Exclusivo: startup de logística Kangu já tem na mira o seu próximo país para internacionalização - WHOW
Vendas

Exclusivo: startup de logística Kangu já tem na mira o seu próximo país para internacionalização

Em conversa com o portal Whow!, o CEO Marcelo Guarnieri indica que um novo país da América do Sul é o mais cotado para a expansão do negócio

POR Eric Visintainer | 15/03/2021 15h52 Exclusivo: startup de logística Kangu já tem na mira o seu próximo país para internacionalização Arte Grupo Padrão (Giovana Sorroche) matéria: Especial esquenta Whow - Transporte e Logística

Um semestre após o seu último aporte recebido, de valor não revelado e por meio do programa de corporate venture capital do Mercado Livre, o Meli Fund, a startup de logística Kangu já tem em mente qual será o seu terceiro país para expansão.

A empresa, que é uma plataforma tecnológica, conecta vendedores de diferentes tamanhos de e-commerces com empresas de transporte e pontos de coleta para a postagem, retirada e devolução de mercadorias de pequeno porte.

E na cidade de São Paulo também exista a possibilidade deste processo acontecer por meio de “pontos Kangu”, uma espécie de agências do Correio. Estes são comércios locais que armazenam a encomenda até a sua retirada pelo usuário.

Startup de logística mira o Chile em expansão do modelo de negócio

Com presença já marcada em dois países da América Latina, a próxima possibilidade de expansão será para o Chile, como conta Marcelo Guarnieri, CEO da Kangu, com exclusividade ao portal Whow!.

“México e Colômbia têm problemáticas muito similares [com as do Brasil] e a curva de crescimento no México tem sido maior no negócio de e-commerce. Na Colômbia contratamos todas as pessoas online e ninguém do Brasil foi para lá. Chile talvez seja o mais próximo”, destaca o empreendedor que ainda comenta que a startup hoje está em pouco mais de 600 cidade no Brasil, além de já ter possibilitado a distribuição de 27 milhões de pacotes desde o início do negócio em 2019. “Pensamos em ser independentes, pois temos vários perfis de clientes para que seja uma operação com engajamento desde o começo. Normalmente, quando abrimos em um novo país, temos um parceiro que gere a produção inicial.”

E apesar da última rodada de investimento ter apenas seis meses, o empreendedor já está em busca de um novo aporte para ter mais abrangência no Brasil. Atualmente, os cofundadores estão pensando no valor que será necessário para este próximo passo, segundo conta o CEO da logtech.

Como surgiu a Kangu

Após quase uma década de atuação no mercado de logística, Marcelo decidiu começar a startup com outros dois sócios, mesmo sem nenhum deles ter imaginado isso nos respectivos caminhos profissionais.

“Trabalhávamos em transporte de carga na Rapidão Cometa e esta empresa foi vendida para a FedEx em 2014. Gostávamos muito do perfil de inovar e decidimos sair para dar consultoria para as transportadoras que conhecíamos. E no meio disso nós vimos a mudança do perfil de consumo e queríamos mudar as empresas em como elas inovavam”, diz. “Era difícil mudar estas empresas.”

Então, o grupo buscou uma forma de empreender, mas que também fizesse um bem social e tivesse uma perpetuidade. Na competição de entregas, o empreendedor comenta que o negócio também começou para alinhar as entregas com a economia colaborativa e, assim, aproveitar o melhor dos players envolvidos.

“Hoje levamos pacotes ao público dos Correios entre 50% e 60% mais barato. E a outra vantagem é de abrangência e o comércio local como um mini hub, pois temos mais de 3.200 pontos pelo Brasil, por isso estamos três vezes mais próximos das pessoas do que os Correios”, destaca.

Próximos passos da logística 

Marcelo conclui ao detalhar a sua visão sobre os próximos capítulos que enxerga para logística no Brasil.

Para ele, o setor ainda não chegou a um estágio avançado de logtechs e diz que ainda vão surgir muitas, pois existem outros aspectos a serem explorados: “Houve uma explosão em marketplaces no ano passado e pequenos vencedores estão com mais acesso. Também teve um aumento em ship from stores, o que muda o modelo logístico e isso vai acelerar o surgimento de novas startups. E acho este movimento extremamente saudável.”

E não perca as novidades nas nossas redes sociais no LinkedIn, Instagram, Facebook, YouTube e Twitter.


+LOGÍSTICA

Brasil tem mais de 280 startups de logística
Startup unicórnio brasileira comenta sobre o futuro da logística

Transporte 4.0: a revolução na logística