Nova estratégia e investimentos ajudam Flores Online crescer 150% - WHOW
Vendas

Nova estratégia e investimentos ajudam Flores Online crescer 150%

CTO da empresa explica que resultado vem do crescimento natural do mercado neste momento aliado a uma alteração na estratégia de marketing e investimentos

POR Adriana Fonseca | 15/05/2020 13h47 Nova estratégia e investimentos ajudam Flores Online crescer 150% Foto ilustrativa Tijana Drndarski (Unsplash)

No último mês, a Flores Online viu sua receita e as vendas crescerem mais de 150%, com uma nova estratégia e investimentos. O número de pedidos em abril e maio, que em 2019 havia sido de 18 mil, no mesmo período de 2020 foi de 46 mil.

Pioneira no comércio de flores pela internet, a empresa nasceu on-line em 1998 com a florista Fátima Casarini que, incentivada pelos filhos, criou um canal para venda de seus produtos na internet. Ao longo dos anos, a empresa foi aprimorando a sua tecnologia e as operações de entregas. Em 2012, recebeu investimentos da 1800Flowers, maior e-commerce de flores e presentes dos Estados Unidos, e do fundo de investimentos BR Opportunities.

Em julho de 2017, Luiz Torres e Lucas Buffo assumiram o comando da empresa que, agora, atua ao lado de Isabela Flores e Uniflores no Grupo Flora. Hoje, são 55 funcionários e, em 2019, a empresa registrou 200 mil pedidos.

“Com o isolamento social, as pessoas buscam alternativas para presentear à distância, com isso nosso mercado está em um crescimento natural”, afirmou Lucas, ao Whow!, sobre o crescimento relevante alcançado em abril e maio.

Estratégia de crescimento da Flores Online

“Alteramos nosso plano de investimento em marketing, trabalhando uma maior diversidade de mídias e aumentando o investimento em várias etapas do funil de conversão. Isso foi fundamental para que conseguíssemos obter uma boa fatia desse crescimento do mercado”, explicou Lucas, CTO da empresa.

Além disso, desde o início do distanciamento social a empresa iniciou a estratégia de aumentar a produtividade da equipe através de automatização dos sistemas. “Com isso, para absorver o aumento de pedidos, tivemos que contratar somente sete pessoas, sendo quatro no nosso centro de distribuição em São Paulo e três no escritório que fica no interior.” No Centro de Distribuição, aliás, foram feitas as devidas adaptações relacionadas aos cuidados com a manipulação dos produtos, uso de máscaras, luvas, álcool em gel, limpeza e higiene.

“Com a quarentena, os comércios e as pessoas se voltaram ainda mais para o mundo on-line, e com um momento tão delicado, todos querem se mostrar próximos uns dos outros, demonstrar afeto e carinho, seja com seus familiares ou amigos que estão distantes. Há muitos aniversários e datas importantes, que fazem as pessoas buscarem nas flores um gesto carinhoso e especial”, afirmou o executivo, explicando o motivo do crescimento nas últimas semanas.

Para o Dia das Mães, data forte para o varejo, a Flores Online trabalhou com uma meta de crescer 100% em relação ao ano anterior. “Cumprimos esse objetivo”, diz Buffo.

“Poderíamos ter crescido mais, porém, como o volume de pedidos é muito grande, nós preferimos limitar a taxa de crescimento e garantir uma excelente experiência de compra e entrega para os clientes.”

Lucas Buffo, CTO da Flores Online

estratégia flores online Foto Lucas Buffo, CTO Flores Online (divulgação)

Ajuda para pequenos empreendedores e lojistas

Em abril, o Grupo Flora, dono da Flores Online, lançou o Gingo, uma plataforma que permite que pequenos empreendedores e lojistas afetados pela crise do novo coronavírus continuem vendendo por delivery. O Grupo Flora já vinha estudando  e planejando a estratégia, há alguns anos, como iria desenvolver esse novo negócio.

“Era uma ideia antiga, mas não seria lançado neste momento”, afirmou Lucas. “A chegada do coronavírus nos fez adiantar esse processo, pois muitos comerciantes e pequenos lojistas estavam quebrando e fechando suas portas por não terem infraestrutura para atender on-line. Então, desenvolvemos todo o projeto em apenas alguns dias e já colocamos para rodar.”

Após sete dias de desenvolvimento, a plataforma começou a funcionar. Hoje, há 195 lojas cadastradas e por enquanto o Grupo Flora não ganha uma porcentagem sobre as transações feitas por meio da ferramenta. “Neste momento de pandemia não estamos pensando nisso, e vamos avaliar futuramente como será feita essa monetização”, explicou o CTO.

Em 2019, o Grupo Flora faturou R$ 32 milhões, um crescimento de 30% em relação ao ano anterior.

“Os estabelecimentos de bairro estão sofrendo muito com os impactos do cenário atual e, por meio do Gingo, encontramos uma forma de ajudar o pequeno empresário a se conectar com seus clientes sem custo algum.”

Lucas Buffo, CTO da Flores Online

O executivo explica que os lojistas cadastram seus produtos com fotos, preços, taxa de entrega e podem, sempre que quiser, ficar on-line para receber os pedidos. Na plataforma, o empreendedor concentra todas as solicitações de entrega, organizando a equipe e a demanda da loja. O envio e o pagamento ficam a cargo do comerciante. “Para o cliente, a vantagem é poder fazer a compra através de uma plataforma robusta de comércio eletrônico, ao invés de ter que ligar ou pedir pelo WhatsApp”, disse Lucas. “Além disso, ele também pode acompanhar o status do seu pedido, sabendo quando está em produção ou separação e o momento em que saiu para entrega.”

Segundo o executivo do Grupo Flora, muitos estabelecimentos estão conseguindo ter bons resultados utilizando a plataforma. “Alguns deles chegaram a ter R$ 3.400 de receita vinda da plataforma em 30 dias.”


+ESTRATÉGIAS

Além do delivery! O que as pessoas pedem na Rappi?
Veja as lições de empreendedorismo com o presidente da Cabify no Brasil
O que pensam os robôs? Conheça Pepper e Nao
Futuro da mobilidade e inovação no Brasil, segundo CEO do Waze