Facebook é investigado por vazamento de dados de crianças em todo o mundo - WHOW
Consumo

Facebook é investigado por vazamento de dados de crianças em todo o mundo

Segundo órgão regulador da União Europeia, 5 milhões de crianças tiveram seus dados expostos no Instagram. Procon-SP também entra na justiça

POR Carolina Cozer | 21/10/2020 11h57

Como se não bastassem as investigações contra as big techs feitas pela lei antitruste dos Estados Unidos, os órgãos reguladores da Europa, agora, abriram sondagens específicas contra o Facebook.

Segundo um relato do jornal The Telegraph, no último dia 18, o Instagram ― rede social pertencente ao grupo de Mark Zuckerberg ― está sob investigação por expor milhões de dados de crianças. Foram cerca de 5 milhões de contas de menores de idade vazadas, com informações como localidade, telefone pessoal e endereço de e-mail das vítimas.

Vazamento já havia sido previsto, segundo Comissão de Dados

O suposto “bug” ocorreu com contas de menores de idade que passar a adotar o status de “conta comercial”. Contudo, essa brecha já havia sido exposta na plataforma há mais de um ano pelo cientista de dados David Stier, da Comissão de Proteção de Dados da Irlanda (DPC) ― o principal órgão regulador de dados da União Europeia ―, e essas informações foram deliberadamente ignoradas pela empresa de Zuckerberg.

Essa negligência, portanto, expõe problemas graves acerca de como o Facebook se propõe a proteger informações de menores de idade. Em resposta à denúncia de Stier, a rede social disse que sempre deixou claro que as informações de contato são expostas quando usuários optam por uma conta comercial no Instagram ― mas não justifica terem ignorado que isso poderia ser um problema quando o assunto são menores de idade.

Procon-SP e GDPR notificam Facebook pelos vazamentos

Como consequência ao escândalo, agora, o Instagram passou a deixar como opcional a exibição de informações de contato caso o usuário faça a alteração de status da conta.

Mas isso não foi suficiente para a DPC, que abriu uma investigação formal para mergulhar à fundo sobre a relação do Facebook com o processamento de dados de crianças. 

“O DPC tem monitorado ativamente as reclamações recebidas de indivíduos nesta área, e identificou potenciais preocupações em relação ao processamento de dados pessoais das crianças no Instagram, que requerem um exame mais aprofundado”, escreveu o regulador ao The Telegraph, afirmando que vão utilizar os informações do Regulamento Geral de Proteção de Dados da Europa (GDPR) nesta avaliação.

Violações do GDPR podem atrair sanções de até 4% do faturamento anual global de um controlador de dados. Segundo o Techcrunch, isso significa que qualquer multa futura por violação do regulamento pode chegar a bilhões de Euros ao Facebook.

Na última terça-feira (20), o Procon-SP também notificou o Facebook, pedindo explicações em até 72 horas sobre a exposição de dados de menores de idade na rede.


+BIG TECHS

Itaú, Bradesco e um receio em comum: as big techs
Vazamentos: petróleo no mar do Nordeste, dados brasileiros na deep web
Big techs e o problema do monopólio de poder
As big techs Apple, Amazon e Microsoft expandem os negócios para serviços financeiros