Exclusivo: Conheça as Top 10 edtechs de 2020 - WHOW
Eficiência

Exclusivo: Conheça as Top 10 edtechs de 2020

Conheça as startups campeãs da categoria Edtechs do Ranking 100 Open Startups 2020, e saiba o que pensam os líderes da 2ª e 3ª posição

POR Carolina Cozer | 09/11/2020 18h26

O prêmio Top 100 Open Startups, o ranking anual que destaca as startups mais atraentes para o mercado corporativo e as empresas líderes mais engajadas no ecossistema de inovação, revelou com exclusividade para o Whow! os vencedores da categoria edtechs, que representou 12% das startups que pontuaram no ranking de 2020.

Segundo nota oficial da 100 Open Startups, os setores de empresas que mais absorvem soluções da categoria edtechs são: energia, educação, serviços financeiros, tecnologia da informação e cosméticos.

Das mais de 13 mil startups participantes do movimento 100 Open Startups, pouco mais de mil estabeleceram relacionamentos de inovação aberta com empresas nos últimos 12 meses. Segundo informação oficial do Ranking, as startups do Top 10 de edtech tiveram 227 relacionamentos validados de inovação aberta no último ano.

DESCOLA

Happmobi

Witseed

Edusense

Keeps Learn

Startup Mundi

Ludos Pro

Blox

Workalove

Talent Academy

Aprendizado baseado em dados

A segunda colocada do ranking de edtechs de 2020 é a Happmobi, startup de treinamentos online que oferece inteligência de dados para a inovação na jornada de aprendizagem dos alunos. “Estamos muito felizes de estar no ranking mais uma vez. Isso é muito importante para nós”, comemora Aurélio Davanço, fundador da Happmobi.

A educação online corporativa com foco na proximidade com os clientes é um dos principais pilares da startup, que busca um relacionamento transparente com o consumidor. “Com essa proximidade nós conseguimos criar conteúdos educacionais que fazem sentido para os consumidores. Esse é o nosso diferencial”, diz Davanço.

Outro característica da Happmobi é aprendizado baseado em dados, que é capaz de gerar relatórios valiosos para as empresas. “Devolvemos para o cliente uma espécie de relatório de negócios através da educação”, conta o fundador, que afirma que a empresa está em uma maré de crescimento mensal, com novas oportunidades, contratos e clientes surgindo. “Para o futuro temos o desejo de produtizar alguns conceitos novos e levá-los para um público maior. Estamos com o mindset voltado para alguns produtos diferentes e que podem gerar impacto”, revela.

“Netflix” corporativo

Já pensou em um “Netflix” corporativo? A startup carioca Witseed gosta de brincar com essa classificação, pois o produto que oferecem se assemelha ao serviço de streaming mais famoso do momento. “Somos uma plataforma de capacitação profissional contínua, que usa a inteligência artificial e recomenda conteúdos de acordo com o interesse de cada usuário”, explica Bruno Leonardo, CEO da Witseed.

O executivo acredita que o propósito de implementar uma cultura de aprendizagem contínua dentro das empresas foi o que levou a startup a atingir o 3º lugar no Ranking de edtechs da 100 Open Startups. “Pesquisas apontam que é cada vez mais difícil encontrar profissionais qualificados para os novos desafios do dia a dia, e as empresas estão preocupadas com isso, olhando para o desafio de treinar e recapacitar a sua mão de obra”, aponta Leonardo.

Em um futuro próximo, a Witseed presente lançar uma academia só voltada para conteúdos de soft skills, que foi uma constatação que a empresa chegou durante a pandemia. “Ficou evidente que as empresas precisam capacitar as pessoas em soft skills, como comunicação, resiliência e inteligência emocional, que fazem as pessoas terem mais resultados. Vamos investir cada vez mais na produção de conteúdos voltados a isso”, compartilha.

Além da nova academia, a Witseed está se preparando para o processo de internacionalização, levando os conteúdos da escola para Portugal. “Nosso sócio já está morando em Portugal, e estamos com conversas avançadas com empresas da Europa”, finaliza Leonardo.


+NOTÍCIAS

Coluna: Por que a forma de como resolvemos problemas é um problema?
Especialista dá dicas sobre como usar a inovação e a estratégia em tempos incertos
Coluna: Um olhar sobre disrupção e ética
Laboratório de Inovação Financeira brasileiro passa a integrar a ONU