outra concorrente no mercado: a carne cultivada, ou carne de laboratório, que tem sido desenvolvida com o clone de células animais, reproduzindo o sabor da carne animal sem precisar de abate nem da transfiguração de vegetais em carne. A batalha da carne do futuro está lançada.


+INOVAÇÕES

Entenda como são criadas as carnes de laboratório; novas pesquisas e investimentos
O cliente não está mais no centro de tudo. E quem está no lugar dele?
Bactéria com DNA 100% sintético pode impulsionar novos tratamentos médicos

Veja os países mais inovadores do mundo